O México pode perder em campo, mas na urna, já ganhou

amlo

Pobre México, tan lejos de Dios y tan cerca de Estados Unidos.

A frase, atribuída a Porfírio Diaz, ex-presidente mexicano do final do século 19, parece ser o desafio que o México passa a enfrentar, a partir da noite passada, com a eleição de Andres Manuel López Obrador, a quem a direita classifica como um “populista de esquerda”.

Os até agora 54% dos votos que obteve, dão-lhe o dever de ser o intérprete da resistência nacional ao “muro de Trump”, num país onde os ressentimentos com os EUA remontam há quase dois séculos e se expressam na gravura aí de cima, que retrata a chegada das tropas do Exército norte-americano ao Zócalo, centro da Cidade do México – onde esta noite se comemorou a vitória de Obrador – em 1847.

Depois de terem lhes tomado os territórios que são hoje a Califórnia, o Novo México e o Texas, chegaram ao ponto de hastear o pavilhão dos EUA no Palácio Nacional.

Obrador declara abertamente seguir as ideias de Francisco Madero e Lázaro Cárdenas, o presidente que fez a reforma agrária sonhada por Emiliano Zapata e nacionalizou o petróleo mexicano. Teve, como mérito, a sensibilidade de não permitir que a bandeira do combate à corrupção caísse nas mãos da direita, que há décadas usava este caminho com seu Partido da Ação Nacional, afinal desmoralizado por escândalos, como antes foi o Partido Revolucionário Institucional, esteio da independência mexicana por todo o século 20.

Muitos o identificam como o “Lula mexicano” comparação difícil de fazer, mas que guarda alguma semelhança (e não poderia ser muito diferente, quando se aspira o poder pela via eleitoral) porque reuniu um caudal de apoio que juntou nacionalistas, socialistas, reformistas, conservadores, dissidentes de partidos tradicionais, sindicalistas e empresários.

E que, como o “Lulinha Paz e Amor” teve de reconhecer, logo no primeiro discurso, o “respeito aos contratos”, ainda que classifique de ruinosos muitos deles, sobretudo os da entrega do petróleo mexicano feitos pelo atual presidente Peña Nieto.

O apoio a Obrador, porém, foi tão intenso e os resultados parlamentares tão expressivos, que há quase a certeza de que fará mudanças político-econômicas sensíveis logo no início de seu governo, em dezembro.

Seja como for, a segunda maior economia da América Latina passa a ser governada por uma plataforma política abertamente assentada na justiça social e no combate ao neoliberalismo.

Uma grande vitória do povo mexicano, fora do futebol, onde, lamento, espero que não tenham a mesma sorte, daqui a pouco.

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

21 respostas

  1. São realmente situações muito diferentes. No Brasil o desmonte foi feito por golpistas não eleitos, o que abre perspectiva de revisões. Na questão da corrupção, Dilma também tentou segurar a bandeira da luta contra ela, no início de seu mandato, mas perdeu-a depois. Pra completar as diferenças principais, nossa justiça é a mais deplorável do mundo.

  2. Viva o povo mexicano! Boa sorte a Obrador e seu governo. Que possa se distanciar dos eua

  3. Não pode cair na besteira que Lula e Dilma caíram de não reconhecer desde o início de que a mídia é a grande arma com que contam os entreguistas e sanguessugas para destruir governos nacionalistas e retomar o poder.

  4. Muito esclarecedor compará-lo com nosso Lula. Muito esclarecedor. No entanto, não sejamos eternamente ingênuos. O Destino Manifesto não morre. Ele se moderniza e age agudamente. Anotem: o México entra num período de sérias turbulências. Os exemplos pululam na história americana. Muito esclarecedor compará-lo com nosso Lula. Ele também teve seu dia de Obrador… hoje amarga uma prisão.

  5. Vamos ganhar no campo de futebol, mas na democracia e nas urnas tomamos uma goleada do México. Lá o preferido do Povo disputa e ganha as eleições. Um governo de centro esquerda coladinho ao Feudo de Trump.

  6. Ué, o jogo nem começou para se afirmar isso………..e aqui estamos perdendo de goleada faz tempo…….

  7. Enquanto isso, todos os candidatos de direita aqui no Brasil, TODOS – Marina, Alckmin, Meirelles, Bolsonaro, Zé da Riachuelo, todos eles ficam trocando figurinhas com os escribas da patética mídia empresarial e só falam para o Mercado, como se quem fosse escolher o próximo presidente fosse um Conselho formado pelo Mercado, e não o povo brasileiro. Nenhum deles tem uma mínima palavra sequer dirigida ao povo. Certamente eles acham que o povo fica para ser enganado numa segunda fase, com as mentiras de campanha. E o Ciro, que já falou ao povo, agora também está falando para o Mercado. Um tal de Paulo Guedes, economista reacionário contratado agora pelo Bolsonaro, garante ao Mercado que vai privatizar tudo, tudo, tudo no Brasil, não deixando nada para ser governado pelo Estado. Sabem o que devemos fazer? Vamos falar baixinho bem pertinho dos ouvidos do povo que o tal Mercado suga o sangue do Brasil, mas seu coração não bate em território brasileiro. E que o bem estar dele, povo, não consta dos planos de nenhum destes candidato de direita. Simples assim.

    1. Esses candidatos que você menciona seguem a cartilha mais atualizada e radical mercadista: ninguém está dando a mínima para o povo ou para questões que o afetem. Em grandes eventos de finanças, seminários, workshops, o escambau, o papo é só sobre metas de inflação, câmbio, juros, privataria e ajuste fiscal. Só isso. Ninguém sequer pensa em falar em projetos de industrialização, empregos, investimentos públicos, educação, saúde, etc. Não é que sejam hipócritas ou mentirosos (como a direita de até alguns anos atrás). Não. Eles simplesmente NÃO incluem esses assuntos em seus papers e discursos. Não acham que precisem levar em conta os miseráveis que morrem ao seu redor, as crianças que não poderão estudar e os idosos morrendo à míngua sem o auxílio de prestação continuada ou com uma aposentadoria cada vez menor. É como se fossemos assolados por um bando de gafanhotos que ataca e segue devorando tudo ao seu redor. E depois não entendem porque Lula continua a liderar as pesquisas mesmo na cadeia.

    2. Basta pra começar o Obrador convidar a CHina para construir grandes obras de infraestrutura no mexico.Com dinheiro chines.
      Eles topam e da pra negociar vantagens aos nativos.
      Depois o Amlo nao paga o financiamento a Pequim e vai dai o XI negocia ficar com o porto, aeroporto etc ja construido gerido pela china por 100 anos… Como o Xi fez no Sri Lanka.
      Como será que uoxinton vai reagir?

  8. MÍDIA GLOBO-MOSSACKEANA E KOXINHAS EM PÂNICO!
    TODOS OS OUT-SIDERS (E MESMO OS INSIDERS TRADICIONAIS!) TENTADOS EXPLODIRAM APÓS SEREM LANÇADOS À PRESIDÊNCIA!
    É O CAOS KOXINHA QUE AGORA SE VOLTA CONTRA SEUS CRIADORES!
    E, A IMPRENSA GOLPISTAS JÁ SABE… O GOLPE DEU RUIM… MUITO RUIM!
    E, AS PESQUISAS ABREM UM INFERNO DE POSSIBILIDADES… NENHUMA DELAS TRARÁ A BASE GOLPISTA AO PODER!
    SÓ LULA SALVA!
    PT 2018!

  9. Viva Mexico!! Mas na bola, não! Assim espero. Apesar dos golpistas, precisamos ganhar hoje. Arrisco um placar esquisito, 4×1 para nós… kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  10. Se ganharem também dentro das 4 linhas, não me importo. Quem sabe assim prestarão atenção no sucateamento da nação…

  11. E como ele irá lidar com os onipresentes cartéis da droga? Sabe-se muito bem que há um poder paralelo por lá, e este é o cartel das drogas. Aqui há o cartel midiático, a Globosta à frente. Quando penso que o PT teve o poder nas mãos pra destruir essa rede e não o fez…

  12. É pouco, muito pouco. Sou refratário a teorias da conspiração, mas…Pode ser que a estratégia da CIA e do DoS seja a de permitir um governo de esquerda-centro-direita – um do partidos do Morena é de um pastor pentecostal – na segunda economia da Latinoamérica, cujas jazidas petrolíferas já estão nas mãos das petroleiras internacionais, e no seu próprio quintal – esse processo de rever um a um os contratos não tem prazo – e prosseguir no assalto à democracia e ao pré-sal da PRIMEIRA economia latino-americana. Pago pra ver.

  13. :
    : * * * * 04:13 * * * * .:. Ouvindo As Vozes do Bra??S??il e postando:

    Viva México ! ! ! ! ! Ganharam muito mais, e de goleada.

    Poesia contra a distopia (Distopia = Ideia ou descrição de um país ou de uma sociedade imaginários em que tudo está organizado de uma forma opressiva, assustadora ou totalitária, por oposição à utopia.) : Poemas (acrósticos) de autoria do PoeTa anarcoexistencialista Cláudio Carvalho Fernandes para alguns dos valorosos blogueiros progressistas:

    Para Fernando Brito, do Tijolaço:

    Feliz quem pode te ler
    Espectador do melhor pensamento
    Resgatando o próprio prazer
    Natural de também pensar o momento
    Ampliando a visão sobre a realidade
    Nas críticas (e) reflexões
    De um País em busca da verdade
    Ou da própria humanidade, sem ilusões

    Brasileiro com muito orgulho e amor
    Registro vivo de pia humanidade
    Igual, livre e fraterna, multicor
    Tentando sempre de tudo a verdade
    Onde haja a comum-união de vida e labor

    .:.

    Poema acróstico para o maior e melhor brasileiro de todos os tempos : Luiz Inácio LULA da Silva :

    L ouvemos quem bem merece o mais pleno louvor:
    U m homem simples, como as coisas boas da vida,
    Í ntimo camarada, nosso irmão e amigo de valor,
    Z elando sempre pelo bem da humanidade querida.

    I nimigo dos maus, amigo dos bons, trabalhador
    N ascido do povo que muito o ama e admira,
    Á rvore de bons frutos, os de melhor sabor,
    C onsciência plena de tudo que no mundo gira,
    I magem perfeita do homem de si senhor,
    O humano defensor de humana lira.

    L uz de nossa gente, lutador incansável,
    U m verdadeiro herói do povo brasileiro,
    L úcido e consciente do mais admirável
    A mor pelo ser humano e verdadeiro.

    D igno e sincero, fraterno e muito humano,
    A migo do povo, honesto e sempre lhano.

    S eja o meu/nosso canto para te louvar,
    I sso que a voz do povo já disse várias vezes:
    L ula, o BraSil vive mais feliz só por te amar,
    V itória da melhor sorte no número treze,
    A fazer do brasileiro a humanidade a se ampliar.
    ::
    Autor: Cláudio Carvalho Fernandes ( PoeTa anarcoexistencialista )

    .:.

    L uz do povo brasileiro,
    U m digno e fiel lutador,
    L astreando com real valor
    A honra do BraSil inteiro.

    .:.

    L ula livrou 36 milhões da pobreza,
    U m feito memorável, sem precedentes,
    L utando contra a mídia venal, teve a certeza
    A bsoluta de estar ao lado dos brasileiros conscientes.

    .:.

    L ivrando da miséria extrema 36 milhões de brasileiros,
    U m feito sem igual, que, por si só, já bastaria,
    L ula segue sendo no mundo um dos primeiros
    A fazer de seu povo a eterna rima rica de sua poesia.

    .:.

    ? ? ? ? ? ? ? ? ? ? ? ? ?
    * * * * * * * * * * * * *
    * * * *
    Por uma verdadeira e justa Ley de Medios Já pra antonti (anteontem. Eu muito avisei…) ! ! ! ! Lul(inh)a Paz e Amor (mas sem contemporizações indevidas) 2018 neles/as (que já PERDERAM, tomaram DE QUATRO nas 4 mais recentes eleições presidenciais no BraSil) ! ! ! ! !
    * * * *
    * * * * * * * * * * * * *
    ? ? ? ? ? ? ? ? ? ? ? ? ?
    ????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????
    :: ????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????
    ::

  14. Espero que ele não seja republicano e arrebente com os canalhas entrguistas de lá. Paz e amor é suicidio político.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.