O país onde a realidade não importa

Fala-se, com razão, todo o tempo sobre a nota de Bolsonaro finge que não aconteceu o que todos viram que aconteceu no Sete de Setembro e que “o calor do momento” tem o condão de fazer evaporar as palavras ditas nos palanques.

Mas não é o presidente da República o único participante deste tornei o nacional de cinismo e hipocrisia.

Longos parágrafos, nos discursos do presidente da Câmara, Arthur Lira, e do Supremo Tribunal Federal, Luís Fux, foram dedicados a destacar o caráter “pacífico e democrático” das manifestações.

Todo mundo viu que centenas, milhares de faixas e cartazes pediam o fechamento do Supremo, da Câmara e do Senado, a cassação de seus integrantes e a “intervenção militar com Bolsonaro no poder”.

Viram? Não, deve ter sido simples ilusão de ótica, porque parece que se dissolveram no ar, como o “Sai Canalha” vindo da boca presidencial.

E, tão bonzinho, o ex-presidente Michel Temer diz na Folha que “‘olha, vamos contar o tempo a partir daqui’, porque o passado, afinal, já tem 48 horas, é tão remoto…

Ainda que não escandalosas assim, versões sempre existem, mas não têm o poder de mudar a realidade.

O polpismo deu um passo atrás, recuando de sua inviabilidade. Mas segue sendo um golpe à espreita do momento de voltar a atacar.

O próprio Bolsonaro, na sua live de ontem, pediu para seus seguidores darem-lhe “dois ou três dias” para recuperarem sua confiança no “Mito”. É evidente que ela se recuperará com novas bravatas e ataques.

A vida real segue assustada, porque foram conjurados por algum tempo os feitiços golpistas, mas, acontrário de oque querem fazer supor, seus miasmas não se dissolveram na brisa da normalidade.

A carta de Bolsonaro, como aqueles conselhos caseiros de “tomar uma cibalena e descansar, que passa”, é apenas um alivio temporário , posso apostar, de pouca duração.

Não, Bolsonaro é uma doença perigosa, que exige tratamento severo e contínuo, para que não ocorra a sua metástase final dobre o corpo vivo da Nação.

A verdade não é outra coisa senão a realidade, e a realidade é que o Brasil não tem governo, mas um projeto pessoal e deletério de poder, que não tem limites éticos, morais e, muito menos, institucionais.

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.