Câmara sinaliza que não haverá “vem comigo que depois te conto”

O primeiro teste do governo na Câmara foi um fiasco.

Ao tentar evitar o regime de urgência e a derrota anunciada da votação sobre o decreto que ampliava a colocação de atos governamentais como “segredo de Estado” , foram  367 votos a favor da urgência e apenas 57 contrários.

É claro que o apoio ao Governo é muito maior.

Mas esta é a marca do “voto da obediência cega”, incondicional.

Hoje saíam duas pesquisas sobre a reforma da previdência.

Uma, popular, feita pela XP Investimentos, publicada pelo UOL, onde 70% discordam da proposta do governo de colocar  a idade mínima deveria ser menor do que 65 anos para homens e 62 anos para mulheres: 41% das pessoas acham que não deve haver idade mínima para se aposentar, apenas por tempo de contribuição e, para 29%, idades mínimas menores.

A outra, da Paraná Pesquisas, feita para o triste O Bolsonarista, apenas entre os deputados, encontrou apenas 35,6% de apoio à proposta do governo, de idade mínima de 65 e 62 anos, respectivamente, para homens e mulheres.

Como são necessários 60%, a distância é quilométrica.

Vale lembrar que a pesquisa foi feita antes do desfecho, se é que houve, da crise Bebianno.

E antes das demais “maldades” da reforma serem divulgadas.

Não há mais o clima do “segura na mão do Bolso e vai”.

Mesmo a imprensa ávida pela degola dos aposentados perdeu as condições de sustentá-lo quando  é nítido que ele se vai reduzindo a um Temer pós-Joesley.

Se Bolsonaro tivesse juízo não teria marcado a ida ao Congresso, amanhã, para levar a proposta de reforma.

O texto que leva, o original, não tem possibilidades, no quadro de hoje, de ser aprovado.

Seria melhor para ele deixar que a Câmara assumisse a paternidade do remendo que vai sair dali.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

14 respostas

  1. Ainda bem que ele não têm juízo e vai pessoalmente entregar o projeto. Aliás, não tem juízo, educação, compostura, bom senso, se mancol, escrúpulo, moral, honestidade, sinceridade, isso chega por hora, pois a lista é muito longa.

    1. Exatamente. O laranja é ele mesmo, o Bozonazi. Laranja do sistema financeiro e da ultra direita norteamericana.

  2. Eu não acho que a fraqueza de Bolsonaro vá fazer tanta diferença assim. O governo não é apenas dele, talvez até não seja nem dele. Há os milicos, Moro, a justiça, um arsenal pesado para pressionar o congresso. Brasília vai estremecer.

  3. Eu não acho que a fraqueza de Bolsonaro vá fazer tanta diferença assim. O governo não é apenas dele, talvez até não seja nem dele. Há os milicos, Moro, a justiça, um arsenal pesado para pressionar o congresso. Brasília vai estremecer.

  4. O Brasil está parado numa esquina de precipício! Laranjal está tomando conta ! Nada se define ! O Brasil não roda ! É muito oba oba ! A laranjada vai azedar !

  5. Sempre afirmei que Bolsonaro não era nosso problema. A turma da bufunfa (Mercado, Mídia mais seus cardeais políticos) a essa hora deve estar começando não digo a se arrepender, mas possívelmente a buscar uma outra saída para a aventura e o mato sem cachorro em que se meteu e meteu a todos nós.
    Esse pessoal não devia ter dado asas aos “meninos” mimados e fanatizados do Mercado ou do MP, e nem ter dado crédito à boca torta dos cardeais tucanos. Quando esses meninos impacientes começaram a botar as manguinhas de fora e a planejar a destruição do país e a por em marcha sua política de terra devastada, Bolsonaro era só mais um exótico deputado do baixo clero do Congresso e isso muito antes de se tornar a última solução à mão para os golpistas.
    A única coisa que unia e congregava todos os membros desse sinistro consórcio golpistas era o objetivo de sacar o PT da Presidência da República, destruir e desmoralizar a própria ideia de política e de partido político. Nunca passou pela cabeça de nenhum golpistas qualquer ideia de tornar o Brasil um Estado de Direito Democrático e uma nação em busca do desenvolvimento econômico, político e social para a maioria da sua população.
    O fato é que o golpe de Estado de 2016 não conseguiu nestes três anos e não vai conseguir nos próximos anos criar as condições para estabilizar o regime político (que a judicialização política, a partidarização judicial e o terrorismo midiático ajudaram a desestabilizar). Os golpistas não são capazes de criar nem um arremedo de democracia e nem mesmo um arremedo de ditadura, assim como não têm condições de estabelecer uma ditadura aberta e muito menos ainda uma democracia plena que garanta seu domínio. O mesmo se passa na esfera econômica seu projeto é totalmente inviável econômica, politica e socialmente, e não passa – se tivermos sorte – de uma distopia irrealizável, se tivermos azar e se tentar realizá-lo as consequências para o país serão ainda mais destruitivas e catastróficas do que já temos visto.
    É preciso demonstrar ao povo essa fraude e a destruição que tudo isso significou para o país e mais ainda convencer esse mesmo povo que isso não é um projeto de país viável para os mais de 200 milhoes de brasileiros. A credulidade na falsa campanha moralista (sem moral) deve diminuir e o cinismo terá cada vez mais dificuldades para justificar e defender o indefensável.
    É preciso fazer justiça e fazer justiça é chamar as coisas pelo seu nome: o mandato de Dilma foi caçado por um Golpe de Estado em um processo forjado de impeachment, Lula foi preso em um processo forjado contra o ex-presidente com vista a sacá-lo da disputa política e um partido político foi perseguido e criminalizado e isso não se circunscreveu apenas ao seus principais dirigentes e lideres, mas a todos os seus simpatizantes e eleitores. E tudo isso foi um crime contra a democracia brasileira. Enquanto não fizermos justiça reinará o arbítrio e provavelmente o terror e talvez até mesmo a guerra, o que em nossas terras sempre significou o massacre do povo brasileiro. Não quero saber as diferenças que nos separa mas das identidades que nos une contra esse movimento político golpista e totalitário.

  6. Verdade que foram 367? Pois foram 367 canalhas que derrubaram uma Presidente honesta! Juro que jogo nesta centena amanhã. Na cabeça!

  7. Adoro seus textos. Espero um dia conhecê-lo pessoalmente. Tenho apenas 22 anos e o único país que eu conhecia era o do governo Lula, próspero e igualitário. Esse país que vejo hoje – apenas para poucos, onde os pobres e trabalhadores não tem vez- só conhecia pelos livros de história e por ouvir meus pais contarem. Mas lembrando da história de Jesus, exemplo de amor ao próximo, vejo que infelizmente a humanidade sempre foi assim. As mesmas pessoas curadas por Jesus foram as que, manipuladas pelas autoridades, pediram sua morte. Hoje vejo pessoas que usufruíram ou usufruem de coisas conquistadas durante o governo Lula – Dilma, defendendo Bolsonaro e pregando o ódio ao PT. Sei que você trabalhou junto com o Brizola, exemplo de governante e que pelo que sei foi um dos melhores governadores do meu estado, o Rio Grande do Sul. Estado que hoje em dia sofre, parado no tempo, sem investimentos. Um estado da onde saiu grandes homens e mulheres que fizeram a história do nosso país, hoje em dia parece tomado de apoiadores do Bolsonaro. Olívio Dutra, outro exemplo de homem público, que foi governador, perdeu pra Lasier a eleição pra Senador em 2014. A cidade onde passei a infância até hoje não tem acesso asfáltico, sinal de telefone e internet é quase impossível de conseguir e a luz para os mais pobres só chegou com o Luz Para Todos, em pleno anos 2000.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.