O Posto Ipiranga da economia já mostrou que lá não se acha nada

Comentou-se aqui que Jair Bolsonaro “miniaturizou” os dois superministros que, todos acreditavam, seriam os pilares de seu governo. Fez isso também com as Forças Armadas, mas é assunto para outro texto.

De Moro, tem ficado evidente, com as sucessivas investidas do presidente sobre sua área, situação agora provisoriamente em trégua, pois o ministro concordou em colocar “sob cabresto” a Polícia Federal, virtualmente impedida de investigar qualquer coisa que desagrade o clã presidencial.

Mas só agora começa a ficar evidente que Paulo Guedes, o ex-“Posto Ipiranga”, onde se encontrariam todas as respostas para as agruras econômicas do país é, de fato, um imenso depósito de coisa alguma.

Perdeu o ponto-chave de sua reforma da Previdência, que era o sistema de capitalização, capz de formar, em mãos privadas, um imenso fundo de recursos para financiar o mercado, como sempre acontece quando é criado um mecanismo com atribuições previdenciárias. É simples: nos primeiros anos, a entrada de recursos é alta e a saída baixíssima, por se tratar de “contas novas”, cujas obrigações levam tempo para avolumarem-se.

Seu delírio de que a volta da CPMF seria capaz de permitir a desoneração de recolhimentos da Previdência nas folhas de pagamento é absolutamente frágil, como demonstra o ex-secretário da receita, Everardo Maciel, em entrevista ao Valor: para isso a alíquota teria de ser altíssima, o peso sentido por muitos e o alívio, nem tão grande, por poucos.

Na Folha, Guedes confessa que ainda está aferrado à ideia, ainda que, formalmente, diga que está sepultada:

“Evidentemente, quando as pessoas falam de CPMF, o presidente fala que não. Porque realmente não é CPMF que a gente quer, é um imposto sobre transações diferente desse. Mas, para que não haja mal entendido, morreu em combate o nosso valente Cintra”, afirmou.

O Ministério da Economia não tem liderança sobre nada do que se discute em matéria de reforma tributária e, portanto, passa a correr o risco de que saia do Congresso um “depenamento” de suas receitas já em crise.

Seu projeto econômico não consegue ser objetivo nem mesmo naquilo que apresenta como única medida para a economia: a venda de patrimônio. A saída de capital externo no mercado de ações, que disparou a partir de julho, continua acontecendo e tende a seguir assim, em razão das posições de “vendido” dos investidores estrangeiros.

Os grupos econômicos e financeiros já não contam com qualquer recuperação digna deste nome para a economia, tanto é que vêm caindo sucessivamente as previsões de crescimento do PIB no ano que vem.

De tal modo o carro vem rateando que não demora a haver possibilidade de que Jair Bolsonaro acabe por ter vontade de abastecer em outro posto que lhe prometa mais quilômetros de vantagem.

 

 

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

15 respostas

  1. A aparente força do Boçalnato vem de fora, vem dos states de Trump, mas precisamente do esquema montado pelo bilionário Steve Bannon, que elegeu o boçal daqui e o de lá. Enquanto prevalecer o de lá o daqui vai cantar de galo. Caindo o de lá o Bozo daqui se desintegra.

  2. Soube que esse governo da morte liberou mais agrotóxicos. Quando começou essa onda eu resolvi fazer uma horta em vasos aqui na minha casa. Dá para plantar muita coisa desta forma. Eu plantei 8 tipos de hortaliças, cheiros verdes, tomate, beringela, abobrinha, cenoura, beterraba, chuchu, quiabo, maxixe, e jiló. Eu queria uma coisa menos bagunçada e para não ficar caro comprei caixas plásticas de feira à 20,00 reais cada uma, medindo 40 x 60 cm, e também vasos plásticos baratos de 50 cm de diâmetro e 40 cm de profundidade, aqueles rústicos mesmo usados para o plantio de mudas em floriculturas. Eles custam entre 5,00 e 10,00 reais cada um. Se vocês quiserem algo mais estético optem pelas caixas plásticas. Elas ficam lindas enfileiradas. Até no jardim vocês podem ter vasos legais com cheiros verdes fazendo as vezes de plantas ornamentais. Na base da rusticidade dá para fazer vasos improvisados até com plásticos bem grossos ou lonas, costurados. De outro ângulo, vocês nem precisam fazer a horta em vasos se não quiserem gastar. Basta fazer na terra mesmo. Vocês só precisam de um pouco de espaço e, portanto, de morarem em uma casa ou numa cobertura para fazer uma horta.Se vocês tiverem sítio ou chácara melhor ainda. Dá para vocês servirem até os amigos. Eu estou cultivando uma horta de 30 m2 e vou amplia-la para 60 m2. Pesquisem na internet sobre as hortas em vasos. Pensem nessa ideia. É muito prazeroso cuidar de uma horta. Garanto que tem sido uma terapia para mim cuidar da horta e colher coisas fresquinhas e sem agrotóxicos para comer. Isso sem contar a possibilidade de diminuir a incidência de um câncer no futuro. Se depender de mim, essa turma da agricultura não vai me ter como cliente para consumir mais agrotóxicos não. Peço a vocês que compartilhem essa ideia. Se vocês não tiverem espaço para fazer horta outros conhecidos e amigos seus talvez tenham. Que tal fazermos uma corrente para disseminar essa ideia pelo país? Estamos enfrentando o mal em todos os sentidos neste momento de desgraça pela qual passa o Brasil. Vamos ter que ir saindo pela tangente enquanto aqueles que têm poder e autoridade para impedir a aberração bolsonarista não tomam coragem para fazer alguma coisa para proteger a população.

    1. Hoje o anjo bom pousado no meu ombro direito está perdendo a batalha para o demônio quem, desde meu ombro esquerdo, sussurra aos meus ouvidos as mais pavorosas maldades.
      Ele quem convenceu-me a zoar com você, so sorry!
      Great idea. Eu tenho 3 filhos, os agregados que surgem quando estes sofrem o inevitável surto hormonal, um cachorro e a diarista que vem 3 vezes por semana. Pela quantidade de legumes e hortaliças, sem falar nas leguminosas, frutas e temperos que essa horda consome vou ter que comprar um trator 4×4 traçado, com arado, grade e plantadeira só pra dar conta da produção. Tenho sorte porque há espaço na garagem e 3 sacadas onde fazer a horta. O problema vai ser como trazer essa tralha da garagem para o 9º andar, mas, desafio é desafio. A gente dá um jeito.
      Agora, fica a pergunta. Por quê, em nome do capeta? por que cargas d’água, irei eu encarar um trampo loco desses? Posso comprar tudo orgânico, ou não? Comprar de agricultores familiares, que produzem e distribuem produtos saudáveis, livres de agrotóxico, cultivados com técnica environment-friendly, a preços justos, ou não?
      Além do mais, se todos aderirmos a essa idea loca, que só pode ter nascido em meio a rodadas de chá de ayahuasca, iremos destruir, literalmente, o arranjo produtivo da agricultura familiar, destruir emprego e renda, abalar um dos instrumentos de fixação do homem no campo, contribuir para o êxodo rural e abastecer as favelas e a miséria nas cidades. (esse parágrafo foi soprado do ombro direito).
      Minha filha, quer fuder com a vida dos outros? Acabar com o negócio, a renda, o emprego, o sustento e a pouca felicidade de milhares de pessoas?
      Vai virar uma WMD (weapon of mass destruction) dos bolsominios terraplanistas e negacionistas? Vai oferecer-se ao serviço sujo da Menina Veneno, do Salles, do Weintraub e do Paulo Beato Salú Guedes?
      Não tem o que fazer? Pega um pano branco, tinge de vermelho, pega um pincel e escreve lá: Lula livre! Fora Bozo! e vai à luta.

      1. Entendi. Pela sua reação dá para perceber que eu fui no nervo né. Eu aposto que você é um dos caras que usa ou está, de alguma forma, envolvido com a defesa dos agrotóxicos, obviamente, por razões espúrias. E se você não é nem uma coisa e nem outra, deve ter condições financeiras de comprar os caríssimos produtos orgânicos. Agora vem cá..
        Por que eu seria obrigada a compra-los, heim? De outro ângulo, alguém pode me obrigar a comprar produtos mais envenenados do que sempre foram? Além do mais, meu caro, a Constituição não impede ninguém de cultivar parte do seu próprio alimento…Sim. Porque tudo não dá né. Se quiser mesmo que eu desista de disseminar essa ideia faça seu mito recuar no excesso de veneno que ele está autorizando a chegar na nossa mesa. É a ele que você deve direcionar críticas. Não a mim. É ele quem está destruindo o país. Não eu. Se você é agricultor bata nele. Não em mim. Você não me engana não, meu caro. Sei muito bem de qual turma você é. O bom para a sua turma é a economia viva e a população brasileira envenenada e morta. Por fim, até parece que esse tipo de rompante me intimida. Até parece! Vocês de extrema direita são muito arrogantes. É facílimo reconhece-los. Esse tipo de coisa só me incita a seguir em frente. Você me convenceu que as hortas caseiras podem vir a ser excelentes instrumentos de pressão contra esse governo maldito. A propósito, fala para o seu demoninho que o babado dele não funcionou não. Muito pelo contrário. Piorou. Agora é que eu vou continuar nessa trilha sem pestanejar um minuto sequer.

        1. Meus cumprimentos, Sandra, pela brilhante resposta ao Boeotorum Brasiliensis. Como o nome latino diz, é um brasileiro em formação… Óbviamente, acho que o comentário dele era para ser uma piada, ninguém, com exceção do Bostanaro e seus minions, acredita que uma horta caseira vai prejudicar a agricultura familiar, destruir emprego e renda e contribuir para o êxodo rural. Deixa prá lá, o país está cheio de loucos e doentes mentais…

    2. Há alguns anos cultivo uma pequena horta caseira, com zero uso de defensivos e/ou agrotóxicos. Encaro a atividade como diversão e terapia, além do prazer e satisfação que sinto ao doar mudas, hortaliças e temperos para quem me visita. Recomendo a todos, mesmo aqueles que tenham pouco espaço, já que é possível fazer uma horta vertical, suspensa, sem gastar muito.

      1. Mark, eu pesquisei sobre as hortas verticais na internet. Muito legal. Valeu a ideia para quem não tem espaço. Obrigada.

    3. Estamos voltando 40 anos com aquelas sociedades alternativas vida comunitaria. So nao va diar p vizinho senao algum vai denunciar a policia. Vivemos tempos doidos.

      Li uma vez sobre agricultura domestica um artigo q hoje tem 100 anos… Era sobre plantaçao de batata em caixotes de 1 m3 ou mais. A produtividade era muto boa

  3. O agrotóxico mais perigoso hoje para o nosso povo é BOLSONARO. O povo precisa retirá-lo de circulação.
    Se o TSE merecesse confiança e fosse sério anularia as eleições fraudadas e assim uma nova marca de ORGÃNICO seria entregue ao povo brasileiro com a garantia de que teríamos uma democracia verdadeira, desde que os espalhadores de fake news e donos do poder econômico fossem impedidos de divulgarem notícias falsas.

    1. Na minha opinião não é tão simples,pois vivemos em um tempo de conservadorismo é uma grande hipocrisia,mas vivemos, e milhares de pessoas escolheram esse plano de governo, foram na onda do “combate a corrupção” e ajudaram a colocar um NEOFASCISTA no governo, então que esse país colha aquilo que plantou, e infelizmente no meu humilde ponto de vista não será nada bom.

  4. Caro Fernando Brito, o Bolsonaro está se lixando pra nossas forças armadas, a defesa dele é Trump e as forças armadas norte americanas. Os militares brasileiros se borram de medo dos norte americanos, portanto, como nação, não existimos mais. Esse papo furado de Bolsonaro e da curriola fardada que o cerca, sobre patriotismo, é pura enganação.

  5. Ao contrário.
    Acha-se o combustível mais adulterado servido aos consumidores do Posto Ipiranga.
    Quem quiser constatar a adulteração, com base em rigoroso estudo acadêmico, técnico e atuarial, que foi praticada pelos frentistas do Posto Ipiranga basta acessar o “link” disponível em Carta Capital para verificar a manipulação de dados e estatísticas, que viraram a seguridade social de cabeça para baixo, de modo a demonstrar a fatalidade de um “suposto déficit atuarial” quando a realidade previdenciária aponta em sentido oposto: a existência de um superávit previdenciário sustentável a ponto de despertar o apetite do mercado financeiro para privatizá-lo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.