Os imparciais

faz

O Grupo Globo publica hoje uma “emenda constitucional” determinada por João Roberto Marinho em seus “Princípios Editoriais”, para disciplinar o uso de redes sociais por seus jornalistas.

Diz lá, no meio de um longo blá-blá-blá que “em sua atuação nas redes sociais, o jornalista deve evitar tudo o que comprometa a percepção de que o Grupo Globo é isento. Por esse motivo, nas redes sociais, esses jornalistas devem se abster de expressar opiniões políticas, promover e apoiar partidos e candidaturas, defender ideologias e tomar partido em questões controversas e polêmicas que estão sendo cobertas jornalisticamente pelo Grupo Globo”.

Se isso fosse seguido nas páginas do jornal, nos textos de comentaristas e para as reportagens de televisão, era possível que as os espaços e tempos dedicados à política ficassem em branco.

Desde quando o  Grupo Globo é isento? Nem ele e nem qualquer veículo de comunicação. E é natural que não sejam, desde que preservem o equilíbrio jornalístico e, sobretudo, sejam honesto com seus leitores e assumam suas preferências. É assim em todo o mundo e não poderia ser diferente.

O que é diferente, aqui, é que existe um monopólio de comunicação exercido pela Globo que, hipocritamente, quer ser percebido (e confessa) como isento, quando é – e foi, desde que vicejou na ditadura – a mais importante ferramenta do sistema de dominação da opinião pública.

É, e seu patrono, Roberto Marinho, era o condestável da República, papel que – com discrição pessoal, reconheça-se – foi herdado pelo filho João Roberto, que divide com os irmãos a presença na lista dos mais ricos do país.

Algo que ele imita até no vocativo de “caros companheiras e companheiros” com que publicamente trata seus empregados, como fazia o “companheiro Roberto Marinho”.

Nos últimos tempos, a Globo se tornou a grande patrocinadora da Lava Jato e de seus desígnios políticos. O prêmio máximo do “Faz Diferença” global entregue por João Roberto a Sérgio Moro, depois a Cármem Lúcia, por exemplo,jamais foi dado ao brasileiro que mais diferença fez no país nos 15 anos em que a premiação existe, não é. Deram-lhe um de segunda linha, é verdade, no início de 2004, quando a Globo estava pendurada em dívidas e a mão do Governo era indispensável para salvar o império.

É que para eles faz mais diferença colocar Lula na cadeia que tirar 40 milhões de brasileiros da miséria.

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

20 respostas

  1. Jânio de Freitas na Fel-lha de São Paulo

    Feira de riquezas

    O governo sumiu. Foi sua melhor providência em dois anos de invasão da Presidência e adjacências. O Supremo Tribunal Federal ocupou o vazio: em uma semana, foi mais criticado do que em todo o seu tempo pregresso, cujo silêncio impositivo, por temor ou interesse, só foi perfurado já no século 21. Mas do Supremo saiu, apesar de logo atacada, uma decisão há muito necessária.

    Desde o governo Fernando Henrique, não haveria melhor ocasião para exigir-se que privatizações sejam submetidas ao Congresso, como vem determinar medida do Supremo, pelo ministro Ricardo Lewandowski. A deficiência moral do Planalto de Temer não decorria só da presença, lá, do hoje encarcerado Geddel Vieira Lima. Logo, a pretendida venda da gigante Eletrobras ao gosto do governo seria, sem dúvida, a reprodução das vendas de gigantes como a Vale do Rio Doce e as telefônicas. Nas quais o próprio Fernando Henrique deixou gravados, tal como Temer com Joesley Batista, indícios óbvios das cartas marcadas nas transações.

    Em entrevista recente à Folha, Armínio Fraga repetiu um pretenso argumento de uso comum nos neoliberais: “Governo não deve ter empresa”. É verdade. Não deve e não tem. Nenhuma estatal é de governo. Todas são do chamado Patrimônio da União, os bens conjuntos do país. É descabido, quando não é criminoso, que um grupelho decida fazer negócio com bens da nação, por critérios de sua autoria, senão de compradores. Sem ao menos submetê-los ao Congresso para o exame das razões e condições, sua divulgação ao país e a autorização, ou não, dos ditos representantes da sociedade.

    Não houve privatização que escapasse ao fracasso senão graças a brutais aumentos dos seus preços. Aqui mesmo foi publicada a constatação do ator Nelson Xavier, hoje morto, de que o quilo do aço de Volta Redonda era vendido, como fixou o então ministro Maílson da Nóbrega, pelo preço de um molho de cheiro-verde na feira. Feita a privatização, depressa o preço cresceu cinco vezes, e não parou aí. Com os telefones só foi diferente por ser pior.

    Há cinco dias soubemos de mais vendas de fatias da Petrobras. Foram-se três distribuidoras, de combustíveis, óleos e gás; serviços de abastecimento em três aeroportos, quase 200 postos e outros negócios no Paraguai. Tudo por R$ 1,45 bi. Se muito barato, como parece, caro ou a preço razoável, não se sabe. Assim, sem que o país conheça as razões e os critérios, estão indo há mais de dois anos as sucessivas fatias, na simplória política de vendê-las para cobrir dívidas —o que qualquer camelô faria no lugar em que estavam o louvado Pedro Parente e seu conselho de administração.

    Tanto faz se, como especulado, a medida de Lewandowski tem ou não a ver com a encaminhada venda de parte da Embraer, empresa privatizada a preço inferior ao que o país investiu para criá-la. Certo é que os motivos de compra atribuídos à Boeing soam infantis. Uma indústria do seu porte não precisaria da Embraer para produzir aviões de linhagens menores. A Boeing é empresa civil que usa farda e bate continência. É vista como ligada aos departamentos da Defesa e de Estado mais do que aos próprios acionistas.

    A Embraer já foi impedida de vendas grandes em razão do poder de veto dos Estados Unidos, imposto para o uso de componentes americanos nos aviões. É um pequeno sinal dos problemas que a esperam e aos projetos que tem com a FAB, se efetivado o negócio com a Boeing. Mas o caso é diferente do que se passa entre as estatais e as privatizações. Aí, a precaução chamaria a polícia.

  2. começar o texto com companheiras e companheiros é deboche..temos de fritar a família Marinho…não merecem nem seus nomes nas lápides….

    1. No Brasil, a mídia oficial é um braço do Mercado Financeiro e das elites reinantes (em qualquer época). Vai daí, ela tem e sempre teve lado: o lado do poder e do dinheiro. Às vezes ela utiliza e usa os pobres e a classe média: quando isso é necessário aos interesses das classes dominantes. Simples assim.

  3. João Roberto Marinho, um dos Senhores de Engenho da Globo, deveria ser o redator chefe do “Zorra Total”, programa humorístico que ele oferece semanalmente à senzala.

    Globo isenta, é igual nota de R$3,00, se achar uma, pode ter certeza é FALSA.
    #GloboCaraDePau
    #AGloboTransformouOBrasilNumaZorraTotal

    1. Alguns piores que os patrões, como diz Mino Carta, sobem nas tamancas para falar em libertade de imprensa (dos patrões), quando se fala em regulação dos meios, mas ficam caladinhos quando são tolhidos em suas propostas de pauta e de textos, às vezes inteiros, com rabinho entre as pernas.

  4. Infelizmente, esse tipo de atitude espúria não acontece apenas nessa coisa nojenta que é a rede globo. Muitas escolas também agem da mesma maneira colocando uma mordaça em professores que ousem se manifestar.

  5. É isso mesmo. Isenção coisa nenhuma. Na realidade está mostrado como o pensamento único é disseminado, nos meios de comunicação no mundo, claro com as adaptações locais necessárias. Mostra como devemos procurar outras fontes de informação. O noticiário, as imagens e as opiniões divulgadas são controladas, por comando local e internacional. É uma triste verdade esta de todos os jornalistas que atuam nos meios de comunicação no Brasil, mas não só, até em sua vida particular não têm como discordar da linha editorial da empresa de mídia que o emprega, geralmente com altos salários, que os acorrentam a essa ao tronco dessa escravidão. Queiram ou não, têm que ser a voz do dono. Por isso não dá para acreditar no que dizem, escrevem ou mostram, o objetivo não é informar, mas manter todos dentro de uma mesma visão ideológica. Sempre foi assim, certamente não só na Globo, tanto que esta agora está fazendo um adendo às normas existentes. Mas, mesmo sem normas escritas, há uma norma consuetudinária, que aponta a toda mídia uma mesma direção, que se liga ao patrocínio (menos o estatal, esse não tira proveito), à propagando dos grandes grupos econômicos, a maioria grupos estrangeiros, cujo interesse, não necessariamente os do Brasil e dos brasileiros. De tudo isso, e por tudo isso, tendo em, conta a percepção das pessoas, quando em contato com as falas, textos e imagens desse discurso forçado, capenga, é que estão perdendo a opinião pública. No nosso caso, as pesquisas eleitorais mostram o insucesso do esforço editorial sem precedentes, no intuito de impor o neoliberalismo, esconder as mazelas a que conduz o povo, particularmente os trabalhadores, desde que conseguiram desestabilizar com a participação do Congresso e do Judiciário o Governo Dilma, afastando-a do poder através do golpe-impeachment em 2016, aumentando a virulência dos ataques dos agora opositores, a ponto de aprisionarem o Presidente Lula. Apesar de todo aparato técnico, apesar de todas as normas de conduta, estão sendo derrotados, na formação da opinião pública, que se informa por outros meios, inclusive no boca a boca. É o caso que mentira tem pernas curtas, e o mentiroso se denuncia, quando atua. Isenção só sobressai quando há, quando os fatos e mesmo evidências a corroboram. Por mais que a Globo queira dissimular sua falta de isenção, todos percebem, é um fato, cada vez mais claro para todos. Isenção não é dizer-se isento.

  6. Para mim, o mais vergonhoso é saber que Globo e mídias brasileiras similares se declaram “isentas” por terem fomentado, durante anos a fio, a ideia de que é assim que um veículo de comunicação deve ser. Não é, como bem nos lembra Brito. Mas o público tocado como gado vai defender a “isenção” como virtude.

  7. O PSDB vai denunciar a Dilma no STF, certamente porque ela foi torturada e mentiu para os torturadores.

  8. Uma empresa jornalística onde não há jornalistas, mas um monte de bonecos de ventríloquos.
    Aliás, fica até meio correlacionada com o nosso judiciário, onde há cada vez menos juízes e cada vez mais bonecos do ventríloquo de Curitiba!

  9. A SOFRÍVEL FALA DE SÉRGIO MORO
    Fernanda Mambrini Rudolfo – Defensora Pública do Estado de Santa Catarina. Doutoranda e Mestre em Direito pela UFSC. Especialista em Direito Penal e Processual Penal pela EPAMPSC. Diretora-Presidente da Escola Superior da Defensoria Pública de Santa Catarina.

    Ao escrever sobre isso, sei que estou me submetendo à possibilidade de ser achincalhada ou mesmo alvo das piores agressões verbais, coisas que vemos com frequência na internet. Em tempos de críticas sem qualquer fundamento e discursos de ódio, não é fácil fugir da repetição irrefletida de frases de efeito como “o problema do Brasil é a impunidade”. No entanto, vejo-me na obrigação de mostrar um outro lado, que alguns querem esconder, seja por má-fé, seja por ignorância.
    No último dia 25 de junho, o juiz Sérgio Moro esteve em Florianópolis para palestrar em um evento sobre a atuação do sistema de justiça no combate ao crime organizado. Na oportunidade, valeu-se de cerca de uma hora para proferir uma série de informações deturpadas, utilizando um português sofrível.
    Comecemos pelo fim. O magistrado não sabe sequer conjugar o verbo “haver”, que, no sentido de existir, é impessoal e não deve ser flexionado. Esse é apenas um exemplo dos diversos erros cometidos durante sua fala. E isso é digno de críticas por se tratar de alguém que teve todas as condições imagináveis de estudar; que fez graduação, mestrado e doutorado em algumas das melhores instituições de ensino do país. Quando se tratava de Lula, por exemplo, pessoa que cresceu sem qualquer oportunidade, não apenas se criticava como se debochava, como se fosse sua obrigação ser autodidata ou aprender por osmose. Quando vemos pessoas de origem simples falar, sem acesso ao ensino formal, é frequente serem alvo de piadas por parte daqueles que se julgam “finos”, “educados”, “polidos”. Enquanto isso, o juiz Sérgio Moro massacra a língua portuguesa e é ovacionado pela “nobreza”.
    Além disso, deturpou deliberadamente informações para arrancar risadas e aplausos da sua plateia. Por exemplo, ao afirmar que vivemos tempos “curiosos” por haver críticas ao Tribunal Regional Federal da 4ª Região em virtude de ser muito célere. Ora, tenho certeza de que o juiz não é ingênuo a ponto de acreditar nessa assertiva, mostrando-se tal colocação de absoluta má-fé. Todos sabem que a crítica não se dá em razão de uma celeridade do Tribunal, mas em virtude da seletividade de tal celeridade, que passou o julgamento de Lula na frente de tantos outros apenas para que pudesse iniciar o cumprimento de sua pena, na medida em que o Supremo Tribunal Federal vem – absurdamente, diga-se – relativizando a presunção de inocência. Fosse de Lula, fosse de Aécio, a Justiça é vendada para não ver quem julga e, portanto, também para que todos sejam processados no mesmo ritmo, sem que um seja mais rápido ou mais lento que outro. Curiosamente, alguém viu o processo do Aécio por aí? Nisso, acho que Moro está correto, vivemos mesmo tempos “curiosos”…
    Desejando tornar-se (ou manter-se) um ídolo nacional, entoa mantras de combate à impunidade, de que ninguém está acima da lei (aparentemente, só o próprio magistrado), de uso da prisão preventiva para salvação da humanidade. Enquanto isso, um auditório lotado de membros e servidores do Judiciário e do Ministério Público (o acesso ao evento era restrito) regozijava-se e entrava quase em estado de êxtase. A ideia de punir, de aplicar a força do direito penal – seletivo por natureza – e de afastar o respeito ao devido processo legal confere a muitos um gozo que não são capazes de obter por outros meios. Uma cegueira (moral e deliberada) toma conta de uma plateia elitista e alienada, preocupada unicamente em postar elogios ao palestrante nas redes sociais.
    Enquanto isso, Moro brada o combate à corrupção, recebendo mensalmente seu auxílio moradia que corresponde a mais do que o salário dos professores. Professores cujas greves são criticadas e magistrados que são colocados em pedestais. Reitero: Moro tem mesmo razão, vivemos tempos “curiosos”…

    1. Parabéns Doutoranda e Mestre Fernanda Mambrini Rudolfo. Sim os tempos são sombrios, e muito semelhantes à Alemanha 1930 !! Onde a questão étnica emcobria a luta de classes. Aqui há racismo, mas a luta de classes está escancarada !! Obrigado Eder !

  10. Axioma fundamental que aprendi do Mestre Brizola:
    “Em política, não existe elemento neutro.”
    Portanto, os “isentões”, por mais q se esforcem, não passam de desonestos e dissimulados.

  11. JORNALISMO REDE GLOBO – UM JORNALISMO 100% ISENTO DA VERDADE!
    AGORA, VÃO SEGUINDO OS PASSOS DA ABRIL…
    APÓS OUTUBRO, COMEÇAM AS DEMISSÕES EM MASSA DE “COLABORADORES” AKOXINHADOS SEM ÉTICA E SEM MORAL!
    A PLANÍCIE DOS JORNALISTAS KOXINHAS DESEMPREGADOS AUMENTA TODOS OS DIAS…
    O MORTICÍNIO DOS LETRADOS TUKANOS É CASO DE CALAMIDADE PÚBLICA!
    CHAMEM AS NAÇÕES UNIDAS…
    JORNALISMO QUE PERDE A CRDIBILIDADE, SÓ MATANDO NA MISÉRIA…

  12. Ao invés de Princípios Editoriais, deveria se chamar “Manual de como enganar Trouxas”… ou ainda “Receita de coxinhas”…
    “Comprando justissa”… “Pato assado na panela”…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.