O gueto

O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, comparou ontem o terror vivido pela população das favelas do Rio de Janeiro com o dos ingleses durante os meses de bombardeio nazista a Londres.

Já que o sr. Witzel quer comparações com a 2ª Guerra Mundial, ofereço uma, aí na imagem.

É impróprio perceber semelhanças entre o Gueto de Varsóvia, em abril de 1943, antes de sua completa aniquilação?

Ou será que serem uns judeus e outros serem negros e mulatos faz-lhes alguma diferença como seres humanos?

Faz, infelizmente, embora pela mesma razão que fez os judeus serem párias por séculos, desde a deportações forçadas do Império Romano, ao gueto hebraico do Papa Paulo IV, na Roma do Século 16, até as monstruosidade do Reich.

E a razão é não considerar que os seres humanos são iguais em direitos.

A menina Ághata é uma das 16 crianças mortas neste 2019 em ações policiais, informa o aplicativo Fogo Cruzado, que contabiliza os tiroteios no Rio e suas vítimas. Todas em favelas ou na periferia.

Matar 16 crianças nos bairros ricos seria tolerado?

Será que agora entendem o que sofremos, no Governo Brizola, por não permitir que a polícia entrasse atirando nas comunidades? Sabem agora o quanto custou politicamente ao velho gaúcho dizer e tentar fazer com que a lei e a polícia agissem com a porta de um barraco como com a porta de um apartamento da Zona Sul?

A segregação é parte indispensável do ódio politico, porque ela cria o conceito do “inimigo”. Daí à ideia da eliminação é um pequeno passo.

O que chamam de “segurança”, assim, é o caminho do desastre.

O senhor Witzel, já que se interessa por História e foi um juiz, deveria saber o que aconteceu em Varsóvia e o que se passou com Jürgen Stroop, o SS-Gruppenführer que destruiu o gueto.

Foi o relatório dos seus “feitos”, vaidosamente enviado para Heinrich Himmler, comandante da SS, que serviu para condená-lo em Nuremberg.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

31 respostas

  1. A classe média (a verdadeira), notadamente os coxinhas, que por ação ou omissão elegeram o fascista, é formadora de opinião das classes inferiores, pois via de regra são mais cultos e são seus empregadores ou supervisores.
    Se essas pessoas não fizerem uma autocrítica e consertarem o que fizeram, o Brasil vai acabar numa sangrenta guerra civil.
    Os efeitos do congelamento dos gastos em saúde e educação, da terceirização indiscriminada, da reforma trabalhista e de todas as medidas implementadas e a serem implementadas pelo atual governo ainda não se fizeram sentir.
    Em poucos anos, quando os efeitos dessas medidas estiverem em seu auge, haverão mais pessoas morando nas ruas ou em abrigos do que em casas. Viverão de bicos ou de esmolas. As taxas de mortalidade subirão por todas as causas possíveis, inclusive assassinatos perpetrados por policiais, militares e bolsominions armados, contra qualquer um que roube um pedaço de pão ou que critique o governo.
    A maioria das pessoas não terá mais nada a perder. Dai, o saldo de mortos da segunda guerra mundial será facilmente superado.

    1. Nessa hora, as classes superiores vão se arrepender do que fizeram. Mas será tarde demais. Suas vidas valerão tanto quanto a dos mais miseráveis.

    2. Eu gosto dos seus cometários. Mas, sou mais um pouco mais otimista. Essa onda refluirá muita antes da distopia que você projeta. Tudo tem limites. Por exemplo, você pode combinar um quadro de opressão política com punjança econômica, você consegue conjugar crises econômicas com ambiente democrático e até consegue, por algum tempo, fazer coexistir um governo do capeta com crise econômica. Mas, jamais, por mais do que um período efêmero. Simples, ninguém aguenta levar ferro de graça. Pode até aceitar levar ferro com a promessa de ganho futuro, mas o futuro tem que tornar-se presente logo. Concordo que a classe trabalhadora, que os estudantes e pensadores não serão agentes efetivos da mudança. Essa virá dos mesmos de sempre, da classe média que irá tomar na tarraqueta. Aliás, já está tomando. Já há médicos, advogados, engenheiros e executivos sobrando. Afirmo com conhecimento de causa que as novas contratações desses profissionais já não trazem o mesmo salário de outrora e muito menos o pacote de benefícios. Logo, logo os empresários de pequeno e médio porte e aqueles cujas empresas não estão inseridas na cadeia de produção de commodities exportáveis vão berrar, porque ferro já estão levando, mas a gritaria ainda não tomou corpo. O mesmo dar-se-á com os cargos da burocracia pública, nos 3 poderes e nas estatais. Esses últimos são o suprassumo da idiotice. Vão perder aposentadoria, salários e direitos adquiridos. A reforma da previdência vem aí e Guedes já falou que não vai ter aumento de salário tão cedo. Alias, está em cogitação a possibilidade de mudança na legislação para permitir a demissão de concursados e estáveis. Isso sem contar a leva que vai entrar pra fila do seguro desemprego com a venda das estatais.
      Eu só espero, rezo e faço promessa, para que o capitão-do-mato que eles elegeram dure até o final, para castigar a burrice e pelo meu prazer.

  2. As inocentes crianças mais privilegiadas financeiramente serao atingidas de forma indireta nao tenho a menor duvida. Culpa dos pais i rresponsaveis q elegeram este bandido

  3. Brito, você se confundiu: Himmler cometeu suicídio em maio, antes de ser levado ao tribunal.
    Abraço.
    (Por favor, apague essa postagem)

      1. De fato, Ari.
        Estava bastante claro na matéria, mas eu passei batido e entendi errado.
        Abração e obrigado pela correção.

    1. O relatório foi feito em 1943 e enviado a Himmler. E dizia, resumidamente: o Gueto de Varsóvia não existe mais. Este texto foi levado a Nuremberg.

      1. Brito, desculpe.
        Eu não li com a devida atenção e não havia entendido que você referia-se não ao Himmler, mas ao Stroop.
        Estava claro no texto, mas eu não me dei conta.
        De qualquer forma, nenhum deles foi julgado em Nuremberg: Himmler por ter se suicidado antes e Stroop por ser “peixe pequeno” para aquela corte.
        Um abração.

    2. Sinceramente, eu queria entender o que leva a essa mania de pedir que as pessoas apaguem postagens? Qual o problema de, se fosse o caso, publicar uma errata ou pedir desculpas (como o próprio Brito, pessoa de caráter que é, já fez outras vezes)?
      “Ó tempos, ó costumes!”

      1. Pedi ao Brito que apagasse a minha postagem. Deu pra entender?
        Acha realmente que eu sugeriria a ele que apagasse a matéria?!
        Sério?
        Ó tempos, ó costumes! De fato.

  4. Sr.Fernando.Vou insistir na minha tese,ja exposta noutras ocasiões.Não é a POLITICA que causa os males,já que toda a relação social, é um ATO POLITICO.O que se trata, é “PARTIDARISMO”de parte da sociedade,nesse caso, OS NAZISTAS DE LÁ E OS DAQUI,NÃO SÃO DIFERENTES.Essa canalha,PARTIDARIZA QUALQUER COISA,desde que o alvo,seja O POVÃO,que eles ODEIAM.Então,é PARTIDÁRIO,o ato de assassinar crianças.Devem alegar,para si mesmos,que estas crianças,mortas,não oferecerão riscos,no futuro.

  5. Será que o conselho nacional de justiça poderia explicar como se admite um psicopata genocida deste jaez na carreira da magistratura? Sem contar o caso do marreco de Maringá, que também exige explicações por parte do cnj.

  6. Que texto interessante! Precisamos da visão histórica para compreender (e evitar) os guetos e o ódio fratricida. Parabéns Brito!

  7. Pode ser judeu, alemão, extraterrestre, belzebu ou anjo. Se ele autorizou, realmente, é criminoso.

  8. Brito falou que o relatório de Jürgen Stroop foi enviado para Heinrich Himmler e, este, ao ser pego pelos ingleses, cometeu suicídio. Brito está correto.

  9. E ai, algum secretário do governo dele ja renunciou ao cargo por nao querer fazer parte de um governo de um filho da puta?

  10. A simples visão do cenário do Rio com Witzel à frente, conduz de imediato a associação de ideias com o Gueto de Varsóvia. Então, o título da matéria traz a conexão direta. Inevitável. Aliás, se o texto se resumisse a “O gueto de Witzel” bastaria. O restante estaria implícito.

  11. Até quando? Mães e pais desesperados esperando a qualquer momento que um policial mau preparado, sem mira, em vez de atirar no bandido, mata crianças? O que é isso gente? Queria pegar o bandido na moto e acertou na kombi onde ia sentadinha toda feliz junto a mãe uma criança de 8 aninhos somente! Ai, que dor!

  12. Este energúmeno vive em um mundo paralelo de delírio permanente. Não deveria ser permitido que ele tivesse influência alguma sobre o mundo real.

  13. Nos dias atuais, o “relatório orgulhoso” seriam os vídeos que os próprios policiais espalham em grupos de WhatsApp…????????

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.