Negócios na China

O anúncio de que o Produto Interno Bruto da China cresceu 3,2% do segundo trimestre do ano, depois da queda de mais de 6% no primeiro, deveria servir de lição aos que gritaram, até se imporem, pela retomada das atividades econômicas em pleno surto do novo coronavírus.

Não se entrará em discussão se os números chineses da doença foram maiores do que se divulgou ou se morreram mais pessoas que o noticiado. O caso é que o bloqueio severo e a paralisação total das atividades deteve o vírus – ao menos neste momento – e possibilitou uma retomada vigorosa e rápida da economia.

Um contraste imenso se comparado aos países que negaram a gravidade da doença, resistiram ao “lockdown” e correram a abrir tudo pouco tempo depois.

Os Estados Unidos, depois de amargarem uma queda de 5% no PIB já no primeiro trimestre, terão uma retração que pode ficar em 30% no segundo, segundo previsões dos economistas do Wall Street Journal, para recuperarem – se as coisas pararem de piorar por lá, no terceiro trimestre, menos da metade do que perderam (15%).

Os que repetem estas baboseiras de “vírus chinês” e “plano comunista” devem se lembrar que nada obrigou os governos ocidentais a menosprezarem a doença, a dizerem – como Trump e Bolsonaro – que era “uma gripezinha” que se curaria com cloroquina, nem a repetirem, como um mantra macabro, que “a economia não pode parar”.

Os chineses pararam. Pararam tudo. E porque pararam, estão andando de novo, e rápido.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

7 respostas

  1. Infelizmente eu acho que ainda corremos o risco de ver essa quadrilha que está destruindo o país, aumentar muito sua aprovação com qualquer recuperaçãozinha que venhamos a ter em 2021. Muitos já estão alertando para isto. Essa corja tinha que ser expurgada este ano mas, nessa nossa estranha democracia, existem as figuras de dois verdadeiros “imperadores”: os presidentes do congresso e do STF.

  2. A baboseira do “vírus chinês” é para justificar o grande assalto que as potências ocidentais preparam contra a China.
    EUA e Reino Unido lideram a ofensiva, deslocando porta-aviões e suas esquadras para o mar do sul da China. Enquanto perpetram um bloqueio econômico ilegal contra a Huawei, tratam de armar um grande arsenal em Taiwan.
    São ações de guerra escancaradas, contra as quais ninguém protesta. Brasil e todo o resto do mundo está sendo arrastado para a guerra nuclear com o apoio subserviente de idiotas como o Arnesto, expressão da nossa vergonhosa idiocracia.
    A estupidez de Trump e seu séquito de imbecis é ameaça muito mais letal para a Humanidade que o cronavírus.

    1. Os idiotas acham que estariam lidando com o bolsoasno e os brasileiros, covardes por essência?
      Na verdade esse é o suspiro de uma ex potência que reluta em ceder lugar à próxima. Para quem se pretendia um novo império Romano, caiu mais cedo do que se previa.

  3. Não podemos comparar o Céu com o Inferno. A estrutura política e econômica chinesa é incomparável com qualquer país ocidental, se eles pararem um ano eles não quebram, porém o ocidente morre. Só vai parar de pé os países Socialistas, do lado de cá só sobrarão os Sionistas devido a rapinagem total dos que sustentaram o capitalismo.

  4. No início dos anos 90 do século passado os gênios das grandes instituições multilaterais e das grandes corporações empresariais imaginaram a aurora de uma nova era, que eles chamaram e a grande imprensa ajudou a disseminar com o nome de globalização, uma utopia do livre mercado, uma espécie de psicodelismo yuppie onde os soberanos não são seriam mais os cidadãos mas os consumidores, onde capitais, bens e serviços e os indivíduos se movimentariam livremente por todo o globo terrestre e os preços refletiriam apenas as preferências desses ávidos consumidores, onde caberia aos estados nacionais apenas a função de zelar pelos contratos e pela segurança desses consumidores, até mesmo a existência e a necessidade de forças militares era colocada em questão. O sonho não durou nem um ano, a Guerra do Golfo e a Guerra Civil na antiga Yugoslavia, e o debacle da URSS e do leste europeu, e depois as crises econômicas daquela última década do século revelou que o pesadelo da guerra e da destruição política e econômica apenas estava (re-)começando e nada mais distante da realidade e do mundo do que aquele idílio neoliberal do que o novo mundo da globalização com todas as distorções, desequilibrios e inestabilidades. Mas foi a primeira década do novo século que levou todas essas iniquidades para o centro do capitalismo, que veio primeiro na reescalada da Nova Guerra Fria, que parecia demonstrar que o Império não pode viver sem a figura do inimigo externo (“islamistas”, “narcos”, “bolivarianos”, “populistas” e até mesmo simples democracias sociais com pretensão a algum nível de autonomia ou soberania) sem azeitar sua gigantesca máquina de guerra e de espionagem e seu enorme orçamento (este sim imperial seja visto em termos absolutos ou relativos nada se aproxima no mundo ao orçamento de “Defesa” do “Império”. Agora de todas as promessas e ilusões nada foi maior do que no campo econômico. Não só o centro do capitalismo se viu receber o Golpe das Grandes Depressões e Crises Financeira mas viu nascer seu maior desafio desde o último desafio do socialismo soviético. Agora o Império tem que literalmente lutar com a potência econômica que ela mesmo ajudou a criar, a China. E tem gente que ainda acha que tudo está programado por um grande irmão orwelliano. O mundo sempre vai superar a ficção ou a imaginação humana, porque ele é justamente esse poder elevado a potência.

  5. Quando tudo parou na China, o burburinho orientalista foi insuportável, sobretudo na mídia anglófona, os chineses erem acusados de “mentalidade de colméia” pra baixo, era preciso verificar a data do jornal duas vezes pra ver se não era uma edição do século XIX. No começo do ano, os liberais norte-americanos, os europeus “limpinhos e cheirosos”, todos eles menosprezaram o potencial contagioso do covid-19 e acharam que a “superioridade” de seu sistema político, pela “liberdade” e “transparência”, cuidaria da problema automaticamente, que não havia com o que se preocupar…. a arrogância ocidental custou um sem-número de vidas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.