O humor tóxico de Torero com o agrotóxico

O jornalista e escritor José Roberto Torero, com seu ótimo “Diário do Bolso“, onde parodia – com inteligência exponencialmente maior – o que seriam anotaçoes de Jair Bolsonaro, deu forma tragicômica ao fato de que, desde a posse, o Brasil já liberou mais agrotóxicos que em todo o ano passado: 96 licenças. Ao que se saiba, ao menos, nenhum aplicável às mangas que a ministra Teresa Cristina sugeriu aos brasileiros usarem como brioches.

Diário, hoje o assunto é sério. Vou falar de “tóxico”.

A esquerda-fumeta não pede para liberar a maconha? Pois eu liberei um monte de tóxico. Mais de 150!

Só que é agro-tóxico, kkkk!

A Tereza Cristina, ministra da Agricultura, deu mais de uma licença por dia desde que começou o governo. Os ruralistas até pegaram aquela música do Ritchie e fizeram uma nova letra para ela. Ficou assim:

Ministra veneno você tem um jeito sereno de ser/ 
E todo dia no almoço vem me entorpecer/ 
Me entorpecer, me entorpecer, iê iê iê iê.

É o maior sucesso nos churrascos da UDR!

Este ano, quem mais registrou produtos Nivel I, “extremamente tóxicos”, foi a Syngenta. Ela vai lançar o cyprodinil, que serve para soja, algodão, girassol, laranja, morango, pêssego, uva, feijão, alface e tomate. Quer dizer, todo dia você vai comer esse tal de cyprodinil. Tomara que seja gostoso, kkkkkk!

Tem também a Albaugh, que fez um novo produto a partir do 2,4-D, um dos ingredientes do “agente laranja”, aquela arma química da Guerra do Vietnã. Dizem que é perigoso, mas eu não tenho nenhum problema com laranja. Falando nisso, que saudade do Queiroz…

A Nortox recebeu a liberação para o Piriproxifem. O produto foi proibido no Rio Grande do Sul, em 2016, só porque um estudo argentino disse que ele tinha relação com a microcefalia em bebês. Mas, se argentino é contra, eu sou a favor, kkkkk!

A AllierBrasil recebeu a licença para vender o Captain 500 WP. Em 2015, o Ministério Público pediu a “imediata proibição” dos produtos como o Captain, só porque uns ratos ficaram com câncer. Mas, pô, como é que uma coisa chamada “capitão” pode ser ruim?

Olha, Diário, o agrotóxico aqui no Brasil é tão forte que está até na água. Quem mora em São Paulo, por exemplo, está ferrado. Como tem muita plantação de cana-de-açúcar por lá, todo mundo no estado bebe “diuron”. Isso vai dar câncer pra caramba daqui a uns anos. É bom o Dória privatizar logo a saúde, senão o vai gastar um dinheirão com o diuron.

Em Santa Catarina as torneiras também são perigosas. Sete substâncias encontradas na água de lá estão proibidas na Europa. Tem até 2,4-D. Os trecos já foram banidos de um monte de países, mas aqui está liberado. O brasileiro é mais resistente, kkkkk!

Só para comparar, em 2016, na era Dilmozoica, foram liberados 20 novos agrotóxicos. Fizemos sete vezes mais em três meses!

Enfim, Diário, agora os viciados nem precisam mais fumar, cheirar e se picar. É só comer uma alfacinha ou beber um copo de água que já vão ficar intoxicados. Kkkkkk!

 

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

24 respostas

  1. Não entendo a postura dos países que importam nossa produção agrícola. Eles não se importam com tanto agrotóxico?

    1. creio que alguns vão suspender as importações desses produtos “turbinados”. os que continuarem é porque tem a mesma irresponsabilidade dessa ministra

      1. E a agenda global tá dando certinho e só ver as Pedras Guias das Geórgia que nego vai desistir de comer esses alimentos e cm a sua família pra não morrer como os restos dos gados que confia no Bolsonaro Ant Cristo

    2. É apenas uma questão de tempo pra isso começar a afetar as exportações. A turma da ganância é incapaz de pensar no longo prazo

    3. No caso das exportações há inspeções específicas no campo e no produto final. O problema é para a produção interna.

    4. Vai ver que, assim, eles matam o povo mas não poluem o meio ambiente.
      É como a bomba de nêutrons, que, ouvi à época, mataria as pessoas mas preservaria a infraestrutura.
      Ademais, para os mais ricos, sempre podem importar orgânicos.
      Prático, não é?

    5. Desconfio que o que é vendido para eles não é o mesmo que consumimos.
      Assim como tem a carne Halal, também deve ter produção diferenciada e certificada para exportação de produtos agrícolas.

    6. Boa tarde! C.Poivre, já fiz o trabalho de divulgar para os quatro cantos do mundo, sobre o excesso de transgênicos, agrotóxicos, hormônios, vacinas, farmácias. E o alto índice de cânceres, diabetes, alzheimer, microcefalia, alergias, doença celíaca, síndrome da fadiga crônica entre outros males. Já fiz minha missão, conto com todos os brasileiros, para divulgar! Muito obrigado!

    7. se Importam sim (com trocadilho)… eles devem ter Importado tudo do MST que é o maior produtor de organicos agroecologicos da américa latina e que exporta pra varios países…obvio

  2. Que saudade da ameba!
    Antigamente, em Salvador, dizíamos que, se vc entrasse num bar e pedisse um copo d’água, recebia um suco de ameba. Coisa fácil de curar

  3. Esse é um lado do problema.
    Moro no sertão baiano e por aqui se planta bastante tomate e cebola. Raríssimas são as propriedades onde se vê o trabalhador usando equipamento de proteção, sendo comum ele passar o veneno de bermuda e havaiana
    Mais grave ainda: veneno aplicado na véspera da colheita sem observar o prazo de carência para comercialização do produto
    E os proprietários são conscientes das regras aplicáveis

  4. É difícil acabar com ” laranjas,” . Inventam até remédio agrotóxico para protegê- las. Vida longa, Queiroz!????????????

  5. Perto de onde eu moro, aqui no Rio Grande do Sul, morreram esse ano todas as abelhas que eram criadas pelos apicultores devido aos agrotóxicos que passam nas lavouras. E cada dia um agrotóxico novo é liberado.

  6. Imaginem os milhares de trabalhadores rurais, adultos e crianças, aplicando esses venenos, sem qualquer proteção, como eu já vi muitas vezes… E os casos de câncer, problemas de pele, de rins, demências… E nenhum latifundiário atingido…

  7. Humor é bom, MAS ESTAS LIBERAÇÕES SÃO CRIME DE GENOCÍDIO PROGRAMADO. E não existem meios de criminalizar essa quadrilha de assassinos? Isso é crime contra a humanidade e quem se beneficia é a indústria farmacêutica. Esse país é um hospício.

  8. No caso do 2 4 D ocorreram desde sua proibição no Brasil muito contrabando. Estes organoclorados nunca saíram do pais. Com esse relaxamento da lei dos agrotóxicos isso só irá piorar e ainda irá inviabilizar alguns produtos animais, pois os arganoclorados são bioacumuláveis. Tragédia sem fim!

  9. Um nação doente, futuro comprometido, teratologias mil…essa é a pátria do “evangelho” ( sic ).

  10. eles lá fora são bem informados, possuem orgãos de defesa do consumidor atuantes e independentes.. Nós é q estamso desamparados e ‘vendidos’, literalmente

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.