O dinheiro não é imune a tudo…

A não ser por uma reviravolta no humor do mercado e ações em Nova York – sem sinal disso, ao contrário – a nossa ex-vedete financeira, a Bolsa de São Paulo, deve perder os 100 mil pontos que, em junho do ano passado, foram a grande “prova” de que, com cortes e “reformas” antissociais, a economia, afinal, ia deslanchar.

Com variações temáticas, o enredo é o mesmo desde meados de 2016, com a derrubada do governo legítimo: dólares viriam nos salvar, desde que estivéssemos dispostos a soltar a mão de nosso próprio povo e tirar-lhe serviços e direitos.

Quatro anos depois, é claro, a estes ninguém pede autocríticas. A culpa, sucessiva e alternadamente, é do Joesley, dos caminhoneiros, de Brumadinho, da Argentina e do coronavírus. E sempre, em cada um destes momentos, “do PT”.

O Globo lança hoje um patético editorial pedindo que Jair Bolsonaro desmonte “o picadeiro eletrônico que armou à frente do Alvorada”.

É tarde para isso, até porque a grande mídia e o establishment o ajudaram a montar a lona deste circo de horrores, tomados pelo furor de ódio ideológico antipetista, achando que domaria o presidente.

Não percebem – e muitos percebe e não se importam – que Bolsonaro não tem nenhum compromisso com a prosperidade econômica, mas com a periferia “empreendedora”, ou milícia do capitalismo, expressa em garimpos, desmatamentos, picaretagens negociais de empreendimentos turísticos e outras aventuras do dinheiro.

Tudo o que querem, diante dessa crise imensa, é mais do mesmo que não funciona para o país, embora funcione, como mostra a exuberância dos lucros dos bancos, para o capital.

Tal como o coronavírus, a crise do capital se instala, se espalha e atinge graus dramáticos. Ainda não estamos neles, ainda.

Governantes e elites estúpidas, como sempre, acham que dinheiro é imune a tudo, ainda mais com o Estado sempre pronto a dar-lhes mais nas dificuldades.

A vaca estatal, porém, está magra.

 

 

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

21 respostas

    1. Caro colega em 2 semanas começa a eliminatoria da copa Brasil contra Bolivia e Peru. O show continua.

  1. Eles apostam em Doria 2022 e ponto. E a grande esperança deles. Nao muda quase nada. So o circo e afrontas aos jornalistas cessaria mas por ter mais açao e nao ter um cerebro de lesma como Bolsonarci seria muito tragico para o povo um Doria presidente.

  2. As bolsas dos demais países do mundo provavelmente se recuperam logo. Já a paulista, a permanecer esse palhaço miliciano e fascista no poder, vai pro brejo de vez.

  3. A globo está pavimentando o caminho para o mourão o marreco de maringá e o comandante do pibinho e dolão.

  4. Desmonte do Incra por Bolsonaro ameaça segurança alimentar: ‘Vai faltar comida’

    “O coordenador-geral da Confederação Nacional dos Trabalhadores e Trabalhadoras na Agricultura Familiar (Contraf), Marcos Rochinski, avalia que o decreto é mais um ataque do governo para desmontar um modelo de desenvolvimento pensado para a soberania alimentar, como fez ao extinguir os ministérios de Desenvolvimento Agrário e Desenvolvimento Social e os conselhos de participação da sociedade civil. Hoje, mais de 70% dos alimentos que compõem a cesta básica da população do país são provenientes da agricultura familiar e dos assentamentos da reforma agrária.”

    https://www.redebrasilatual.com.br/ambiente/2020/03/desmonte-do-incra-por-bolsonaro-ameaca-seguranca-alimentar-vai-faltar-comida/

    1. Isso é gravíssimo. Com a redução da oferta, os preços dos alimentos vão disparar. A classe média também vai passar fome. E talvez até a classe rica, não por falta de dinheiro, mas por falta de alimentos à venda.

      1. Comparado a outros países, nós temos alimentação de qualidade graças à agricultura familiar. Se isso acabar, nossa alimentação será à base de ultraprocessados, junk food.

  5. Bolsa já baixou dos 100 mil pontos (-4,33%) e o dólar está R$ 4,66. Vamos tirar a Dilma JÁ !!!

    1. Uma boa ideia era fazerem o inverso, consertando a injustiça: recolocar Dilma na presidência, para completar o tempo que ilegalmente lhe tomaram, e ao final promoverem novas eleições.

  6. Mas, não foi a Mídia que alardeava que tirando a Dilma tudo iria melhorar. Assumiu o Themmeroso e alardeou que com a reforma trabalhista os empregos voltariam. Não é com o Guedes que afirmou que com a reforma da Previdência haveria uma enxurrada de investimentos de volta para o Brasil, Agora estão falando em Reforma tributária!!!!
    e o dólar já , já batendo nos cinco reais e daqui uns trinta dias chegará nos sete.
    Aguardemos,

    1. Ainda faltam três quartos do mandato. Depois da reforma tributária, inventarão outras tantas reformas à la robin wood às avessas, tirando até o que o pobre não tem para dar para os ricos. O pobre já vai nascer tendo que trabalhar de graça para pagar pelo ar privatizado que respirou, se seus pais não pagaram por ele.

  7. O brasileiro tá que nem a aquela história do Corno, que sabia que era Corno, mas fazia de contas que ninguém sabia, mas até os feirantes sabiam de tudo. Por falar em corno, vocês viram ai na mídia uma história de um cornudo? Pararam de falar, mas pelo visto está que nem o caso dos feirantes e no entanto!!!!!!!!!!!!!!!!!! Continua

  8. Tudo indica que preparam um bote final que fará explodir em curto prazo as reservas que o PT deixou.
    Aí sim os brasileiros vão ver o que é crise.

  9. A Falha de São Paulo, em sua manchete principal, acha que a crise econômica brasileira se deve à “demora na aprovação das reformas“(!), além do coronavírus.
    Acha pouco a destruição dos direitos trabalhistas e previdenciários, feito a rolo compressor, e agora quer meter a mão no bolso do pobre servidor público.
    Você assina embaixo?
    Não?
    Então, o que você está esperando? Cancele já sua assinatura?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *