O martírio de Lula impulsiona o PT

prefpart

O Globo e o Estadão, como se as pessoas fossem bobas, dão destaque a uma frase protocolar de Lula, em sua carta ao Diretório do PT, para que o partido “fique à vontade” em relação a defesa de sua candidatura presidencial. Tão protocolar que, de imediato, os dirigentes petistas reafirmara que não há hipótese, neste momento, de apoiar outro candidato, embora, claro, isso possa acontecer à frente.

Na Folha, porém, a pesquisa do instituto ligado ao jornal mostra que, ao contrário, a perseguição a Lula está empurrando o partido de volta aos melhores níveis de popularidade que já teve. 20% dos entrevistados pelo Datafolha manifestam sua preferência pelo partido.

Os “comentaristas políticos”, como já se disse aqui bem antes, não são capazes de perceber a força que Lula está ganhando com sua estúpida e brutal transformação em mito. Em fevereiro de 2010, auge da popularidade do seu governo, eram 24% os simpatizantes do PT, para que se tenha ideia do que é, hoje, ter 20%.

É que o sentimento da população, para eles, fica em segundo plano diante do”marketing da novidade”, ignorando que o processo político tem uma natureza social e que, nele, “o mercado” só tem tanta interferência quanto tem aqui por conta dos próprios meios de comunicação.

O esforço da Folha para encobrir, apesar dos números, que é a perseguição a Lula que responde pela ascensão do PT, chega a dizer que “a partir de 2017, o PT voltou a crescer, talvez num reflexo da impopularidade do governo Michel Temer (MDB)”. Ora, é só olhar o gráfico e ver que, no pior momento para os petistas o “fora Temer” já era uma unanimidade no país pós-golpe.

O udenismo, no Brasil, sempre teve expressão na classe média e trovões moralistas na mídia. Claro que forma “ondas”, que acabam se desfazendo ao se chocarem com a realidade de exclusão e carência que pretende perpetuar.

E, para estes desafios, seu programa é, literalmente, nenhum, são o de deixar que “o mercado” governe a economia do país, para nos dar, sempre, mais do mesmo que nos oprime.

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

16 respostas

      1. Estou rindo ironicamente do resultado do fel dos manifestoches, autofagia tucana, etc.. Tem que explicar tudo. Olhem o contexto, quem escreve, o que já escreveu. Mas é compreensível. Nervos à flor da pele em dias de Estado de Exceção. Também já cometi o erro de discutir com companheiro por erro de interpretação.

        1. Por isso acho fundamental deixarem bem claro suas opiniões pois, qualquer frase mal colocada, dúbia ou incompleta suscita erros de interpretações e mal entendidos desnecessários.
          “Minha opinião serena e madura sobre isso é: hahahaha!” Para quem não te conhece, sugere que voce está zombando da matéria, o que não foi sua intenção, muito pelo contrário, acertei?!
          Abraços

  1. Se os comerdaristas políticos a serviço da casa grande e os golpistas brucutus do Paraná assistissem um pouco de novelas, filmes, seriados e ficassem atentos às reações do público aos enrêdos e personagens, saberiam que aqueles que são submetidos a perseguições e martírios acabam conquistando a simpatia geral. Toda esta palhaçada que estamos vendo está sendo trabalhada como um obra de ficção, como uma novela. Os escritores erraram a mão e, contra sua vontade, está começando o momento da virada na trama, aquele em que o público descobre que o vilão, na verdade, é a vítima e que os mocinhos é que são os vilões.

  2. Caros Fernando Brito e leitores do Tijolaço.

    O DataFolha deveria se chamar, na verdade, DataFalha ou DataFraude. Aliás, este blog, assim como Intercept, de modo independente, descobriram uma mega-fraude perpetrada pelo jornal Folha De São Paulo, que controla esse instituto de pesquisa. a mais recente “pesquisa” do DataFalha é uma fraude ainda mais grosseira, ao alijar o Ex-Presidente Lula da disputa, mesmo ele não estando impedido de apresentar-se como candidato. além dessa manobra, o Data-Fraude fez comparações impróprias com “pesquisa” anterior, em que Lula aparecia em todos os cenários. Para desmascarar a fraude grosseira do Data Falha, o Instituto Vox Populi saiu a acampo no mesmo período e coletou a opinião do leitorado, considerando Lula candidato. O resultado do levantamento mostrou não somente a solidez da candidatura do Ex-Presidente Lula como a possibilidade dele vencer a disputa presidencial até mesmo no 1º turno (Lula obteve entre 39% e 43% das intenções de voto, o que corresponde a algo entre 52% e 57% dos votos válidos).

    O plano dos golpistas não é apenas aniquilar Lula e os líderes históricos do PT, mas o partido em si, já que o único da esquerda brasileira com capilaridade e enraizamento social nos 26 estados da federação; é por isso que centenas de capas de jornais e revistas, assim como milhares de manchetes radiofônicas e televisivas, além do aparato do sistema judiciário e repressor do Estado Brasileiro foram (e continuam sendo) usados para, no imaginário popular associar o PT a uma organização criminosa. Mas a resiliência da população brasileira mais desfavorecida, a qual sempre constituiu a maioria do leitorado petista, se mostra muito maior do que pensavam os golpistas. Se forem feitas análise com os dados da última pesquisa Vox Populi, que mostram Lula com mais de 40% das intenções de votos, constatar-se-á que quase 80% dos que declaram voto em Lula o fazem por razões ideológicas. Ora, isso perfaz mais de 24% de simpatia pelo PT, que o máximo histórico verificado.

    Em resumo: as sucessivas tentativas de criminalizar e aniquilar o PT e a esquerda fracassaram. A tendência, há mais de um ano, é de crescimento na simpatia e opção pelo partido. Embora o PT tenha sido objeto do massacre midiático e judicial, o partido é ainda o maior e mais orgânico e o de filiados (hoje em mais de 2 milhões) só tende a crescer.

    1. O plano dos golpistas é este mesmo. Tiram Lula da eleição e depois começam a fazer pesquisas apenas com o resto. Desta maneira se criaria todo um processo eleitoral fraudulento graças a atuação do judiciário e legitimação pela mídia, mas que desembocaria numa eleição “limpa”. “Eles” escolheriam quem pode e quem não pode concorrer e oferecem aos eleitores as opções. Evita-se, assim, a inconveniente necessidade de fraudar resultados durante a apuração, como ocorreu em Honduras. Os bolsotontos não se enganem: o “mito” será excluído assim que “eles” considerem que será impossível vencê-lo com algum candidato de laboratório, tipo Batman Barbosa, ou o preferido da direita, Al Ckmin.

  3. Periodicamente, quando se discute alguma candidatura que viria a substituir o eventual impedimento do Presidente Lula pelo regime
    golpista, articulistas e leitores de blogs de Esquerda apontam a candidatura de Ciro Gomes como o candidato “natural” a ser apoiado. Entretanto a última enquete do Datafalha mostrou que o seu partido (de direita) o PDT, tem a simpatia de apenas UM POR CENTO dos
    eleitores e, portanto, que seu candidato não tem nenhuma viabilidade eleitoral. Isto sem falar da eterna patinação de Ciro Gomes em torno dos 5-6% da preferência eleitoral:

    https://caviaresquerda.blogspot.com.br/2018/04/de-lavada.html

  4. Enquanto isso, os outros partidos malfeitores vão mudando os nomes das siglas pra ver se conseguem continuar enganando os trouxas. O PT sempre sendo PT, não precisa muda de nome.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.