O Brasil virou xepa

Não tente fazer análises políticas ou econômicas sobre o Brasil com muita seriedade, porque você vai errar.

Deixamos de ser o que éramos há alguns anos, um país carente, injusto, mas à procura de caminhos para desenvolver-se  e nos tornamos uma xepa.

Nada mais funciona com algum senso.

A economia real enfia-se num pântano e já ninguém acredita que o PIB vá sair do zero, mas a Bolsa de Valores – em tese o lugar que deveria refletir o vigor (ou a falta de) da atividade econômica está nas alturas.

Na falta de governo, o Legislativo quer ser o dono da “pauta” para o Brasil, achando que pode ser governo, sem meios para isso.

O Judiciário virou, na falta de Legislativo e no horror do Executivo, legislador universal.

E o Executivo, na falta do que fazer – sim, porque o governo Bolsonaro não foi eleito para nada, senão para odiar – brinca de gato e rato com ambos, como neste caso dos decretos das “arminhas”. Ou de carrinhos, como nesta farsa da Fórmula 1 no Rio, transformada em prioridade nacional.

Bem uma xepa, mesmo, com tudo junto, misturado e com mau aspecto e odor.

Com seis meses a se completarem semana que vem, o Governo Jair Bolsonaro virou um fim de feira.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

18 respostas

  1. Permita-me acrescentar o que considero mais triste. Um povo passivo, na maior parte imbecilizado, em grande número acanalhado, assistindo a tudo isso no JN, de boca aberta e olhar sem brilho à espera da novela.

    1. Novelas, papo imbecil no zapzap, filme de quinta categoria nos aplicativos e assim vamos…quando acordarem, estarão com as correntes bem presas aos pés. Ou não acordarão jamais.

    2. Em grande parte se deve a passividade da esquerda em liderar um movimento pela democracia e contra os radicais fascistas.

    3. No filme IDIOCRACIA, que mostra o fim da humanidade pela burrice endêmica, compulsiva, incontrolável e altamente contagiosa, tem uma cena que é exatamente isso que você descreve.

  2. Os ditos “progressistas” tem que parar de se iludir e de iludir o povo com a fantasia de que existe solução por vias institucionais para esta república petrolífera de bananas ou para a libertação de Lula. O brazil já era. Nosso futuro será muito parecido com o daqueles países que foram sugados até o fim pelo imperialismo e depois foram abandonados à própria sorte, convertendo-se em terra de ninguém onde quadrilhas locais disputam o poder.

    1. Estamos a caminho de Ruanda, meu caro. E a passo acelerado. Sem Judiciário (isso que está aí é só um arremedo), com um Legislativo nauseante e executivo que nem vale a pena avaliar. O mercado tomou conta, vai sugar o que puder e nos largar à beira da estrada, com o país na miséria, cheio de milícias armadas até os dentes.

  3. Os estrangeiros têm saído da bolsa, aos poucos, desde o início do ano.

    Quem está fazendo essa alta provavelmente são os brasileiros querendo uma rentabilidade maior, ao mesmo tempo que ouvem o canto da sereia da “milagrosa” reforma da previdência.

    1. O que vai ter de sardinha, que usou dinheiro da família pra jogar no cassino, se matando nao tá no gibi.

    2. Investimento financeiro na bolsa pode continuar batendo recordes, mas investimento em capital fixo, em empregos, só tende a cair mesmo num governo ultraliberal, pois o poder de compra da população só diminui. A classe C, antes impulsionada por Lula, está sentindo a mão invisível do mercado. Isso que dá se preocupar com mamadeira de piroca ao invés de debater papel do estado na economia, privatizações, etc..

      1. Concordo, e além disso, na hora em que o mercado virar para baixo (sobe de escada e desce de elevador), o que vai ter de coxinha e bolsominions desesperados…

  4. “Vamos decifrar a lógica do STF. Para fora, passa a impressão de que há um grupo majoritário que atua politicamente, e um grupo minoritário que defende o cumprimento das leis. O primeiro grupo desmoraliza o Supremo, o segundo dignifica, e mostra que nem tudo está perdido.
    Em toda votação, há suspense na Nação sobre o resultado. Sempre termina em derrota de Lula, mas com a bola raspando a trave no último minuto. Seria o destino conspirando contra a democracia? Ledo engano.
    Se, hoje, Gilmar Mendes efetivamente pedir vistas do processo, impedindo seu julgamento, estará exposta publica e irretorquivelmente o método do Supremo para esconder sua parcialidade/vulnerabilidade: os legalistas votam quando há plena garantia de que seus votos serão meramente simbólicos, continuarão sendo minoritários, e Lula permanecerá fora do jogo.
    É o supremo jogo de cena.”
    https://jornalggn.com.br/recado-do-nassif/recado-do-nassif-o-julgamento-de-hoje-podera-ser-o-strip-tease-final-do-supremo/

  5. Natal era até pouco tempo uma cidade onde não se via mendigos pelas ruas. Agora, e só faz uns meses, essa gente humilde e infeliz está aparecendo por toda parte.

  6. Qual será a reação democrática ao movimento fascista de domingo? O mínimo que se espera seria uma passeata Anti-Moro. Já tá mais do que na hora de ter um movimento no fim de semana também, mesmo que seja nas comunidades, sempre dá para bloquear uma estrada. Outra coisa, tinha que direcionar o discurso contra os eleitores de Bolsonaro. É preciso mostrar que essa gente que se diz cidadão de bem não passa de uma corja de assassinos, nazistas e recalcados. É preciso fazer o eleitor do Bolsonaro sentir vergonha. Atacar o Bolsonaro não cola. No dia a dia temos que tratar os bolsominions como o LIXO que eles são. Mesmo que isso signifique cortar relações com amigos e familiares. Esta é a unica maneira.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *