O que os unia era a destruição. Por Policarpo

Ao liberar os comentários da madrugada, agora cedo, encontrei esta contribuição do leitor Policarpo que, de tão bem arrazoada e articulada, resolvi trazer como post, para que mais pessoas a possam ler:

Sempre afirmei que Bolsonaro não era nosso problema. A turma da bufunfa (Mercado, Mídia mais seus cardeais políticos) a essa hora deve estar começando não digo a se arrepender, mas possívelmente a buscar uma outra saída para a aventura e o mato sem cachorro em que se meteu e meteu a todos nós. 

Esse pessoal não devia ter dado asas aos “meninos” mimados e fanatizados do Mercado ou do Ministério Público, e nem ter dado crédito à boca torta dos cardeais tucanos. Quando esses meninos impacientes começaram a botar as manguinhas de fora e a planejar a destruição do país e a por em marcha sua política de terra devastada, Bolsonaro era só mais um exótico deputado do baixo clero do Congresso e isso muito antes de se tornar a última solução à mão para os golpistas. 

A única coisa que unia e congregava todos os membros desse sinistro consórcio golpistas era o objetivo de sacar o PT da Presidência da República, destruir e desmoralizar a própria ideia de política e de partido político. Nunca passou pela cabeça de nenhum golpistas qualquer ideia de tornar o Brasil um Estado de Direito Democrático e uma nação em busca do desenvolvimento econômico, político e social para a maioria da sua população.

O fato é que o golpe de Estado de 2016 não conseguiu nestes três anos e não vai conseguir nos próximos anos criar as condições para estabilizar o regime político (que a judicialização política, a partidarização judicial e o terrorismo midiático ajudaram a desestabilizar). Os golpistas não são capazes de criar nem um arremedo de democracia e nem mesmo um arremedo de ditadura, assim como não têm condições de estabelecer uma ditadura aberta e muito menos ainda uma democracia plena que garanta seu domínio.

O mesmo se passa na esfera econômica: seu projeto é totalmente inviável econômica, politica e socialmente, e não passa – se tivermos sorte – de uma distopia irrealizável, se tivermos azar e se tentar realizá-lo as consequências para o país serão ainda mais destruitivas e catastróficas do que já temos visto.

É preciso demonstrar ao povo essa fraude e a destruição que tudo isso significou para o país e mais ainda convencer esse mesmo povo que isso não é um projeto de país viável para os mais de 200 milhoes de brasileiros. A credulidade na falsa campanha moralista (sem moral) deve diminuir e o cinismo terá cada vez mais dificuldades para justificar e defender o indefensável. 

É preciso fazer justiça e fazer justiça é chamar as coisas pelo seu nome: o mandato de Dilma foi cassado por um Golpe de Estado em um processo forjado de impeachment, Lula foi preso em um processo forjado contra o ex-presidente com vista a sacá-lo da disputa política e um partido político foi perseguido e criminalizado e isso não se circunscreveu apenas ao seus principais dirigentes e lideres, mas a todos os seus simpatizantes e eleitores. E tudo isso foi um crime contra a democracia brasileira.

Enquanto não fizermos justiça reinará o arbítrio e provavelmente o terror e talvez até mesmo a guerra, o que em nossas terras sempre significou o massacre do povo brasileiro. Não quero saber as diferenças que nos separam mas das identidades que nos unem contra esse movimento político golpista e totalitário.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

30 respostas

  1. Grande Policarpo.
    Triste fim a um país: transformar-se em colônia de exploração!
    O mais triste e doído é que os pobres, ao invés de rebelar-se, preferem ser explorados e deleitar-se com celulares de 600,00.

  2. Já tinha lido logo de manhã o excelente comentário do Policarpo, em sua foto do perfil, homenageia o grande escritor Lima Barreto. Este, que identificou de maneira brilhante em seus escritos, as injustiças e resquícios do legado de nossa sociedade escravocrata.

  3. Parabéns, Policarpo e obrigada ao Fernando por compartilhar com a gente. Difícil mesmo é a união e o despertar do povo.

    1. Vc está certa, a oposição ao golpismo permanente não se une e, consequentemente, as lideranças não conseguem levar o povo às ruas.

      1. é difícil mesmo. mas, se puder, dê uma olhadinha no observatoriodademocracia.org.br É um blog das fundações dos partidos progressistas. É uma tentativa, vale prestigiar e divulgar

    2. Verdade, não tem como nos unirmos a bolsominions, para quem todos os contra são comunistas ! Até a rede golpista e o cúmplice bebianno já viraram comunistas da KGB ! Só acabando com a rede golpista e rearranjando todo o PIG, e olha lá !

      1. acho que é mais difícil que isso, companheiro. Somos um país fundado no privilégio e até quem não tem sequer direitos acha tudo muito natural, não sabe onde se situa na cadeia alimentar e até luta pelos direitos das “elites”. Bem atual pra relembrar: os funcionários da Ford impediram Haddad e Manu de discursarem na fábrica, aos gritos de “mito”. Agora, a Ford dá um adeus e vai embora e o mito nem tchum. Triste

  4. Na última frase do comentário do Policarpo ( excelente) está descrita a maior dificuldade.
    Até hoje só nós ocupamos de aumentar o tamanho do desacordo ,priorizamos as diferenças ao invés das coincidências.
    Vejo que provavelmente ,o maior aglutinador da oposição ,será a própria ação do governo e não os gestos de grandeza de parte dos nossos agentes políticos.

  5. O mais difícil,senão quase impossível,é CONTAR COM ISSO,QUE O SENHOR CHAMA DE “POVO”,para qualquer ação que os leve ao conhecimento do que significa PARTIDO E POLÍTICA.Até os menos DESESCLARECIDOS,confundem ambos,como se fosse a mesma coisa.Votos progressistas eventuais,são abortos temporários,pois esse “POVO”,como de resto,todos os povos que se iludem com a tal DEMOCRACIA,essa abstração inventada pelos gregos e romanos,a única coisa que garante,é a PROPRIEDADE PRIVADA DAS CLASSES DOMINANTES.Regra geral,as MINORIAS DA SOCIEDADE.E o “POVO”,cujo único sonho maior,é ficar rico,embarca de cabeça nessa “ABSTRAÇÃO.”Então,esperar sentado tais progressos,não passam de ILUSÕES TEMPORÁRIAS.O RESTO,É CONVERSA DE GENTE BOA,que não passam de “SOFISTAS”,em prol dos BURGUESES e noutras épocas,os membros das classes dominantes.

  6. É como se o Fernando Brito o tivesse escrito.
    Triste, mas muito bom.
    Parabéns ao Policarpo !

  7. O pior cego é aquele que não quer ver! Um ditado antigo mas que mostra as razões do povo brasileiro em eleger o atual governo e os ocupantes do Congresso Nacional. Com a maneira de pensar do povo, sempre manipulado por alguém, não conseguiremos nada. Estamos condenados a ser o eterno país do futuro. Pobre veio ao mundo para sofrer e viver reclamando. E assim será!

  8. Texto, de fato muito valioso. Traz para o debate aspectos importantes da conjuntura e aponta para ações, realmente necessárias.

  9. Valeu, Policarpo! Vou me abster de cobrar reação do “povo”. Cobrarei, sempre, das lideranças, de quem tem visibilidade, tempo, grana, assessores, pra agir com firmeza e não o faz.

  10. Lula é o Símbolo do povo.
    Enquanto o povo não libertar o Lula, o povo continuará sendo espoliado.
    Com Lula preso não há salvação para o Brasil.

  11. Belo texto! É exatamente o fim que nos espera a continuar assim com esse circo dos aloprados que desgovernam o Brasil. Eu sempre afirmei que a mula sem cabeça Bolsolambo e seus comparsas, incluindo nesse lamaçal o marreco de Maringá, que alugou o PSL (Partido Só de Laranjas), era um Temer piorado. Mas não imaginei que seria tão pior e demonstrado logo tão cedo no tempo de governo, se é que podemos chamar essa esculhambação de governo!

  12. Talquei!…Mas vamos aguardar o
    rompimento das relações com a China, com a Rússia e Países Árabes. Daí,
    sim, o Steve Bannon vai convencer o Trump a comprar de nós tudo aquilo
    que os anteriormente citados nos (ainda) compram…

  13. Só discordaria dele quando diz ” os golpistas não são capazes de criar…nem mesmo um arremedo de ditadura, Vai se tornando um senso comum que o estado de direito entre já se foi, estado direito que seria a base para uma democracia, que nunca tivemos, a bem da verdade. Ditadura moderna não precisa de soldados na rua, pode ser feita com a constituição em vigor. Basta um supremo acoelhado e um congresso decorativo. As medidas até agora tomadas apontam nessa direção. Infelizmente preocupados com o lado folclórico do governo, os blogs ditos progressistas pouca atenção tem dado a temas como fechamento do ministério do trabalho e transferência da parte sindical para o ministério da justiça, proibição pelo TST de greves contra privatizações, medidas para acabar com a lei da transparência e o pacote do Moro, etc, etc Aliás, seremos a única ditadura em que a polícia tem autorização legal para matar

  14. “Não quero saber as diferenças que nos separam mas das identidades que nos unem contra esse movimento político golpista e totalitário.”

    Será que o Ciro leu, pelo menos, esta última frase?

  15. Quero agradecer a todos pelos comentários, críticas e generosos elogíos. E, especialmente, quero agradecer a generosidade de Fernando Brito que teve a gentileza de ter postado meus comentários no TIJOLAÇO.

    1. Mas você o fez por merecer. Traçou uma fotografia fidedigna do que somos, de que nos tornamos ou o quê ou quem nos desnudou. Parabéns.

  16. Nota 10 Policarpo.

    Tudo de ruim que virá para o povo brasileiro, será pouco diante de sua irresponsabilidade e molecagem ,ao eleger bandidos notórios para o governo ,que “regerá” seu destino por muitos anos.
    Foi um passo sem retorno ,como se jogar num poço desconhecido.
    Infelizmente , a primeira prestação amarga está chegando, agora só faltam 47.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.