O divórcio à vista

Nos jornais deste sábado, em meio à fumaceira que vem da crise amazônica à qual Jair Bolsonaro ateou fogo com suas declarações estúpidas, surgem por toda a parte os focos do incêndio que devorou a aliança entre Moro (e a Lava Jato) e o atual presidente.

Já que o presidente aprecia tanto as metáforas amorosas – namoro, noivado, casamento são rótulos constantes que dá às relações políticas – não seria impreciso dizer que, neste momento, Sergio Moro foi posto a dormir no sofá.

Jailton Carvalho, em O Globo, narra o que teria sido a gota d’água no pote cheio de mágoas do convivio entre ambos: o pedido de Moro a Dias Toffoli para reverter a decisão que barrou investigações originadas de relatórios do falecido Conselho de de Controle de Atividades Financeiras – Coaf. Toffoli, claro, só descobriu, depois de anos e anos, que isso representaria uma violação do sigilo bancário e fiscal sem autorização judicial, justamente quando as estrepolias do filho presidencial vieram à tona.

E relata que ‘rolou barraco’, dias depois, quando Bolsonaro chamou Moro ao Palácio da Alvorada e foi curto e grosso com seu ministro: “não pode ajudar, por favor, não atrapalhe!”. A partir daí, Moro, que tinha perdido formalmente o Coaf, perdeu-o de fato e teve de se calar quando o “Mito” começou a desautorizá-lo diante da Polícia Federal.

A ressurreição da Lava Jato, nos últimos dias, a partir de desacreditadas delações de Antonio Palocci é a reação – quem sabe estimulada por ele próprio – da família ante o rompimento iminente. uma espécie de rebuliço para ver se as ruas domingueiras saem em sua defesa.

Aparentemente, em vão.

Moro, que já teve a promessa de tudo, parece viver a agonia de nada mais ter.

Exceto – e não se esqueçam disso – a ambição do poder.

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

36 respostas

      1. Sim, são dois terços, entre canalhas profissionais, canalhas de deus, ou pentecostais, e canalhas oportunistas, que vieram na cola do câncer. Em verdade, aquilo é uma grande estrebaria, com dois terços de Incitatus e o restante de cavalariços, estes, em grande parte, sem a consciência clara de suas obrigações para com este país.

      2. Se o Moro se retirar para o cafofo do Doria, tanto ele quanto o Dória passarão a ser atacados sem piedade pelos bolsonarianos em fúria, que ainda têm muito poder. Vai ser bem pior que aguentar calado.

  1. Bolsonaro Cu Falante não faz metáforas amorosas e, sim, metáforas sexuais, com predileção pelas de violência sexual.

  2. DELINQUENTES QUE A MASSA IMBECIL LEVOU AO PODER.
    ESTE DOIS JÁ ERAM,O PROBLEMA SÃO OS IMBECIS ,ELES CONTINÚAM LÁ ,E VOTAM.

  3. Quadrilhas são sempre assim.
    Na hora de elaborar e colocar em prática o golpe, se entendem que é uma maravilha.
    Na hora de dividir o butim, começam as brigas.
    No fim, se destroem entre si.
    Vamos ver no que isso vai dar no final.
    A melhor parte é quando vão presos e um começa a jogar a culpa no outro e bancar o inocente ingênuo.
    Lembrando que a grande mídia também faz parte da quadrilha e um dia vai se dar mal.

    1. Resumo:

      Bozonazi engana o juiz ladrão a quem promete emprego no STF.

      Juiz ladrão acredita e pede demissão de emprego estável e vitalício.

      Juiz ladrão ganha emprego instável e provisório.

      Bozonazi humilha juiz ladrão.

      E agora? Ou bozonazi demite o juiz ladrão ou o juiz ladrão pede pra sair.

      E o STF?

      Continua como sempre.
      Talvez um pouco melhor sem a praga de Maringá.

  4. Bem próximo do julgamento de Lula no STF , me parece mais artimanha dos dois ( são da mesma ninhada ) , nas aparências um não beneficiou o outro , engole essa quem quer . O acordo entre eles continua firme e forte e , se resistirem tudo será cumprido . Eles sabem se um cair o outro irá em seguida . Como foi dito os casais brigam , mas a conciliação é maravilhosa , além do mais eles contam com a nossa péssima memória .

  5. EXCLUSIVO – THE INTERCEPT

    ******************

    Secretaria chefiada por Ricardo Salles coagiu funcionários
    O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, é um condenado por improbidade administrativa. Já contamos essa história: enquanto era secretário do Meio Ambiente de São Paulo, na gestão do tucano Geraldo Alckmin, Salles pressionou funcionários da Fundação Florestal – o equivalente ao Ibama na gestão estadual – a adulterarem um mapa ambiental. Salles, na época, chamou a reportagem do Intercept de “falsa” e “tendenciosa”.

    Sábado, 24 de agosto de 2019

    (…)

    Fonte: https://theintercept.com/brasil

  6. É exatamente a ambição por poder que vai lhe atirar ao desconhecido. Fim melancólico para o todo poderoso Moro. Nada melhor do que o tempo já dizia minha mãe!

  7. Como é que é capitão? É um absurdo o presidente da França chama-lo de mentiroso – o que é a mais absoluta verdade – mais o filhinho que o senhor quer nos enfiar pela goela pode chamar o Macron de idiota?. Então tá. Hipócrita.

  8. A teoria do retorno está funcionando a rodo. Observem que todos os caras que fizeram sacanagem com Lula e Dilma estão pagando muito caro. Aécio, Moro, Deltan, Cunha, Temer e por aí vai. Bem que a Dilma disse que não ia ficar pedra sobre pedra.

    1. Eu só vou acreditar que estão pagando caro quando Deltan e Moro forem exonerados, Aécio cassado e forem todos presos.

    2. Nossa…Sandra, verdade..A Lei do Retorno é implacável. Vejo isso até nos conhecidos (gente de classe média) que votou no atual presidente, por puro ressentimento contra a melhoria de vida dos mais pobres. Gente que perdeu clientes nos seus negócios, que teve que tirar o filho da escola particular ou que ficou com o imóvel que alugava, vazio e sem inquilino em vista….Sem falar, daqueles que tinham um bom emprego com carteira assinada e foram demitidos na onda de tercerização das empresas..

  9. Divórcio entre justiceiro e miliciano. Que haja justiça e punição futura, mas próxima, para ambos.

  10. Gostaria de pedir ao Tijolaço, para analisar meus comentários e deixar no “libera automático”. Comento regularmente no 247 e DCM e não passo pela, as vezes inconveniente demora, de ter comentários analisados e liberados (sei que normal isso) tempo longo demais de postado. Obrigado pela atenção.

  11. O governo está enfraquecido, acuado, instável. Esta é a melhor hora para lançarmos nosso grito e incendiar Brasília. O mundo inteiro está olhando para o Brasil. se avançarmos agora com as ruas cheias, o mundo vai nos apoiar. Vamos sem bandeiras de partidos. Não é momento de divisão por causas menores. O Brasil é a causa maior. Vamos pra rua com tochas de ideias incendiárias para recuperar o país que tínhamos e que nos tomaram.

  12. o problema é que esse bosta do Moro ,vai acabar candidatando e vai ganhar… resta saber em que

  13. “não pode ajudar, por favor, não atrapalhe!”

    Bozonazi humilhar o juiz ladrão: não tem preço!

  14. Bolsonaro não irá arcar com o ônus político de dispensar Moro e este, não tendo para onde ir porque queimou todas as pontes, vai ficar assando em fogo lento.

  15. Conversinha na direita para salvar os dedos.
    Até o Dória já percebeu que a barca é furada.
    O que resta a Moro é projeção política. A força política para não ser preso.
    O que vc acha que será de Moro após o incêndio amazônico? Naconalmente e internacionalmente.
    Logo a saída pera ele e os parceiros, é dizer que saiu por honra, por bandeiras dignas que foram impedidas de serem colocadas em prática.
    É um esperto. Vai para o lado do Dória.

  16. #antôniopoeta

    Em breve em todas as Salas de Cinema do Brasil, a estréia do Filme ‘Os Desajustados’, estrelado por Bolsonaro e seus Filhos, com a participação especial de Sergio Moro.
    (Antônio Poeta)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *