O dilema de Alckmin é que o apetite de Doria aumentou

lata2

Aliviado, por um lado, pelo “não brinco mais” de Luciano Huck, a vida de Geraldo Alckmin está longe de ser um mar de flores.

Sem Huck, aumenta o apetite de João Doria Junior e talvez  já não baste dar-lhe o lugar de candidato a governador de São Paulo, se forem mesmo verdadeiras as especulações de que Michel Temer pretende lhe dar a vaga de candidato do PMDB à presidência, abrindo espaço para Paulo “Pato” Skaf ser candidato ao governo paulista.

Por mais que Temer esteja reduzido a piada de carro alegórico, a estrutura nacional do seu partido e a força da máquina federal têm potencial numa eleição onde, sem Lula, 15% já tornam um candidato quase “favorito”.

A violência judicial sofrida por Lula nos lançou a esta vergonha pré-eleitoral, onde estamos dependendo do grau de oportunismo, conchavos e aventureirismo de “candidatos de si mesmos”.

Será que acham que, nesse “nanismo geral” um candidato apoiado por Lula não vai crescer e ameaçá-los?

Só se forem ingênuos para achar, como Huck achou, que os interesses, a bajulação e o temor reverencial de nossa grande mídia vão blindá-los de tudo.

Não vão, até porque existe esquerda no Brasil que não vai tornar ciclovia o cerne do debate.

 

contrib1

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

10 respostas

  1. … Esqueçam estes mafiosos “prefake” e ‘presiMENTE’, ambos ladrões vulgares!…

    [Mais um capítulo da novela Operação nazigolpista ‘Farsa a jato – o pré-sal é dos gringos’ ‘DESmoroNANDO’!
    Com o Janot do Boteco da ‘Friboy’, a “Rachel Veio de Táxi da Angélica para o Jaburu do Vampirão”, o DD, o ‘mor(T)o’ e tudo dentro!]

    Novas mensagens mostram que Miller usou JBS como trunfo para contrato milionário na advocacia

    15.fev.2018 às 16h50

    Tinta fresca Novos documentos anexados à apuração sobre a participação do ex-procurador Marcello Miller na delação da JBS devem ajudar os investigadores a traçar uma linha do tempo precisa do caso e delimitar a participação de cada agente no processo que deflagrou o maior escândalo do governo Michel Temer. Tratam-se de mensagens de texto trocadas por Miller e pela advogada Esther Flesch, ex- sócia do escritório Trench Rossi Watanabe.

    Os dados foram recuperados de um telefone funcional de Flesch e juntados aos autos apuração a pedido da PGR e por determinação do ministro Edson Fachin, do Supremo, em dezembro.
    Segundo o Painel apurou com fontes que acompanham a investigação, as comunicações pelo telefone eram ainda mais explícitas do que as travadas pela advogada e pelo o ex-procurador por e-mail.
    Nas mensagens, ainda em fevereiro de 2017, Miller trata o contato com os irmãos Joesley e Wesley Batista como um trunfo para negociar bônus mais vantajosos, por meio de Flesch, com o TRW. O conteúdo da conversa pelo aplicativo deixa claro que é o ex-procurador quem leva o cliente até Flesch –Miller chegou a negar que tivesse sua atuação tivesse sido decisiva para a empresa fechar com a banca.
    Ainda em fevereiro, o ex-procurador escreve a Esther que teria um novo cliente, um negócio grande. Depois, deixa claro que fala da JBS. Na época, ele ainda integrava os quadros da PGR, onde atuou como ponta de lança na negociação de delações importantes e que envolveram grampos de autoridades, como a que levou o ex-senador Delcídio do Amaral à prisão. O presidente Michel Temer foi gravado por Joesley Batista em 7 de março.
    Neste mês, Miller e Flesch já debatiam abertamente pelo telefone não só a estratégia para firmar um acordo de leniência para a J&F como também deixavam claro que ele acompanhava as tratativas da delação dos irmãos Batista.
    O ex-procurador e a advogada chegaram a falar em uma bonificação de até R$ 40 milhões pelos resultados que obteriam com a leniência da empresa. Como se sabe, eles acabaram não embolsando o valor e perdendo o emprego no TRW quando as suspeitas de que o ex-procurador atuou dos dois lados do balcão vieram a tona.
    Oficialmente, Miller só deixou a PGR no dia 5 de abril de 2017.
    Procurado, o escritório TRW disse que não iria se pronunciar. À Justiça, a banca informou que não tinha conhecimento das tratativas de Miller e Flesch, que foram travadas à margem de seus sócios.
    Flesch sempre negou irregularidades e Miller chegou a dizer aos procuradores que fez uma “lambança”, mas não um crime.
    O Painel não localizou os representantes de Joesley Batista.
    (…)

    FONTE: http://painel.blogfolha.uol.com.br/2018/02/15/novas-mensagens-mostram-que-miller-usou-jbs-como-trunfo-para-contrato-milionario-na-advocacia/

    1. … E ‘vamo’ ao que interessa!
      Greve contra reforma da Previdência para São Paulo na segunda-feira; protestos em todo o Brasil independem da data de votação do projeto

      15 de fevereiro de 2018

      Greve geral contra reforma da Previdência tem cada vez mais atos confirmados

      Por todo o país diversas categorias se reúnem para realizar a paralisação nacional contra a reforma da Previdência

      Redação Brasil de Fato

      (…)

      FONTE [LÍMPIDA!]: https://www.brasildefato.com.br/2018/02/14/greve-geral-contra-reforma-da-previdencia-tem-cada-vez-mais-atos-confirmados/

      1. Tiro na (fraude!) Lava Jato/ Odebrecht: perito que fez Moro engolir recibos detona planilha “batizada”

        Por Romulus Maya, para o Duplo Expresso
        15 de Fevereiro de 2018

        A defesa do ex-Presidente Lula requereu hoje a juntada de laudo pericial produzido pelo perito Celso Del Picchia ao processo que trata do imóvel que o MPF alega – em combinação com Marcelo Odebrecht – que seria destinado ao Instituto Lula. Trata-se do mesmo perito que, meses atrás, fez Deltan Dallagnol e Sergio Moro engolirem os recibos – verdadeiros! – que comprovam o pagamento, absolutamente regular, dos aluguéis referentes ao uso do imóvel situado à frente daquele que Lula – e família – habitam.
        Notem que quando digo que o perito fez o “esquema Moro” engolir os tais recibos, o exagero retórico não parece ser lá tão grande assim:
        – Antes.
        (12/dez/2018)
        (…)

        FONTE [LÍMPIDA!]: https://duploexpresso.com/?p=88552

  2. vai dar w.o.
    tic tac tic tac
    os macaquitos mal adestrados já não sabe para onde correr…ai meu deus da farinata e da alfafa
    tic tac tic tac
    fiquem tranquilo seus donos sabem o mesmo que vocês: nada, a única diferença é que eles têm todos os meios e vocês não são e nem tem nada
    tic tac tic tac
    agora é preparar a navalha e a banheira (esquece, isso é só um recurso de retórica, só vale para quem tem escrúpulos, não para golpistas e para a escória)
    tic tac tic tac
    na autofagia golpista vai sair ainda muito golpe baixo e tiro no pé
    tic tac tic tac
    isso tem um nome: DE-SES-PE-RO
    tic tac tic tac
    e tem outro: ME-DO

  3. O Doriana aterrissou sua candidatura junto com seu avião de 44 milhões. Vai ter que explicar muito o financiamento a juros subsidiados. O narigudo ladrão de oxigênio já capitulou, com seus 37 milhões. A próxima aventura será a candidatura do Faustão. O lema será “este lhe dará um caminhão… de bobagens”. Pobre direita. Pobres patinhos. É, o desespero chegou para ficar.

  4. E a Globo distrai os patinhos, dizendo que o Maduro vai invadir a Guiana, porque ela tem petróleo. Kkkkkkkk. A Venezuela tem a maior reserva do mundo. E, pelo que se sabe, a Guiana não é exportadora de petróleo. Coxinha é “facinho” de ser enganado. Tá louco!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.