O país tem o direito de saber da “catástrofe muito maior”

Na entrevista que deu à Record, Jair Bolsonaro disse algo sobre a chegada de manchas de óleo ao litoral do Nordeste que, se restasse alguma combatividade à imprensa brasileira, estaria nas manchetes e sendo motivo de cobranças veementes por esclarecimentos:

“Nós temos um anúncio aí de uma catástrofe muito maior que está por ocorrer por causa deste vazamento”, disse o presidente diante de um repórter que não manifestou a menor reação e passou logo à próxima da lista de perguntas que recebeu da chefia, num jornalismo chapa branca inacreditável.

Se podia haver razão para se manter em reserva o navio supostamente responsável pelo derrame de óleo não há nenhuma para que não se saiba qual é esta “catástrofe muito maior” que está por vir.

Ao contrário, serviria para mobilizar e organizar a população que, afinal, tem sido a grande responsável pelo combate aos danos da poluição.

Há milhares de embarcações, de pesca e de recreio que podem servir como sentinelas da chegada de óleo e permitir sua coleta antes da chegada à praia, já que o óleo tem surgido em forma muito densa e tem sido possível retê-lo.

Bolsonaro fala da catástrofe com um tom de certeza que, das duas uma: ou tem informações alarmantes ou, simplesmente, está mentindo para causar comoção.

Desta vez, pelo menos, estamos todos torcendo para que o presidente seja apenas um mentiroso.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

11 respostas

    1. E pode piorar.
      Do jeito que todo mundo parece ter se posto à janela, simplesmente olhando o tempo passar e o desastre se agravar, já não descartaria o risco de reeleição do miliciano!

  1. É uma catástrofe ? Sim, concordo. Mas providências tem que ser tomadas tanto em relação ao dono do navio quanto a Venezuela .

  2. A maior catástrofe deve ter sido a arapuca que a turminha armou para a Globo. Uma pessoa da turma do Bolsonaro cobrou da emissora uma reportagem sobre o porteiro, que daria margem a uma resposta que já estava pronta pelo Bolsonaro, e que levaria ao encerramento do caso e de quebra abriria caminho para a cassação da concessão da Globo. A Globo caiu como um patinho amarelo. Bem que notamos que aquela performance maluca do Bolso parecia ter sido friamente calculada e ensaiada. A Globo agora só tem uma saída: Colocar em campo um batalhão com os melhores jornalistas investigativos do Brasil.

  3. Nada pior que o guedes. Amanhã vende o petróleo do país pela gorjeta de 100 bi; deve valor 50 vezes mais.
    O petróleo que chega ainda não é pior que o petróleo que vai de entrega.

  4. Com suas palavras, verdadeiras ou mentirosas, Bolsonaro prova por A + B que não precisamos de FFAA – Onde elas estão que não se manifestaram para orientar a população, pedir ajuda internacional, convocar e organizar embarcações de civis e outros para conter o óleo antes de atingir as praias. Como já dito e feito pelos pescadores, é óleo peixe, pega na rede. É só fazer arrastão de rede com malhas mais finas. Os voluntários já recolheram, por baixo mais de 5000 ton. de óleo.

  5. O doente mental diz que há uma catástrofe muito maior, entretanto NÃO faz nada e ainda por cima transfere para a imprensa o dever de agir.
    O Brasil virou um hospício e isto não é força de expressão.

  6. Chego a conclusão que o maior defeito do brasileiro evangélico é ser hipócrita, seguido pela covardia. Desconheço um eleitor evangélico que tenha votado em Bolsonaro e tenha a coragem de confessar o erro cometido, ou sequer arrependimento. Muitos deles afirmam que não havia quem escolher. Por outro lado, tenho conversado com pessoas de outros matizes religiosos, muitas delas arrependidas eleitoras de Bolsonaro.

  7. Mentiroso ele é. É um MITÔmano. Mente compulsivamente. Teve a cara de pau de, na assembléia da ONU, mentir despudoramente sobre números e fatos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *