O castelo da Lava Jato era de areia

Quem “pegou” primeiro o significado da imagem da capa da Veja com Sergio Moro foi o jornalista Luís Costa Pinto.

“O ex-juiz, apequenado, está desconfortável na cadeira – ela, visivelmente, não é para alguém com a estatura dele: observem que os pés por um milímetro não ficam balançando no ar. Para sentar ali, diz o mobiliário histórico [do Ministério da Justiça], tem de ser maior em tudo do que essa ameba disforme e sem núcleo pensante.

De fato, na entrevista, Sergio Moro mostra ser capaz de dizer tudo o que vai agradar os ouvidos do chefe Bolsonaro: que não é candidato em 2022, que não tem pretensão política alguma, que nunca teve problemas de relacionamento com o presidente e que jamais esteve perto de demissão.

A sinceridade de Sergio Moro equivale à sua imparcialidade como julgador. E ambas valem coisa alguma.

O fato objetivo é que, desde que deixou o castelo da Lava jato, onde imperava sem que alguém abrisse o bico para contestá-lo, Sergio Moro só fez encolher.

O superministro virou miniministro ou, já dizem alguns, mimimiministro, porque repete o discurso triunfalista da sua cruzada enquanto sofre derrotas sucessivas.

Serve, apenas, para dar uma minguante legitimidade jurídica ao discurso brutal de Jair Bolsonaro sobre liberação de armas e assassinatos policiais.

Sem as suas armas jurídicas – prender, humilhar, acusar e condenar – viu-se na condição que Maquiavel apontou ao frei Girolamo Savonarela, ao qual tantas vezes foi comparado em seu fundamentalismo, “que fracassou na sua tentativa de reforma quando o povo passou a não acreditar nele, e ele não possuía os meios de conservar firmes os que nele haviam acreditado, nem de conseguir que os incrédulos cressem”.

Pois os incrédulos não passaram a crer e os que diziam crer, por medo, já não temem e – ainda sem que confessem – e já não creem.

É que, como observou Costa Pinto, seus pés não estão no chão, nem a cabeça à altura da coroa.

 

 

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

31 respostas

  1. Ciranda dos moristas anticorrupção arrependidos

    Ciranda Cirandinha
    Vamos todos cirandar
    Vamos dar a meia volta
    Volta e meia vamos dar

    O anel que tu me destes
    Era vidro e se quebrou
    O amor que tu me tinhas
    Era pouco e se acabou

    Por isso Senhor Moro
    Entre dentro desta roda
    Diga um verso bem bonito
    Diga adeus e vá se embora

  2. Não que eu vá ler a reportagem, pela capa dá para saber que Curitiba é um lugar puro e isento de intrigas!

  3. “Brasília é Cheia de Intrigas”, com o marreco sentado no troninho, talvez seja uma das chamadas de reportagem mais hilariantes dessa revista desclassificada.
    Esse sujeitinho se queixar do próprio meio em que se move e reproduz é hipocrisia em estado puro.

    1. O “chanceler” Ernesto Araújo disse que era necessário repensar o Brasil a partir de sua “essência conservadora”. Qual a “essência conservadora” do Brasil, senão os vícios de toda sorte que foram entranhados pelo escravagismo?

    2. O “chanceler” Ernesto Araújo disse que era necessário repensar o Brasil a partir de sua “essência conservadora”. Qual a “essência conservadora” do Brasil, senão os vícios de toda sorte que foram entranhados pelo escravagismo?

      1. Perfeito. Vícios perpetuados pela ignorância, preconceitos religiosos e a fundamental contribuição da pior mídia do mundo.

    1. É.. escrevi o elogio ao Fernando antes sequer de ver os comentários. São preciosos esses tijolaços.

  4. É claro que o senhor não vai demitir o ministro do turismo né capitão. Vai segura-lo até o final do seu mandato que não será longo. Aguarde e verás aonde irá parar a sua empáfia. Na verdade, o senhor sabe que está nas mãos desse ministro. Isso porque o esquema teve a ver com a campanha toda do PSL e com o seu consentimento. O senhor é cúmplice dele. E, se o ministro for demitido, não tendo mais nada a perder e se sentindo traído, pode muito bem ser mais corajoso que o Bebiano e cair atirando né. Aliás, o Bebiano não caiu atirando porque ia se encrencar também. Agora, se o ministro do turismo já estiver encrencado a coisa muda muito de figura.

  5. A ideia do Moro era derrubar o Bozo rapidamente, ele pensou que indo para a o Ministério da Justiça, indicaria o PGR, o chefe da PF, que levaria toda a quadrilha dele para Brasília e de lá conspirariam contra do Bozo, e antes do fim de 2019 o Moro já teria colocado o Bozo em cana.
    Mas o Jair não é tão burro, quando chamou o Moro para ser ministro já tinha a ideia de desidrata-lo. Esses concurseiros são todos uns moleques mimados e ignorantes.

  6. Melhor foto do tamanho da pequenez deste farsante psicopata, impossível. Está se afogando no seu ego.

  7. Enquanto o Judiciário mantiver em seus quadros essa enorme quantidade de BANDIDOS DE TOGAS, e não exterminar com todos eles, o Brasil será sempre uma REPUBLIQUETA DAS BANANAS e seus políticos serão sempre os CAPACHOS deles e nunca farão leis para combatê-los, até porque são em enorme proporção BANDIDOS POLÍTICOS, protegidos por BANDIDOS TOGADOS. e vice-versa r todos lucram muito e ficam mais ricos e mais poderosos. CADEIA SERVE MUITO BEM PARA BANDIDOS DE TOGAS E BANDIDOS POLÍTICOS.

  8. A Lava Jato não somente era um castelo de areia. Era um castelo de areia, com alicerces de barro e erigido sobre um pântano!

    1. O castelo de areia da Lava Jato é aquele que o gato faz depois de depositar as fezes no buraco que acabou de cavar. Moro e DD são nojentos demais.

  9. Filhos das Prostitutas (sensacional e verídico)!!!

    O sujeito se chama Marc Faber, e é norte-americano, ele é Analista de Investimentos e empresário. Em junho de 2008, quando o Governo Bush estudava lançar um projeto de ajuda à economia americana, Marc Faber encerrava seu clipping mensal com um comentário bem-humorado:
    “O Governo Federal está concedendo a cada um de nós uma bolsa de U$ 600,00.”
    Se gastarmos esse dinheiro no supermercado Walt-Mart, esse dinheiro vai para a China.
    Se gastarmos com gasolina, vai para os árabes.
    Se comprarmos um computador, vai para a Índia.
    Se comprarmos frutas e vegetais, irá para o México, Honduras e Guatemala.
    Se comprarmos um bom carro, irá para a Alemanha ou Japão.
    Se comprarmos bugigangas, irá para Taiwan….
    E, nenhum centavo desse dinheiro ajudará a economia americana. O único meio de manter esse dinheiro na América é gastá-lo com prostitutas e cerveja, considerando que são os únicos bens ainda produzidos por aqui.
    Estou fazendo a minha parte…
    (Marc Faber)

    Resposta de um brasileiro igualmente bem humorado:
    “Realmente a situação dos americanos parece cada vez pior. Lamento informar que, depois desse seu e-mail, a Budweiser foi comprada pela brasileira AmBev… portanto, restaram apenas as prostitutas. Porém, se elas (as prostitutas) repassarem parte da verba para seus filhos, o dinheiro virá para Brasília, onde existe a maior concentração de filhos da puta do mundo…
    Abraços,
    de um Brasileiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *