O Rio que não se defende dos aproveitadores, por Luís Costa Pinto

mreiraroc

Um dos fenômenos mais tristes em minha cidade, que sucedeu ao seu esvaziamento econômico, foi o esvaziamento intelectual que passou a sofrer quando o vórtice paulista passou a sugar quase toda a superestrutura do pensamento nacional, exercendo o papel de imã que as terras cariocas já tiveram. E, como disse Caetano, com a força da grana que ergue e destrói coisas belas.

De alguma forma, entretanto, o Rio continua a ser, como era hábito dizer, o “tambor do Brasil” e, com licença do Caetano, a sua mais perfeita tradução, por juntar, fisicamente tão próximas, natureza e gente, alegria e tristeza, pobreza e riqueza, delicadeza e brutalidade, fraternidade e discriminação.

Não é o caso de discutir, agora, como começamos a nos separar também no pensar e no sentir – porque no viver sempre o fomos – mas é uma alegria e uma tristeza ver um pernambucano, radicado em Brasilia, o jornalista Luís Costa Pinto, protestar contra o oportunismo que, sobre a nossa desgraça, saca logo uma fórmula para “ganhar algum”, quando nosso drama é que não haja, a muito tempo, governo capaz de gastar algum para elevar, em todos os campos, a qualidade de vida em nossas comunidades pobres (e a Rocinha sequer é uma delas).

Parte de seu texto no Poder360, que, com um pedido de licença que não espera resposta, reproduzo, porque é de interesse público:

À mercê de um aventureiro

(…)No domingo (24.set.2017) uma facção liderada pelo publicitário Roberto Medina e pelo secretário-geral da Presidência da República, Moreira Franco, tentou tomar de assalto a cena dantesca de um Rio de Janeiro conflagrado em meio a tropas ocupando ruas com blindados e armamento de guerra e disputas por morros entre traficantes. Viciados em propaganda com dinheiro público e sem nada mais a oferecer senão verbas do erário da propaganda oficial, Medina&Moreira anunciaram um “Calendário de Atividades Turísticas” para “reeguer” o Rio custo de R$ 200 milhões.

Sócio da Artplan, agência de publicidade que contém uma empresa de eventos e inventou o Rock in Rio, além de deter diversas contas publicitárias federais administradas por Moreira Franco, o velho Medina fez o que sabe fazer como poucos: vendeu ilusões, cobrando caro e com cliente certo a bater à porta como associado –a mídia tradicional, fissurada em verbas de divulgação sobre o nada.

Alguns amigos pessoais foram a essa edição provecta do Rock in Rio, festival que perdeu o elã de plataforma de lançamento do país para o futuro, ao trazer para cá as vozes e os acordes da contemporaneidade. A rave de Roberto Medina e de sua família virou, na verdade, uma espécie de “Almoço com as Estrelas” em que ele –um Chacrinha engomadinho– faz as vezes de Airton Rodrigues (marido de Lolita Rodrigues, apresentador original da atração) e faz questão de confundir e não de explicar como o Abelardo Barbosa d’antanho. A soldo e a tiracolo, Moreira Franco, o ex-adepto do maoísmo que se crê intelectual orgânico do Palácio do Planalto – um deserto onde não floresce nem joio, nem trigo. Quiçá intelectuais…

Ao passo que o Rio de Janeiro da vida real se fechava em casa com medo da guerra de facções que desceu o morro e se embrenhou nas matas por onde bandidos podem acessar diversos bairros da cidade, o Rio de Janeiro edulcorado de Medinas, Moreiras e de João Doria (que esteve lá, como pretendente a candidato presidencial) botava a língua de fora e posava com o as mãos em gestos ridículos de polegar, indicador e mindinho estendidos –como se o mundo fosse “roquenrou”. Não é.

A coisa mais estúpida que li no post de alguém, numa rede social, foi a decretação de que eram cidades apartadas –a do Rock in Rio e da guerra nas favelas.

Só alguém desprovido da capacidade de se indignar pode aceitar que este ano se estima o registro de 60.000 homicídios no Brasil. E em outros 115 países –entre eles EUA, Rússia, China, Canadá, todas as Nações do continente europeu, somados, terão média de homicídios igual à brasileira. Estou a falar de uma cifra abaladora e desabonadora. Estamos a ter de lidar com uma verdadeira desagregação social.

Não só o Rio é uma cidade partida. São Paulo o é. Recife, Salvador, Fortaleza, Belo Horizonte, Goiânia, Vitória, Manaus, Belém, Porto Alegre estão partidas. E mesmo Caruaru (PE), onde um apresentador da Rede Globo local levou um tiro na cabeça proveniente de bala perdida, ou Crateús (CE), onde assaltos a banco viraram rotina. Brasília, outrora ilha de tranquilidade, é já uma metrópole a padecer dos mesmos males da maré de violência e insegurança. O país naufragou na ausência absoluta de um projeto de união nacional e os que nos oferecem os áulicos palacianos –aqui, Moreira e seu escudeiro Medina a pilotar a facção propagandística desse último domingo em terras cariocas– é um Calendário Turístico”?

Ao cimentar as pedras do mosaico e dar contorno de mapa mental às informações dispersas no jorro de notícias dos últimos dias é patente a constatação da chegada do Brasil a um ponto de inflexão: cairemos numa aventura, e isso será doloroso.

Lutar contra a usurpação do poder por um grupo que tomou de assalto o Palácio presidencial, como ora ocorre, é uma coisa. Brigar até os estertores das regras democráticas para que a sucessão de uma trupe ilegítima se dê na direção de quem não tem compromissos com a democracia –como Bolsonaro, Mourão e, em alguma medida, Doria– é do jogo e está dentro do razoável. Imaginar, contudo, que um desses possa via a ser legitimado pelo voto é impensável. Mas não é impossível. Além disso, caso desabe essa tempestade sobre a vida nacional, ela não se daria sem a vitória nas urnas estaduais de um ou outro candidato a governador que reze na cartilha bestial desses proto-políticos.

A ascensão legítima ao poder de qualquer um desses nomes do trio-que-baba-e-rosna tornar-se-ia o reagente a provocar a desagregação definitiva de nossa sociedade.

Enxergo, contudo, uma nesga de saída constitucional: a mudança abrupta, imediata, do poder formal –fazendo-o sair do grupo que hoje está no Planalto e devolvendo-o ao caminho sucessório constitucional. Isso faria a ordem regressar, sem necessariamente desfazer a violenta ruptura institucional experimentada pelo impeachment de 2016. Só uma injeção de legitimidade e restauração, fazendo a fila andar e a faixa simbólica da Presidência passar às mãos do Parlamento onde há eleitos, embora não o tenham sido para tal, será capaz de interromper a escalada do país na direção do abismo. Ele é visível no horizonte, está à extrema direita do cenário. Só não o vê quem não quer.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

6 respostas

  1. Bom dia,

    verdade o RJ passa por isso, mas temos que lembrar que foi os aventureiros de hoje com os do passado que levaram o Rio e demais estado a essa condição! Enquanto há esse jogo de classe e esvaziamento mental, com diarreias mentais, entrega do Brasil a estrangeiros os dias que virão a todos, seja pobre ou rico, favelado ou nobreza não será de festas. Será tomado pelo frenesi que o Rio vive hoje e quem sabe teremos um dia depois do amanhã…

  2. Essa doença de o carioca se achar superior que fez esse estado entrar nesse buraco sem fim. Mais humildade, mais trabalho e menos arrogância. Todos os problemas são justificados com ” …mas o Rio é lindo”.

  3. Esqueceram de falar da maior e principal facção…a mãe de todas as outras e a que está por trás delas…A FACÇÃO MARINHO ! Ou algum tolinho -e tem bastante- acredita que boa parte dos 200 Milhões não vai fazer o barulhinho PLIM…PLIM…no caixa da FACÇÃO MARINHO ?!

  4. Me perdoem os irmãos cariocas, o estado do Rio de Janeiro e suas calamidades social e econômica hoje, é resultado direto de suas escolhas ao irem as urnas nos últimos 20 anos. Fora do Rio há muito tempo se ouve que eles cariocam sempre priorizam: Praia, Carnaval e Futebol. Cariocas precisam mostrar aos demais irmãos do Brasil, que essa leitura está errada. Mãos a Obra…!

  5. Caro Admar, por seu comentário fica a impressão que carioca não trabalha, e vive na praia… Lamentável essa visão.. Preconceito, não.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *