O arsenal do Jair

Marco Antônio Martins, do G1, publica números obtidos por um levantamento feito pelo Instituto Igarapé, sobre o número de registro médio por dia de armamentos feitos no Sinarm – Sistema Nacional de Armas da Polícia Federal – para o uso de civis, mas o faz de uma forma que não ajudar a dar a dimensão exata da tragédia armamentista que varre o Brasil.

É que os números são apresentados na forma de “média de registros diários”: passamos de 43 e 46, em 2017 e 2018, para 378 normas registradas em 2019, 2020 e janeiro/fevereiro de 2021.

Impressiona, mas não nos choca como deveria, porque é apavorante.

43 armas/dia, em 2017, são 15.695 no ano; 48 armas/dia ao longo de 2018, são 16.790. Já a média diária de 378 armas de 2019 para cá nos leva ao inacreditável número de 298.620 novas armas em poder da população civil brasileira.

Tirado, pela mesma média, o que se referiria a janeiro e fevereiro de 2021, para poder comparar períodos de dois anos, são 42.485 novas armas no biênio 2017/2020 contra 276.318 no biênio 19/20.

550% de aumento!

O texto fala ainda que esta é apenas uma amostra, porque o ritmo de aquisição de armas segue crescendo – “o número de novos registros de armas de fogo no Brasil aumentou 90% em 2020 em comparação com o ano anterior (2019)” – e pode se multiplicar várias vezes se a decisão da Ministra Rosa Weber suspendendo o decreto de Jair Bolsonaro que dá autorização para 6 a 8 (no caso de cidadãos comuns e policiais) e até 60 armas para “caçadores, atiradores e colecionadores” for derrubada.

Estamos falando em chegar ao final do governo Bolsonaro com meio milhão de novas armas em poder de civis e só alguém muito tolo não percebe que isso é a criação de uma base bélica para milícias de alcance nacional.

E em militares que, não sendo bobos, são omissos ou cúmplices da quebra do monopólio do Estado sobre forças armadas. Assim ,e minúsculas, com “M” de milícia.

 

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *