Novas prisões reacendem o “é o hacker”, o que já não tem qualquer importância

A Polícia Federal prendeu hoje mais duas pessoas acusadas de terem participado do “hackeamento” que seria a origem do material revelado pela “Vaza Jato”.

Nada se sabe sobre seu envolvimento no caso, até agora.

Passados dois meses das primeiras prisões, salvo se houve confissão dos que estão presos, são prisões que não se devem, é claro, a ligações óbvias entre eles.

Seja como for, o único efeito disso será reacender a ira da matilha direitista, porque a veracidade do conteúdo já está mais que provada e é isso que tem importância política e judicial, mesmo que não no sentido de responsabilidade penal da trupe de Curitiba, mas nos que foram objeto de ações ilegais e comprometedoras da lisura dos processos.

O resto é diversionismo, o que a esta altura, não tem mais serventia. Não funciona culpar o buraco da fechadura pela nudez.

Talvez sirva, apenas, para acelerar novas revelações.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

8 respostas

  1. Brito, insisto: não é sobre a matilha, é sobre dar manchete no G1. O portal da narrativa oficial da história do Brasil. Lá, o jato nunca vazou. Lá, Sérgio é anjo!

  2. Fico aqui imaginando se quando a PF recebe denúncias de pedofilia oriundas de hackeamento eles também vão atrás dos hackers, ao invés de irem atrás dos pedófilos…

    1. O problema é que quem pratica pedofilia de modo organizado, ligado a sites e grupos é gente “de bem”. “Gente de bem”, via de regra, é ligada ao poder, é “dos nossos”. Então, não interessa. As poucas operações de que se tem notícia nesse âmbito, normalmente, não vão a bom termo, porque se prestam a atingir determinados alvos, que não são passíveis de serem atingidos por outros caminhos. Portanto, as vítimas desse crime monstruoso e enraizado, sobretudo, entre os de “de bem”, na casta cheirosa, são secundárias e não merecedoras de ajuda e proteção.

  3. Ainda tenho pra mim que parte dessa história de prender os “hackers” é de criar um álibi para provas ilegais se tornarem legais. Lembro de algo do tipo “eu vi as conversas e apaguei”, acho que do Moro tentando acalmar algum outro político. Se está na cara que os ararahackers não eram hackers coisa nenhuma, que conversas eram essas?

  4. Isso tá igual ver cachorro correndo atrás do próprio rabo. A polícia federal passou a ter papel de irrelevância e todos que se lambuzaram na lava jato, idem.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *