Não é o shopping fechado, estúpidos

O dinheiro é mais forte que o coronavírus, mesmo no dia em que nosso país registra o maior número de mortes: 383 em um único dia.

Não ache que começam a fazer efeito as pressões para a reabertura do comércio – a indústria e a agrucultura jamais pararam senão pontualmente – nas cidades brasileiras.

Nem que é uma decisão baseada na análise de superação de picos epidêmicos, uma vez que os hospitais seguem se enchendo de gente e enterramos pessoas sem saber se, de fato, foi o Covid 19 que as matou.

Fala-se num “marketeste” do Ibope, totalmente sem propósito senão o de mostrar que o “eleitorado” macabro do coronavírus é “só” de zero vírgula um pouquinho da população, mesmo que isso represente centenas de milhares ou mesmo um milhão de pessoas.

Não, não é o balconista sem balcão para vender, o pequeno lojista – sem loja online, não é? – sem clientes, o bombeiro hidráulico que ninguém vai chamar para fazer uma reforma no banheiro.

São os grandes mercados mundiais, os grandes negócios que pararam e não podem parar.

Daí as pressões, desde Trump até Bolsonaro, para “soltarem os bichos”.

Imaginem o quanto de dinheiro vale, por exemplo, mesmo uma pequena recuperação dos preços do petróleo, hoje levado a zero ou negativo, com as empresas tendo de pagar para que alguém leve o óleo que já lota não só os tanques terrestres como também quase todos os petroleiros, transformados em cisternas flutuantes com mais de 160 milhões de barris acumulados em seus porões.

Idem para os mercados industriais e, pela sua baixa demanda, nos mercados de metais e minérios, assim como na demanda da indústria por energia elétrica.

É em nome disso que se pressiona para atirar as pessoas à rua, tornando inútil o tal “isolamento vertical” de idosos e doentes, que ou receberão o vírus delivery ou, arrastado pelo fluxo “normalizado”, aumentando seus deslocamentos e presença em ambientes de contaminação.

É por isso que arrisca-se jogar fora todo um mês de sacrifícios de isolamento praticado por todos nós, com graves consequências no emprego e renda e todos os sacrifícios pessoais a que nos submetemos.

O simples anúncio do plano de reabertura, a ser anunciado na quarta-feira, já vai fazer cair o isolamento.

O flerte com a morte está funcionando e muitos sentirão seu beijo frio.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

18 respostas

  1. Hoje eu atendi um telefonema de um call center se identificando como do Ministério da Saúde. Deve ser o tal “marketeste” do Ibope.
    Fazia duas perguntas para mim; se afirmativo teclar 1, se negativo teclar 2. A primeira era se tive ou estava tendo sintomas de febre, tosse, dor de garganta, de coisas assemelhadas ao COVID-19. A segundo, após ser informado de procedimentos básicos de higiene preventivos da pandemia, se eu tinha conhecimentos deles.
    Acho que isso dá a dimensão do “rigor” das informações que o ministério pretende levantar. Tem o rigor das piadas sem graça do palhaço chefe do sinistro Reich.

  2. Todos temos que pensar no novo mundo que surgirá após essa pandemia. Talvez tenha chegado a hora de começar a repartir o bolo em bases democráticas e privilegiar quem realmente precisa, em todo o mundo. Isso significa um consumo menos exacerbado de mercadorias desnecessárias, mais investimento produtivo, mais emprego, mais infraestrutura onde não existe, menos fabricação de armamentos, mais educação, menos fome, mais moradia, mais saúde, mais liberdade, menos ricos e muito, muito menos pobres. A chance do mundo é agora, do contrário haverá alguma guerra mundial breve. O Brasil está nesse contexto e não será com esse governo que poderá ter participação ativa; seremos meros figurantes de quinta categoria.

  3. Eu que já não leio a grande mídia há 15 anos, vou parar de ler a blogsfera dita progressista também. Porque uma coisa é denunciar, protestar, lutar pela democracia. E outra é a incrível morbidez que tomou conta de toda essa mídia alternativa. Se é para ver imagens de túmulos, profecias de catástrofe, proclamação de um futuro terrível, aí eu prefiro assistir o programa do Datena, que pelo menos dá para rir também.
    Há uma visível histeria na esquerda, provocada pela tensão da pandemia somada ao horror gerado pelo comportamento de nosso Presidente bandido.
    Se essa histeria chegasse aos olhos e ouvidos de quem deveria vê-la e ouvi-la ainda haveria uma razão.
    Mas na verdade o que ocorre é um gozo lacaniano de ficar repetindo para nós mesmos o pior dos cenários que se possa imaginar.
    Nunca é demais lembrar que, nas piores tragédias, é fundamental manter o ânimo elevado e a coragem para poder superá-las.

    1. Com todo respeito…
      Talvez vc devesse quebrar esse jejum midiático, de preferência leia/assista a mídia internacional para ter uma ideia do que aconteceu na Europa e está acontecendo nos EUA.
      Negação não tem nada a ver com manter ânimo elevado e ter coragem.
      Superação desse problema só virá com o CONHECIMENTO da realidade (em especial com a aplicação de testes em massa).
      https://www.youtube.com/watch?v=NMre6IAAAiU

  4. O grande problema é que o trabalho do Guedes foi para o espaço, tenha ou não tenha quarentena. A economia se fu, adeus, tudo terá de ser repensado e repactuado. Tentar avançar dentro da pandemia com reformas de capitalismo liberal não faz qualquer sentido. Guedes evaporou-se não tem mais o que fazer. Neste contexto, sem Guedes, mesmo os conservadores que só tenham um pouco de visão sabem que a retomada da normalidade do país vai se fazer em bases inteiramente novas, em um contexto forçosamente de grande amplitude democrática. “Eles” apoiavam Bolsonaro por causa do Guedes. Sem Guedes, para quê apoiá-lo? E neste novo contexto, tudo indica que Bolsonaro não terá qualquer papel a desempenhar. Vai se esvaziar como uma bexiga furada.

      1. Você não sabe? Guedes é um esperto corretor, e tem trabalhado como um desesperado para que o Brasil jamais volte a ter o protagonismo internacional que já teve, quando chegou a ser a sétima economia do mundo e a desempenhar um papel de primeira grandeza na diplomacia internacional. Para ele, destruir o Brasil não lhe bate a passarinha, é apenas questão de agradar o cliente.

    1. Na minha opinião este vírus foi a salvação do Bixo.
      Agora ele tem alguém para jogar a culpa pelo fracasso econômico e social do seu desgoverno.
      O coronavurus será o Judas dos idiotas.

  5. Ora, ora , ora……hoje aquele jornalista que fica a tarde toda pulando num cercadinho e mesmo assim entende de tudo, se é que dá pra chamar aquele senhor de jornalista, afirmou que o bolsodoria poderia afrouxar a quarentena se as mortes baixassem…isso no mesmo dia em que as mortes bateram recordes…..o povo tá fudid……em nome da economia vai morrer sufocado…..

  6. A Boeing está à beira da falência, e não tem dinheiro para pagar pelas ações da Embraer. Mas com certeza o governo americano vai intervir e salvá-la de seus credores e, de quebra, açambarcar a Embraer. O Brasil já foi bem maior do que é. Os militares poderiam ter vetado essa entrega escandalosa de nossa saudosa fábrica de aviões aos finórios do Norte.

  7. Bem que o BÓSTA-NARO,poderia ter razão,ao dizer que 70% de mortes,seria até,natural.Melhor seria,que somente morressem,os seus eleitores e cúmplices! Quem sabe?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.