Poema de Drummond-2: Juiz que defendeu Bretas tem “auxílio-casal”

drummond

Severino Motta, repórter do Buzzfeed, revela que o autor da nota da Associação de Juízes Federais do rio de Janeiro e do Espírito Santo, Fabrício Fernandes, tinha bons motivos para defender o duplo auxílio moradia dobrado do casal Bretas & Bretas:

Logo após a revelação de que o juiz federal Marcelo Bretas recebe auxílio-moradia mesmo sendo casado com uma juíza que ganha o mesmo benefício, o presidente da Ajuferjes (Associação de Juízes Federais do Rio de Janeiro e Espírito Santo), Fabrício Fernandes, saiu em defesa do colega.

Numa nota dura, disse que a informação, revelada pela Folha de S.Paulo, faz parte de uma campanha para desmoralizar juízes federais e “denegrir a honra dos que hoje mais se emprenham em coibir o maior dos males da administração pública brasileira, a corrupção organizada e voraz”.

Mas a defesa ao colega também tinha um fundo pessoal. Tal como Bretas, Fernandes também é casado com uma juíza e foi à Justiça para conseguir que tanto ele quanto sua mulher pudessem receber, cada um, os R$ 4.733,73 pagos aos magistrados brasileiros.

O caso, como se disse ontem, não é pontual. É corporativo. E pobres dos juízes  que, tal como o outro Fernandes, o J. Pinto, não tinham entrado na história.

  
contrib1

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

15 respostas

  1. O pior é que acham que isso é correto e moral.
    Logo eles que, por ofício, fazem juízo do cidadão com um.
    Que vergonhoso.

  2. CORJA DE VAGABUNDOS SAFADOS EXPLORADORES DO DINHEIRO DO POVO.
    ENQUANTO O CORNO DO PLANALTO A MANDO DO MERCADO TENTA TIRAR DIREITOS DOS POBRES ( OS QUE MANTÉM O SISTEMA FUNCIONANDO) ESTES FILHAS DA PUTA ,ENCHEM SEUS BOLSOS COM O NOSSO ESFORÇO.

  3. A justi$$$a é uma grande famiglia.
    O fascismo institucional. A plutocracia, a grande mídia e as instituições da república todos mamando nas tetas do estado.
    E que se dane o povo.

  4. Se o povo brasileiro não começar a tomar atitudes mais drasticas quanto a essa gente que se acha iluminados mas na verdade são parasitas do estado, a vaca, que já está no brejo, vai norrer afogada log, logo.

  5. Pelo visto os Cruzados da nova moralidade estão todos de bunda de fora….Ah …o vil metal, sempre ele !

  6. É nisso que dá conceder a uma categoria tanta autoridade e tão pouco compromisso com a verdade e com a lógica dos fatos.
    Nossos agentes judiciários são muito poderosos e, praticamente, intocáveis; eles sabem disso, e para isso, organizaram uma corporação que se auto defende dos malfeitos que cometem — que são muitos e, em geral, envolvendo muito dinheiro.
    O corporativismo deles é tão abusado que a eles tanto faz se a sociedade se escandaliza ou não com seus atos; há poucos meses um desembargador a quem cabia julgar em segunda instância a sentença de um juiz que, dizem ser seu amigo, disse, sem examinar os autos, que a sentença era “irretocável”.
    Essas coisas fazem de nossa justiça uma pseudo justiça, uma justiça caricata, motivo de risos e gozações no mundo inteiro.
    Por isso, para nossa vergonha, temo-la com vários recordes mundiais: a justiça mais cara do mundo; a justiça mais lenta do mundo;
    a justiça mais inconfiável do mundo; a justiça mais partidária do mundo; a justiça mais hipócrita do mundo; e com isso a justiça mais INJUSTA do mundo!

  7. Êta Fabrício sem vergonha! Voçê está na funçào certa! Defender seus interesses e de demais fura-tetos. Seu ídolo e inspirador é o FUX?

  8. “denegrir a honra dos que hoje mais se emprenham em coibir o maior dos males da administração pública brasileira, a corrupção organizada e voraz”

    O que esses juizes andam fumando? Até onde se sabe, a Constituição define o papel do juiz em julgar, imparcialmente, acusações e defesas dos casos que são atribuídos a ele. Quem “coibe”, ou “faz valer a lei” é o Executivo, Ministério Público portanto. Esses caras acham que são xerifes no velho-oeste.

  9. Um aspecto que não se não se aborda muito nessas benesses é que uma vez que elas são recebidas devidamente disfarçadas como verbas indenizatórias, não são declaradas como rendimentos tributáveis. Portanto eu e você pagamos imposto de renda sobre a parcela do nosso salário que é gasta com habitação, mas não eles. Seria isso sonegação? Tirem vocês mesmo a conclusão.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.