O tsunami da Educação afoga o governo

Escolhi esta foto da Avenida Paulista, lotada nas duas pistas diante do Masp e além dele, para suprir a impossível tarefa de publicar imagens das centenas de manifestações contra os cortes nas verbas da educação.

Logo ela será lembrada como um retrato do dia em que o Governo Bolsonaro começou a ser passado, embora ainda seja um pesadelo dos dias que vem por aí.

Porque é o dia em que o país voltou a acreditar em valores humanistas, depois do transe armamentista e policial que fizeram nosso povo viver.

É isso, é isso: é livro, é juventude – ela mesmo, com todas as suas irreverências e “balbúrdias” que um dia fizemos – pensando em viver melhor e em mais paz, não em revólveres e tacos de basebol, para matar e bater.

O dia em que percebemos que nossos sonhos, sonhos de gerações, começam a ser resgatados do sequestro que haviam feito, porque faz anos que o Brasil anda para trás.

Mas já não, já não…A gente percebe que a rua voltou a falar e, no seu ritmo, vai rugir.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

15 respostas

  1. Não se pode perder de vista que a tarefa dificílima mas possível, é o deslocamento do poder destas elites podres do Brasil para o povo. As elites têm que ficar encapsuladas na sua vileza para não causar mais mal. E sem essa de governar para todos. Sem omeletes na Ana Maria, sem cartas aos brasileiros e sem tapinhas nas costas de lideranças golpistas. Isso é coisa de gente covarde que não tem noção de como se revolve em ódio a sociedade e das maldades que elas, as elites, podem fazer. Sem concessões! As elites têm que acabar.

  2. Eu sempre afirmei: boto fé nessa nova geração! Esses jovens farão com que o país volte a ter esperanças por dias melhores! Bozzó já era!

  3. Enfim um feixe de luz em meio a toda essa escuridão!!!! Os estudantes reacenderam as minhas esperanças.

  4. Essa manifestação me faz sentir na década de 1970. É por isso que estou presente hoje, ainda me sinto jovem para lutar pelo futuro.

  5. A trampa escolhida pelos “novos” velhos ditadores é ese ser invisível,abstracto e manipulável profundamente manipulável ,o tal de “redes sociais”.É assim que os ditadores bananeiros como Trump e o asno “governam” pelo twiter.
    Essa figura oculta que dependendo dos robots vira uma multidão é a ferramenta de pressão e “decisão” destes vermes políticos .Poucos caracteres ,muita agressão e pouco governo de verdade.
    O imbecil do norte ,o estúpido homem laranja se criou encima disto ,o bastardo do sul, é uma cópia muita mal feita .
    Para os que tinham decretado o fim das ruas no contexto da “modernidade” estabelecida pelos dominadores ,erraram
    ( conscientemente,é óbvio).
    NADA SUPERA AS RUAS .
    Alguns o fazem conscientemente ,é este caso.
    Apesar da quase nula participação da mídia na sua promoção é a realidade que bate na cara das pessoas.Não há manipulação para moviliza-las ,é real! Brasil está afundando !.
    Tomara que seja o início do fim da letargia E PONHAMOS OS DELINQUENTES DO GOVERNO PORTA AFORA.

  6. A classe média – imbecilizada – está só esperando o novo anunciado. Poderá ser o amoedo, o huck ou até mesmo a escória humana que é o dória.

    A única esperança é a lembrança do tempo em que o povo mais humilde pode, mesmo timidamente, sorrir. E esta lembrança tem nome; Lula.

    E a nossa classe dominante, mesmo medíocre e cretina, consegue perceber a ameaça.

    Resumo da ópera: Lula não sairá pela ‘graça’ do direito. Né não?

  7. Eu sempre afirmei: boto fé nessa nova geração! Esses jovens farão com que o país volte a ter esperanças por dias melhores! Bozzó já era!

  8. A av. Paulista ferveu. Foi emocionante, maior do que as manifestações contra o golpe de 2016, mais animada e mais energética. A rapaziada está a mil e Bozo vai ser passado daqui a pouquinho.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.