O “NY Times” e o “Como o vírus venceu” nos EUA (como aqui)

A edição de hoje do The New York Times tem uma impressionante reportagem de capa – “Como o vírus venceu” – onde se rastreia a disseminação dos casos de infecção e morte pelo novo coronavírus nos Estados Unidos desde que o país tinha apenas 15 casos detectados e o presidente Donald Trump desdenhava do perigo, dizendo que em alguns dias estes seriam “reduzidos a zero“.

No mesmo briefing de imprensa – as semelhanças não são mera coincidência – ele desdenhava dos efeitos do Covid-19, dizendo que a gripe comum matava milhares de vezes mais e ninguém se preocupava com ela.

O trabalho da equipe do NY Times é precioso, analisando “padrões de viagem, infecções ocultas e dados genéticos para mostrar como a epidemia saiu de controle”.

E registra, com situações concretas, como as autoridades públicas deixaram de tomar as providências duras que poderiam ter salvo dezenas de milhares de vidas.

“Rastreamos a disseminação oculta da epidemia para explicar por que os Estados Unidos não conseguiram detê-la. A cada momento crucial, as autoridades americanas estavam semanas ou meses atrás da realidade do surto”.

As conclusões são duras e deveriam servir como advertências para nós, que tivemos a sorte de estarmos, em relação aos EUA, “atrasados” na disseminação da epidemia, basicamente porque lá é incomensuravelmente maior o movimento de viajantes internacionais e, claro, foram eles os vetores do que se transformaria em pandemia.

Os principais especialistas federais em saúde concluíram, no final de fevereiro, que o vírus provavelmente se espalharia amplamente nos Estados Unidos e que as autoridades do governo logo precisariam instar o público a adotar medidas de distanciamento social, como evitar multidões e ficar em casa.
Mas Trump queria evitar perturbar a economia. Por isso, alguns de seus conselheiros de saúde, por insistência de Trump, disseram aos americanos no final de fevereiro que continuassem a viajar no país e seguir suas vidas normais.

A história está toda ali, na primeira fase da expansão da doença. Mas a segunda fase ainda está por ser escrita, com o país voltando a registrar números recordes de contaminação (37 mil ontem, 47% a mais que há duas semanas). As mortes, ainda em queda (se é que se pode chamar quase 800 óbitos de “queda”) logo seguirão a mesma macabra tendência.

Estamos, outra vez, recebendo avisos, mas parece que, de novo, eles serão ignorados. Nossas autoridades públicas se amparam no fato de que, salvo em alguns casos, o sistema de leitos de internação não entrou em colapso – claro que por ter sido fortemente expandido – e acham que este perigo “já passou”, abrindo todo o comércio e os serviços e falando até em volta às aulas.

Serão atropelados pela realidade, como os norte-americanos foram e estão sendo.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

10 respostas

  1. E isso porque a Covid é uma doença traiçoeira mas com baixo índice de letalidade. Sem querer parafrasear o “ainda bem”, pelo qual Lula se desculpou, essa pandemia veio para despertar a humanidade. Desde os sistemas de saúde, até as experiências secretas visando guerra bacteriológica, a humanidade precisa rever tudo. Já imaginaram se a taxa de mortalidade fosse de 20% ? Ainda há o detalhe atenuante de que a Covid é piedosa com as crianças. Graças a Deus.

  2. Sem querer Pautar você Brito,sempre lúcido,sempre progressista,justo e patriota:
    Não conheço o projeto do roubo das águas mas a seguir o que foi feito na Bolívia,Equador e Guatemala pela Nestle e Coca cola fica proibido o uso de açudes,lagos,rios,e até água da chuva.
    Somos um POVO cuja aceitação a roubalheira de nossos recursos naturais e o fim de uma Soberania me envergonha.
    Devemos exercer nossa cidadania e nos rebelar contra essa gente rica.
    No brasil não existe uma única instituição que defenda o POVO e os frutos de nossa terra. Somos um País grandioso com imensas riquezas naturais das quais todos se beneficiam e estamos perdendo para a gente rica uma a uma dessas fontes para o Capital inimigo do povo pobre e trabalhador.
    O Brasil precisa ser refeito,ser remodulado e como está sendo feito nos EUA em certos estados devido a violência policial,extingue-se a instituição para refaze-las sob nova ordem e cá no Brasil TUDO ESTÁ FORA DA ORDEM,TUDO CONTRÁRIO A SOBERANIA E O BEM COMUM.
    Revolução não é utopia,é realidade,é direito reconhecido pelos povos do mundo,Nação nenhuma deve aceitar ser espoliada pacificamente,essas leis que aprovam são crimes,são traição a Pátria.
    Pátria ou Morte!

    1. —-Somos um POVO cuja aceitação a roubalheira de nossos recursos naturais e o fim de uma Soberania me envergonha.—-

      Esse foi sempre o nosso problema ,não existe POVO no Brasil,existe uma massa ignorante ,egoísta e vagabunda no que se refere ao simples ato de PENSAR,QUESTIONAR, SE MOVILIZAR.
      São os –outros– que saem às ruas ,são os outros que fazem as mudanças,são os outros que vão a luta.
      O glorioso movimento que os valentes e destemidos dos 60/70 fizeram contra os opressores ,não teve no Brasil o peso e o volume que teve em Argentina,Uruguai,Chile.
      É a nossa sina ,um país potencialmente fantástico para virar uma nação ,soberana,livre,independente, é um amontoado de pessoas ,com carência de objetivos comuns,manipulável pelos Goebels da direita,e estúpidas ao ponto de não percebe-lo.

    2. —-Somos um POVO cuja aceitação a roubalheira de nossos recursos naturais e o fim de uma Soberania me envergonha.—-

      Esse foi sempre o nosso problema ,não existe POVO no Brasil,existe uma massa ignorante ,egoísta e vagabunda no que se refere ao simples ato de PENSAR,QUESTIONAR, SE MOVILIZAR.
      São os –outros– que saem às ruas ,são os outros que fazem as mudanças,são os outros que vão a luta.
      O glorioso movimento que os valentes e destemidos dos 60/70 fizeram contra os opressores ,não teve no Brasil o peso e o volume que teve em Argentina,Uruguai,Chile.
      É a nossa sina ,um país potencialmente fantástico para virar uma nação ,soberana,livre,independente, é um amontoado de pessoas ,com carência de objetivos comuns,manipulável pelos Goebels da direita,e estúpidas ao ponto de não percebe-lo.

    3. —-Somos um POVO cuja aceitação a roubalheira de nossos recursos naturais e o fim de uma Soberania me envergonha.—-

      Esse foi sempre o nosso problema ,não existe POVO no Brasil,existe uma massa ignorante ,egoísta e vagabunda no que se refere ao simples ato de PENSAR,QUESTIONAR, SE MOVILIZAR.
      São os –outros– que saem às ruas ,são os outros que fazem as mudanças,são os outros que vão a luta.
      O glorioso movimento que os valentes e destemidos dos 60/70 fizeram contra os opressores ,não teve no Brasil o peso e o volume que teve em Argentina,Uruguai,Chile.
      É a nossa sina ,um país potencialmente fantástico para virar uma nação ,soberana,livre,independente, é um amontoado de pessoas ,com carência de objetivos comuns,manipulável pelos Goebels da direita,e estúpidas ao ponto de não percebe-lo.

  3. Lembrando que, nos EUA, o que ajudou a espalhar a doença foi o custo dos exames e tratamentos, tudo particular, que nosso SUS, ainda que seja longe do ideal, provê de graça.
    Se não fosse pelo SUS, com certeza estaríamos em situação muito pior que os EUA.

  4. Lembrando que, nos EUA, o que ajudou a espalhar a doença foi o custo dos exames e tratamentos, tudo particular, que nosso SUS, ainda que seja longe do ideal, provê de graça.
    Se não fosse pelo SUS, com certeza estaríamos em situação muito pior que os EUA.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *