O escândalo que “não vem ao caso”

O relato de sóbrio ex-corresmpondente do Estadão, hoje no UOL, Jamil Chade:

“Não é muito tempo sem operação?”, perguntou o então juiz Sergio Moro ao procurador Deltan Dallagnol em 31 de agosto de 2016, segundo o site The Intercept. “É sim. O problema é que as operações estão com as mesmas pessoas que estão com a denúncia do Lula. Decidimos postergar tudo até sair essa denúncia, menos a op do taccla [Tacla Durán] pelo risco de evasão, mas ela depende de articulação com os americanos (Que está sendo feita)”, responde o procurador da Lava Jato.

No dia seguinte à divulgação do diálogo, o ex-advogado da Odebrecht Rodrigo Tacla Duran recebeu o UOL no lobby de um hotel de Madri, onde vive desde que deixou o Brasil em decorrência da Operação Lava Jato. “Paguei para não ser preso”, diz ele à reportagem, apontando uma suposta extorsão no valor de US$ 5 milhões feita quando seu nome veio à tona na investigação. Investigado pela Lava Jato, Tacla Duran diz ter pago uma primeira parcela de US$ 612 mil ao advogado Marlus Arns, mas afirma que se recusou a pagar o restante.

Ele foi preso em novembro de 2016, ao chegar a Madri, e ficou detido por 70 dias. Consultado pela reportagem, Arns não comentou as acusações.”

O texto, na íntegra, está aqui, 

Na defesa entregue às autoridades suíças, os advogados de Tacla Duran reafirmam que “o advogado Marlus Arns, que recebeu o pagamento -dinheiro (…) já tinha trabalhado com a mulher do [ex] juiz Sergio Moro, sendo outro sócio o advogado Carlos Zucolotto Junior, que também foi sócio da mulher de Moro, e que hoje trabalha com lobista profissional”.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

24 respostas

  1. Vai vir… quando as mensagens revelarem esse episodio vai ser interessante observar quem faz vista grossa sobre os meios do Conge para “pegar” Lula, se vai continuar defendendo o Marreco quando souber que ele recebeu grana pelas delações…

  2. Na CPI que participou remotamente via vídeo no congresso ele não fala neste acerto com Arns , Fala do provável acerto proposto pelo escritório do Zucolotto . Ele tem mais coisas a revelar .

  3. CANALHAS ,SÃO TODOS CANALHAS.
    TANTO OS DELINQUENTES DA FARSA-JATO QUANTO SEUS APOIADORES MIDIÁTICOS.

  4. Obrigada por divulgar, Fernando Britto. Tacla Durán tem as informações da corrupção do Moro e do Carlos Fernando desde o Banestado, com Dario Messer, doleiro, como personagem ocultado por financiamentos a fundo perdido, digamos.

  5. No Duplo Expresso, a verdade SEMPRE chegou e chega primeiro. Os que somos leitores e espectadores do DE já sabemos dessa e muitas outras histórias cabeludas, porém sem essa distorção que agora procura colocar Rodrigo Tacla Duran como alguém que procurou os lavajateiros, para “comprar liberdade” e se livrar de persecução penal e processos. Ao contrário, foi a ORCRIM lavajateira que fez extorsão contra Tacla
    Duran, que tem provas desse crime e as apresentou a dois deputados do PT, Paulo Pimenta e Wadih Damous, a quem prestou depoimento; mais curioso é que esses deputados e outros da direção da Câmara combinaram que tal depoimento não fosse transmitido pela TV Câmara, mas somente por redes sociais, o que restringiu não só o alcance como a credibilidade institucional que uma transmissão oficial teria.

    1. Pelo que sei este blog DE é fanaticamente antipetista sendo portanto uma fonte tão parcial quanto o Marreco de Maringá.

      1. Eles apenas são contra uma ala do partido que está querendo se locupletar no espólio político de Lula – que continua preso e inviabilizado. Foi um enorme erro ter se entregado bovinamente, com “assessoria” de amigos da onça.

      2. A questão não é ser anti-petista ou parcial (e quem aqui escreve vota em Lula há 30 anos e muitas vezes votou em candidatos desse partido), mas sim o de fazer ácidas críticas e apresentar verdades inconvenientes. O partido nunca foi um monolito, havendo nele, desde que foi fundado, mais de 10 correntes significativa. A mais nefasta delas, denominada “Mensagem ao Partido”, mas rebatizada de “PT jurídico-judicial’ pelo jurista Luiz Moreira, seqüestrou a direção nacional e armou toda essa trama que levou à prisão as maiores lideranças de origem operária, sindical, estudantil, guerrilheira ou comunitária de base, incluindo o maior líder político da história brasileira: o Presidente Lula. Critico o DE quando erra. Observe o que o leitor Guanabara comentou.

    2. Pois é João. Eu, que acompanho esses blogs (tipo GGN, DCM, etc.) estranhei muito a briga deles contra o Duplo Expresso há uns 2 anos. Agora que a chapa esquentou, vejo que o D.E. tinha razão (apesar do Romulus ter uma postura chata e piegas) e o que eles vem denunciando está cada vez mais acertado. Só não consigo entender porque o Rui e o PCO ficaram contra ele também, acho que comeram mosca. Dentro desta bagunça atual, as melhores narrativas e interpretações deste jogo de “bridge” atual são do D.E. Disparadamente!

    3. Acrescento que a Farsa a Jato alegava que Tacla Durán era foragido, pois não conhecia o endereço dele na Espanha. Isso foi desmentido através de documento que o DE obteve junto a Tacla Duran e que foi repassado ao Paulo Pimenta.

      Como o Paulo Pimenta “amarelou” e no Facebook dele só tinha musiquinha – Lula seria preso pouco tempo depois – desde então o dito deputado é chamado pelo DE de “DJ Paul Pepper”. Eita esquerdinha fuleira!

    4. Wellington Calasans e Romulus Maya. Dois pilantras que criaram um blog (Duplo Expresso) com viés de esquerda, cuja única função é atacar o PT, e a esquerda de modo geral. Parece que está conseguindo se infiltrar no Tijolaço.

  6. Tacla Durán também afirmou, certa vez, que viu o Diogo Mainardi – do Anta Golpista – no restaurante Gero com Aécio Neves e Alexandre Accioly.

  7. o Duplo Expresso fala desse assunto há quase dois anos.
    Por aí se vê como a imprensa brasileira não existe.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.