Moro olhava as passeatas, enquanto o massacre corria solto em Manaus

O sistema prisional brasileiro é, em última instância, responsabilidade do Ministério da Justiça.

Ontem, enquanto o assassinato de presos ocorria no presídio, matando 15 pessoas na manhã de domingo no Complexo Penitenciário Anísio Jobim, em Manaus, Sérgio Moro dedicava-se a “comemorar” as manifestações de apoio que recebia do bolsonarismo.

Sem uma ação imediata, outros 42 homicídios foram registrados hoje em mais três unidades prisionais do Amazonas.

Moro estava mais dedicado à batalha para manter o Coaf e só à noite mandou um grupo de intervenção das Forças Nacionais de Segurança aprontar-se para ir para Manaus.

Não é possível que um presídio onde 56 pessoas tenham sido executadas, em rede de televisão, no reveillon de 2017 não fosse uma instituição onde houvesse alerta máximo para o risco de chacinas.

Tanto estava que, em janeiro, Moro prorrogou a permanência de um contingente das FNS em Manaus. E em março, mandou o próprio comandante da força ao Amazonas.

Então, a tragédia não poderia ser algo inesperado, imprevisível.

Só não era importante.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

19 respostas

  1. Foi tratando da forma mais incompetente possivel as rebeliões de 2017 nesse mesmíssimo presidio que o impensável Alexandre de Moraes chegou ao STF. Dejà vu puro esse imobilismo de Moro. Somos uma tragédia permanente.

  2. De onde tiraste que ele poderia dar atenção a um contingente de seres humanos vivendo em condições que nenhum animal vive, quando assistia e torcia, a cada imagem, pelo emparedamento do STF? Ele dependia desse autogolpe. Deu chabu. Talvez tenha que apelar a forças superiores, digamos, para que caia algum avião. Gente pobre, desassistida, alguns sem processo, morrendo assassinada dentro de um depósito só comparável a Sobibor ou algo assim não vem mesmo ao caso.

    1. Exato. Nosso nível de civilização é medido pela forma que tratamos a base da pirâmide social. E por essa régua, estamos ainda no fim do século XIX.

    2. Exato. Nosso nível de civilização é medido pela forma que tratamos a base da pirâmide social. E por essa régua, estamos ainda no fim do século XIX.

  3. Na turma do Pernalonga, temos o atrapalhado “Hortelino Troca-Letras”.

    Já na turma do Bozo, há o Sejumoro Come-Sílaba, também conhecido como “Conje”.

  4. desde quando o ministro moro é polícia ou agente de presídio ? junta tua trupe e invade o presídio seu mentiroso.

    1. Desde quando ele optou por ser o pseudo onipotente e super herói dos jurássicos e saudosistas dos fornos de Sobibor!

  5. tenho o direito de comentar se apagar venho 10 , 20 ,1000 vezes fazer meu comentário tenho o direito

    1. Desde que o Depen – o Departamento Penitenciário Nacional – é órgão do Ministério da Justiça. Que, certamente, importa menos ao ministro do que o COAF que ganhu de Bolsonaro.

  6. como não era importante?
    claro que era – morrerm vários bandidos, e bandido bom é bandido morto
    acham mesmo que Moro ia impedir isso?

  7. O marreco de Maringá, olhando as manifestações, deve ter pensado: “como não posso colocar todos os pobres, pretos, putas e petistas na prisão, vou tentar confiná-los nos cemitérios e favelas”. Se não o prenderem, dentro de pouco tempo, ele manda instalar câmara de gás pra facilitar o serviço. Só armas não será suficiente.

  8. Há uma singela explicação: o ex-juizeco e agora ministreco só trabalha em causa única, prender o Lula e manter sua prisão… O resto???? “Não vem ao caso”, como sempre…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.