Muros de Trump são um tapa na cara até de seus antepassados

Donald Trump é neto de um imigrante alemão, Frederick Trumpf, com um “f” a mais no nome, certamente clandestino, pois contava com apenas 16 anos. A avó,  Elizabeth, também era alemã.

Trump é filho de uma escocesa, Mary Anne MacLeod , que imigrou para os EUA aos 18 anos.

Sua primeira mulher, Ivana, nasceu na hoje Republica Checa.

A atual, Melania, é eslovena, nascida na antiga Iugoslávia.

Mas se Donald Trump fosse presidente dos Estados Unidos ao longo do último século, Donald Trump não existiria.

Patricia Campos Mello, na Folha, informa que já há um “muro” anti-imigrantes erguido nos EUA, por sua política.

No ano fiscal de 2018 (que vai de 1 de outubro de 2017 a 30 de setembro de 2018) os EUA reassentaram 22.491 refugiados –menor número dos últimos 40 anos. Foram 53.716 no ano fiscal de 2017 e 84.994 em 2016.

Embora o número de imigrantes no Brasil tenha crescido com a crise venezuelana – na qual estamos jogando gasolina – a média de imigrantes aqui, entre 2000 e 2015, foi de 54 mil por ano.

Duas vezes e meia o que um país maior e imensamente mais rico como os EUA abrigaram ano passado.

Mas o Governo Bolsonaro já anunciou que vamos deixar o acordo migratório ajustado pela ONU, para filiar-se ao “aqui, não” trumpista.

E a propaganda xenófoba, como mostra o Datafolha, coloque a imigração como um problema a ser temido.

Duvido que qualquer um de nós não tenha um avô ou bisavô imigrante: português, espanhol, judeu…Vindos para cá, como dizia a minha avó, “com uma mão atrás, outra na frente”, na terceira classe de navios imundos, procedentes da Europa. Ou negro – com mais tempo por aqui – vindos ainda em condição muito pior, nos porões dos navios do tráfico de seres humanos.

Só existe uma maneira civilizada de conter a onda migratória: equilibrar o desenvolvimento dos países, deixando de saquear nações e arruinar povos.

Mas é o inverso do que faz este selvagem que preside os Estados Unidos, que ameaçou, caso não lhe deem o novo “Muro da Vergonha” separando o país totalmente do México, fechar as fronteiras norte-americanas. E cortar a ajuda a países como  para cortar a ajuda a Honduras, Guatemala e El Salvador como punição. São países que afirmou não fizeram “nada pelos EUA, mas pegando [pegaram] nosso dinheiro”.

É isso, no raciocínio cínico desta gente. Honduras, Guatemala e El Salvador talvez tenham recebido juntos, de ajuda norte-americana, algo como 0,001% do que despejaram em tropas e bombas no Oriente Médio.

O “mundo sem fronteiras” é só para o capital, para as mercadorias baratas e hambúrgueres.  Não para seres humanos.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

12 respostas

  1. Próprio para esta época, de povUSS_$$ e genteSS ma$$ificadA$$ no individualismo hedonista inconsciente, inconsequente e egoísta pela midiotização globalizante/globalizada, o poema a seguir está sendo CENSURADO por uma editora carioca, que não o publica (“on-line”), por razões obscuras, numa das seletivas de poemas de dezembro deste 2018, para livro a vir a lume em março de 2019 :

    Elles (Ou Mal lutar é lutar mal)

    Dedicado ao eleiTORADO brasileño, no pós-eleições de 2018…

    Nunca se viu povo tão idiota
    militando contra a própria sorte!…
    Mesmo toda paciência se esgota
    quando os “fracos” idolatram o “forte”.

    E ainda esperam alguma cota…
    Coitados! Que o tempo não lhes corte
    a memória em meio à tal rota
    da vida indo ainda mais para a morte…

    …………………………………………………………………………………….. Cláudio Carvalho Fernandes
    …………………………………………………………………………………….. (Poeta (anarcoexistencialista))

  2. e o que falar então do traste eleito que tem um discurso ainda pior, sabendo que o Brasil é uma miscelânia de todos os povos da Terra?

  3. Chega a dar a impressão que todas as vezes que você quer fortalecer uma causa natural, lutar contra ela seja a melhor maneira. Quanto mais você reprime o movimento, mais ele se torna necessário e mais esforço repressor você vai poder se gabar de dispender: tirando a motivação eleitoreira, parece bem contraproducente. Presumo que as melhores soluções de problemas humanitários sejam as que respeitam e compreendem seu movimento espontâneo e atuam na raiz deles. Mas não devem resultar em votos apaixonados.

  4. Trump é tampa de penico… esTrumpício bom é esTrumpício morto. Aliás, e isso tem tudo a ver com o cara de cu de boi do cu brancu, milicu (militar) bom é milicu (militar) morto/morta… E tem que ser logo porque se não, proliferam como ratos ou vírus ou cânceres que são (simultaneamente e não necessariamente nessa sequência) e vão ainda querer alegar que também são seres humanos, olha só que descaramento!!

  5. Na gjuerra fria, hoje guerra da informação, os Estados Unidos alardeavam contra o muro de Berlim, nsda como um dia após o outro, estão mostrando ao mundo com o vivem da mentira, da hipocresia. Vivem tambem da ação de traidores obidiéntes à CIA nos países da America Latina. Estamos perdendo esta guerra por falta de contigente nacionalista. Canalhas só são nacionalistas em campo de futebol cantando o hino com a mão no coraçào.

  6. Eu sendo o México….quem passava o muro seria eu….e foda-se Trump e os EUA…que se devorem….marcaria uma economia punjante e de caráter humanístico….e quando os EUA pedisse penico….passaria o vídeo do discurso desse imbecil que comanda os EUA…

  7. Essa desgraceira toda foi implantada nos EUA e aqui pelo satanás Steve Bannon. Esse mesmo, segundo ouvi de Pepe Escobar há um mês, em conversa com Attuch, se encontrava na Europa à convite de parlamentares da Espanha e Itália. O sucesso de Trump e Bozo já repercutem ao ponto do sujeito ser convidado para ditar novos regimes até na Europa.
    Com a vinda de Nethaniahu, que mais tem pra tirar de nós, podemos sentir que o que parecia ruim poderá vir a ser muito pior. O que esperar de um homem que não tem nada a ver com os interesses do nosso povo.

  8. O que fazer, então…? Aqui mesmo no Brasil, se um sistema de saúde funciona em um município, por exemplo, e no outro, não, os doentes acabam migrando de suas cidades para serem atendidos em um lugar no qual existe atendimento. E não raro os gestores selecionam quem pode e quem não pode ser atendido. O critério é simples: se é de outro município, não deve receber atendimento médico, pelo risco de provocar colapso em um sistema que funciona.

    O que vocês pensam sobre essa questão? Aliás, se vocês fossem gestores, o que fariam?

  9. E o Bozo, cujos antepassados vieram da Itália (que belo presente!!!), mas que não hesita em dizer que imigrantes são o fim do mundo, umna corja de desocupados que servemn apenas para prejudicar a sociedade!!

  10. Escrevi hoje pela manhã, mas parece que fui censurado… Que merda é essa de ser censurado? Sou de esquerda, e fiz uma crítica à esquerda. Brito, já vi que a mosca azul tem picado o seu coro. Li que esteve doente. Acho que continua, agora com uma enfermidade bem pior: a vaidade.

    Releia o que enviei (deve estar por aí em alguma lixeira) e observe se meu texto realmente não deve ser publicado, apesar das controvérsias…

    Já leu “Ao vencedor as batatas”? Talvez precise refletir sobre isso.

    Você tem certeza de que ” a política sem polêmica é arma da elites” mesmo?

    Aliás, tire as vírgulas de “sem polêmica”, porque a melhor ideia é restritiva, não explicativa.

    1. Nem sempre, sozinho, posso liberar comentários rapidamente. A pressa em acusar é má conselheira.

  11. Assisti uma mesa redonda de jornalistas americanos em rede nacional ,dizerem com todas as letras, que Trump está a um passo do Impeachment, pois o que ele faz de corrupção, misturando seus negócios pessoais com a figura de presidente ,é enormemente mais grave do que aquilo que Nixon fez.
    Ontem saiu no New York Times uma matéria que informa ser o Impeachment de Trump INEVITÁVEL.
    Bolsonaro vaI ficar pendurado no pincel, sem ninguém que o apoie no mundo inteiro, e o Brasil irá….. ‘PRO SACO”., graças a um povo que deu um tiro de canhão no pé.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.