O ‘ça va sans dire’ do apoio de FHC a Lula

Como na famosa frase sobre ter ido “ao limite da responsabilidade”, a nota em que Fernando Henrique Cardoso sinaliza o apoio a Lula, sem citar-lhe o nome, vai ser recebida pelo candidato do PT com condescendência e, até, com algum carinho.

Não há outra forma e, a rigor, não poderia ser diferente com alguém que, é ele próprio quem diz, tem 91 anos e, naturalmente, sofre de limitações que só ampliaram a sua história incapacidade de “descer do muro” completamente, sem deixar-se preservado de embates. Considera que foi explícito o suficiente ontem, liberando o diretor-geral de sua Fundação, o cientista político Sergio Fausto, para declarar o voto lulista.

FHC, com seus punhos de renda, certamente conhece a expressão francesa: ça va sans dire; numa tradução livre, “melhor não ser explícito”.

Eleitoralmente, não pesa muito, mas politicamente não é o mesmo, tem significado.

É mais uma gota a somar-se à onda de adesões que Lula ( e só ele) está recebendo e, portanto, sinalizando que qualquer mudança nesta reta final da campanha será no sentido de sua vitória.

Tudo aponta para isso, seja a súbita ameaça de Arthur Lira aos institutos de pesquisa, seja a adesão ao ex-presidente do PSDB de Goiás, estado de voto tradicionalmente conservador.

Política é leitura de nuvens e das correntes profundas da vida social. Lula está sólido nestas e, no céu político, vai se estendendo por toda a parte.

Não há muita dúvida sobre o que virá.

A vitória exige grandeza; a derrota, induz desespero.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.