O ‘physique du rôle’

Indagam-me alguns leitores porque não trato das notícias sobre supostas ameaças feitas por Jair Bolsonaro a uma ex-mulher.

Porque, claro, não tenho elementos para dizer se houve – como sugerem as narrativas da época, registradas pelo Itamaraty – ou se não houve, como diz a própria vítima.

Então não trago isto para o campo da polêmica, devendo ficar no campo dos registros históricos, onde está.

O que importa constatar é que o senhor Bolsonaro, aí sim publicamente, construiu uma imagem de brutal misoginia que combina com a situação, sugerindo que mulheres mereçam tratamento inferior e até estupros e que, por isso, acaba por se encaixar perfeitamente no papel que lhe é atribuído.

E não apenas assim, mas dando protagonismo a figuras, como a de um conhecido ator pornô que virou estrela de sua companhia.

Ainda assim, não pratico o “não tenho provas, mas tenho convicções”.

Jair Bolsonaro, que merece cada miligrama do repúdio que lhe devem dar as pessoas lúcidas, também merece a presunção de inocência que, agora, virou regra negar.

E nós, brasileiros, merecemos que o combate político – ainda que duro, duríssimo – seja travado na política, não no lamaçal de moralismo estúpido que eles próprios promovem, inclusive com invocação de Deus e Família, como nos tempos da TFP.

Aliás, por métodos, como se está vendo nas histórias escabrosas dos relacionamentos do sr. Donald Trump, que já desceram a detalhes anatômicos, uma “porno TFP”.

Nem pela audiência fácil que isso daria, o blog não morde o cachorro como forma de luta.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

11 respostas

  1. Mesmo que eu critique de forma incisiva a opção de Fernando Brito pelo “plano B”, como se fosse uma espécie de “é o que temos para hoje”, continuo sendo fiel leitor deste Tijolaço porque o Jornalista que o edita mostra que ética e profissionalismo podem perfeitamente conviver com o jornalismo militante. O candidato nazifascista merece nosso repúdio e nossas mais duras críticas; mas nem por isso devemos agir como ele, negando-lhe os direitos assegurados em Lei.

  2. Em outras palavras, Brito: caráter. Tratar qualquer um (mesmo o Côiso) como nós mesmos gostaríamos de ser tratados. Algo em grande falta na vida brasileira. Só posso aplaudir a aula de humildade e justeza. Queria que metade dos juízes do STF pensassem assim.

  3. Por este tipo de matéria que faz acompanho-lo todos os dias. Comentei com minha esposa sobre este caso do Bolsonaro, independente se é verdade ou não, por que só trouxeram a público agora? Com certeza, para influenciar nas eleições. Temos que discutir propostas para nosso país. O combate é na politica e nas ideias. Parabéns Brito!!!!

  4. Boa tarde. E não há nada que pareça não aferir que a temporã indignação da mídia bandida seja tentar (eu disse tentar) ressuscitar o moribundo “homem do merchadus“, tarefa, digamos, das mais inglórias. Não devemos entrar nessa. O que Haddad está fazendo, uma campanha totalmente propositiva, não deve deixar de o ser. Ao fim e ao cabo, com Haddad eleito, espera-se, podemos demarcar o novo (?) modo de fazer política: com propostas. Deixemos o barraco para o lado da caverna do ostracismo.

  5. É decente jornalista,honesto cidadão,ético. Coisa rara Brito,tudo isso justifica o crescimento de Tijolaço,sim será uma Honra indo ao Rio te pagar um chopp.

  6. Poxa vida! Como me sinto bem lendo Fernando Brito e o seu Tijolaço.

    Como diriam Tom e Vinícius:

    “Existiria a verdade
    Verdade que ninguém vê
    Se todos fossem no mundo iguais a você.”

  7. Por isto é que eu gosto do Tijolaço.
    Minha avó paterna diria, ‘fils, la noblesse oblige’.

  8. Parabéns Fernando Brito pela lucidez de sempre. Não podemos, às vesperas da eleição, cometer o erro de repetir as estratégias “do outro lado”, que tanto repudiamos. Devemos sim, a todo momento, mostrar que o debate se dá no campo das idéias, e não descambar para as baixarias que, inexplicavelmente, lançam mão os bolsominions… É bom sempre lembrar do que disse Mark Twain: “não discuta com imbecis. Eles vão rebaixar a conversa para o nível deles, e aí vão te vencer pela experiência.”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *