O latifúndio está na pista. “Ilegalidade” é só para os petroleiros.

interestrada

Patrick Camporez, em O Globo, joga um balde de água lúcida e fria sobre quem se ilude com as história do “espontaneísmo” dos bloqueios que paralisaram o país. E em seguida (veja ao final do texto), vem outra decisão para mostrar que o que vale para o patronato não vale para os trabalhadores, embora alguns se iludam e achem que o clima de simpatia com que os caminhoneiros foi tratado valha para os petroleiros.

Camporez nos conta:

Fazendeiros e associações rurais de pelos menos três estados do país colocaram seus funcionários para “trabalhar e servir” à greve dos caminhoneiros. O GLOBO conversou, sob a condição de manter o anonimato, com produtores e lideranças dissidentes da Confederação da Agricultura e Pecuária que têm atuado no apoio à greve nos estados de Goiás, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul.
Todos admitem que fazendeiros desses três estados “liberaram” os funcionários para servir churrasco e levar comida para os caminhoneiros, além de terem retirado os trabalhadores do campo e os colocado para conduzir tratores e maquinários em direção a pontos de bloqueio de rodovias, com o objetivo de engrossar o tamanho dos engarrafamentos e fortalecer o “movimento”.

Ouvindo produtores que, assustados com os prejuízos, abandonaram a aventura, o repórter conta que eles admitem que “quem permanece apoiando é quem quer a intervenção (militar)”

Ontem, Maria Cristina Fernandes, do Valor,  mostrou o caso do megatransportador Emílio Dalçochio, dono de nada menos de 600 caminhões dizendo a caminhoneiros que, se um dos motoristas de sua imensa frota furasse os bloqueios, estavam autorizados a atear fogo no veículo.

Todos os dias, dúzias de fotos de faixas e pichações no asfalto pedindo intervenção militar estão sendo mostrados e percebe-se claramente que, embora o estopim do movimento fossem os 16 aumentos decretados em um mês pela desastrosa política de preços de Pedro Parente na Petrobras, o foco sempre esteve nos impostos, afinal sangrados pela “gambiarra” tributária a que apelou o Governo Temer para resolver tanto a sua falta de capacidade em gerir a política energética do país quanto a falta de autoridade em restabelecer o mínimo de fluxo de carga nas rodovias.

Tudo correu frouxo, bem diferente do que está acontecendo com a anunciada greve dos petroleiros, que acaba de ser declarada ilegal pelo Tribunal Superior do Trabalho, mesmo antes de ser deflagrada. E já ameaçados por multas de R$ 500 mil por dia, caso não obedeçam.

Será que o agronegócio vai mandar tratores e carne para churrasco para os petroleiros?

Locaute pode, greve, não.

 

 

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

18 respostas

  1. Tava na cara que um esquema de bloqueio desse porte tinha de ser “coisa grande”. E o Globo também noticia isso agora que está contra a greve. Acho até que houve outras colaborações clandestinas de “outros setores”.

    1. Pois é. Desculpem-me alguns companheiros, mas quem de esquerda entrou nessa ou foi por iludir-se ou pelo ‘quanto pior melhor’, o que é algo perigoso, pois incontrolável. Até compreensível dado o sentimento de vingança contra esse desgoverno. Mas impensado.

      PETROLEIROS – APOIADOS !!!

  2. :
    : * * * * 04:13 * * * * .:. Ouvindo As Vozes do Bra??S??il e postando: Poesia contra a distopia (Distopia = Ideia ou descrição de um país ou de uma sociedade imaginários (!??!!!????) em que tudo está organizado de uma forma opressiva, assustadora ou totalitária, por oposição à utopia. “Distopia”, in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013, [consultado em 13-10-2016].) : Poema(s) acróstico(s) de autoria do PoeTa anarcoexistencialista Cláudio Carvalho Fernandes para o maior e melhor brasileiro de todos os tempos : Luiz Inácio LULA da Silva :

    L ouvemos quem bem merece o mais pleno louvor:
    U m homem simples, como as coisas boas da vida,
    Í ntimo camarada, nosso irmão e amigo de valor,
    Z elando sempre pelo bem da humanidade querida.

    I nimigo dos maus, amigo dos bons, trabalhador
    N ascido do povo que muito o ama e admira,
    Á rvore de bons frutos, os de melhor sabor,
    C onsciência plena de tudo que no mundo gira,
    I magem perfeita do homem de si senhor,
    O humano defensor de humana lira.

    L uz de nossa gente, lutador incansável,
    U m verdadeiro herói do povo brasileiro,
    L úcido e consciente do mais admirável
    A mor pelo ser humano e verdadeiro.

    D igno e sincero, fraterno e muito humano,
    A migo do povo, honesto e sempre lhano.

    S eja o meu/nosso canto para te louvar,
    I sso que a voz do povo já disse várias vezes:
    L ula, o BraSil vive mais feliz só por te amar,
    V itória da melhor sorte no número treze,
    A fazer do brasileiro a humanidade a se ampliar.
    ::
    Autor: Cláudio Carvalho Fernandes ( PoeTa anarcoexistencialista )
    .:.
    L uz do povo brasileiro,
    U m digno e fiel lutador,
    L astreando com real valor
    A honra do BraSil inteiro.
    .:.
    L ula livrou 36 milhões da pobreza,
    U m feito memorável, sem precedentes,
    L utando contra a mídia venal, teve a certeza
    A bsoluta de estar ao lado dos brasileiros conscientes.
    .:.
    L ivrando da miséria extrema 36 milhões de brasileiros,
    U m feito sem igual, que, por si só, já bastaria,
    L ula segue sendo no mundo um dos primeiros
    A fazer de seu povo a eterna rima rica de sua poesia.
    .:.
    ? ? ? ? ? ? ? ? ? ? ? ? ?
    * * * * * * * * * * * * *
    * * * *
    Por uma verdadeira e justa Ley de Medios Já pra antonti (anteontem. Eu muito avisei…) ! ! ! ! Lul(inh)a Paz e Amor (mas sem contemporizações indevidas) 2018 neles/as (que já PERDERAM, tomaram DE QUATRO nas 4 mais recentes eleições presidenciais no BraSil) ! ! ! ! !
    * * * *
    * * * * * * * * * * * * *
    ? ? ? ? ? ? ? ? ? ? ? ? ?
    ????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????
    :: ????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????
    ::

  3. Entao o f d p do marum (esse cara deveria ter vivido na França do seculo XVIII, é o que ele merecia) liga para os deputados do PT, para pedir uma intervençao junto aos petroleiros? Paulo Pimenta nao deveria ter sido republicano. Ele deveria ter respondido com uma pergunta e uma resposta : ‘Sabe o que temer deveria ter dito(sem dar referencia temporal, que viria na resposta), marrum? Temer deveria ter ditto:
    Voces congressistas querem tirar uma presidenta legitima, contra a qual, nao ha’ nada constitucional, que justifique o seu impeachment? Entao voces tratem de achar alguém, para entrar no lugar dela. Pois eu, temer, seu vice-presidente, nao irei me prestar a este papel’. Mas temer nao disse isso, marum. Boa sorte com os petroleiros, seu mulando. E se lembre, marum, tudo estara’ no seu lugar, graças a deus, graças a deus.

  4. A regra das manifestações é clara, se a polícia não desceu a mão é porque não incomodou o poder.

    A greve dos petroleiros sendo recebida com essa hostilidade antes mesmo de começar? Isso é um sinal transparente de tão claro, não querem a esquerda disputando caminhoneiros pois sabem que ela pode sim “perverter” as paralisações.

  5. Estava bem clara a facilidade com que as coisas estavam acontecendo nas estradas, sem retaliações da PRF ou polícias estaduais por exemplo. Quando se vê empresários do transporte atiçando seus funcionários ou terceirizados a engrossar as fileiras ” grevistas’ percebe-se que o que queriam era jogar lenha na fogueira para baixar o preço do diesel e favorecer a companha intervencionista que pede a volta dos militares. Como estes já demonstraram que não estão dispostos a uma nova aventura, o assunto esvaziou e agora os ‘ patrocinadores da greve-locaute”, coincidentemente os mesmos do golpe, estão buscando alguns culpados para ficar bem com a população.
    Percebe-se assim que a participação pequena de setores da esquerda fez sentido, restringindo-se ao fato óbvio dos constantes e abusivos aumentos do preço e expondo a utilização dos caminhoneiros autônomos como ” bucha de canhão” . O diabo tantas faz que uma hora faz uma contra ele mesmo.

  6. Esses “produtores rurais” criaram asas, acham que podem tudo, revogar a imunidade tributária estabelecida pela Lei Kandir para produtos primários exportados pode cortar as asinhas deles definitivamente.

    Pau nessa cambada !!!!

  7. existe vídeo nas redes sociais deste citado empresário esculhambando com o judiciário e a classe política. no caso do judiciário o representante do psdb é citado nominal e diretamente como ladrão. adjetivos iguais são dirigidos ao usurpador do cargo de presidente da república. ninguém nem mesmo o dono de uma frota com 600 veículos faz isso sem cobertura. quem acoberta este cidadão?

  8. O editorial d’oEstadão “Perigos da democracia” de hoje é uma aula, e merece, ser lido. É uma aula de cinismo e dissimulação.
    “…talvez o maior prejuízo [do protesto dos caminhoneiros] nem seja econômico, mas sim democrático. A emergência de uma força descontrolada e difusa, capaz de colocar um
    governo de joelhos em poucos dias, deixou aos brasileiros a sensação de
    que não há autoridade no País – vence aquele que grita mais alto.

    “Ante a inação do poder público, grupos radicais de manifestantes
    sentiram-se incentivados a deixar de lado as exigências de caráter
    econômico e passaram a agir com o intuito deliberado de tornar o Brasil
    ingovernável.
    Trata-se de pessoas que se consideram acima da lei e das instituições e
    que desprezam profundamente a política tradicional – por elas
    considerada irremediavelmente corrupta e incapaz de resolver os
    problemas do País. Sua natureza despótica é evidente.
    Essa gente, é claro, sempre existiu, mas numa democracia, ao menos
    enquanto esta conserva seu vigor, não costuma haver muito espaço para
    que o ideal cesarista se imponha sobre as liberdades e a ideia de
    alternância de poder. O problema é que, depois que a cruzada
    anticorrupção no País se converteu em cruzada contra todos os políticos
    e, no limite, contra a política, movimentos como o dos caminhoneiros,
    incitados por inimigos declarados da democracia, parecem ganhar
    “legitimidade” aos olhos da população.”

    Resumindo pimenta nos olhos dos outros é refresco….golpistas desgraçados esquecem que os “tempos esquisitos em que vivemos” foi criado pelos editoriais e editorias da Grande Imprensa. Irresponsáveis semearam o caos e agora fingem não ter nada a ver com a desvastação que criaram !

    1. E’ surpreendente, que, pessoas com desenvolvimento acadamico e senso cognitive, como se espra do pessoal que trabalha para o jornalismo do Estadao, realmente nao pensa, ou nao nao admitem de public, que o brasileiro NAO respeita a autoridade, que se encontra no poder executive do Brasil neste momento. Ei, Estadaozinho, NAO ha’ legitimidade neste governo. Nunca houve.

  9. Faltou comentar aqui, Brito, que o corte tributário proposto pelo trambolho golpista envolve PIS/COFINS. Contribuição para a Previdência, portanto. E a reforma vem aí, com mais um rombo induzido pela esperteza perversa dos safos tecnocratas a quem o Temer serve.

  10. O “jus” de justiça vêm do latim, seu significado remete à algo que é correto, que é uma lei e, assim sendo, é aplicável de forma irrestrita para todos os cidadãos, seja em direitos, seja em deveres.
    A deformação observada no Brasil é, e sempre foi, tamanha, que a justiça é graduada segundo a orientação política, a classe social, a raça, o credo a até o time de futebol daquele que está na infeliz condição de estar nas suas mãos.
    Leis? Direitos? Pra quê isso se tudo é dinâmico e pode ser interpretado por qualquer juizeco de 1ª instância. Convicções, achismos e presunções aos montes. Sempre com a benção da mídia mais criminosa de que se tem notícia.
    O que não deveria haver mais dúvida nenhuma é que a esquerda não pode contar com nada de correto, ou de aplicação da lei, que venha dessas instituições.
    Só a luta consegue mudar alguma coisa, caso consiga.
    #LulaLivre

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.