OMS, afinal, declara coronavírus uma pandemia

Ontem, Jair Bolsonaro disse que o coronavírus era “mais uma fantasia”.

Hoje, a organização Mundial de Saúde declarou-o uma pandemia, afinal.

Hoje será um dia de novos recordes, ainda que os números, evidentemente, não estejam fechados.

Como já ressaltei aqui, a média diária de novos infectados passou de 1.323 para os impressionante 4,4 mil de ontem e é possível que , hoje, chegue a 5 mil.

Não há sinais de que tenhamos chegado nem perto do pico da doença ou de que sua expansão vá ser controlada.

As pessoas de boa-fé não devem subestimar o problema, como tenho insistido, dizendo que outras doenças matam mais. Pode ser, mas não se transmitem tanto e da forma que essa, que afasta as pessoas do convívio com as outras e interrompe a vida social e econômica.

Solidariedade e ação puderam deter o problema na China e podem detê-lo no mundo.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

21 respostas

  1. 1 – A Assembleia Geral das Nações Unidas deve se reunir imediatamente e proibir para sempre, em nome da preservação da espécie, qualquer experiência científica que vise desenvolver armas biológicas.

    2 – Deve também decidir que por toda parte se busque vacinas para o mal, e que toda vacina que for desenvolvida será declarada como sendo um bem pertencente a toda a Humanidade, não sendo possível sua comercialização visando o lucro de empresas ou países.

    1. O problema é que a natureza não dorme, sempre evoluindo…
      E dentro da NATUREZA estão lá todos os vírus de cores, credos e infecções diferentes…
      TODOS evoluindo para pegar mais hospedeiros deliciosos, pros vírus…

  2. Se um em cada dez brasileiros forem infectados, serão 20 milhões. Três por cento (taxa de mortalidade) de 20 milhões, dão 600 mil pessoas.

    Esse é o perigo – a taxa de transmissão versus mortalidade.

      1. Assim espero. Mas o verão está acabando. Não podemos subestimar também o troca-troca de frio e calor quando entramos e saímos de ambientes com ar condicionado.

    1. Essa é sempre uma estatística curiosa. Mesmo que a taxa de mortalidade fosse de 0,1%, para a vítima é de 100%

    2. Mas a Angela Merkel disse que 70% dos alemães serão contaminados. Certamente ela queria dizer que 70% serão suspeitos.

    3. 600 mil pessoas, sendo otimista.
      Agora, imagine que desses 600000, a grande maioria é de aposentados.

      Esta notícia mostra que em 2017, mais de 8% dos lares se sustentavam exclusivamente com dinheiro da aposentadoria.
      https://www.institutoisads.org/cresce-numero-de-familias-que-dependem-financeiramente-de-aposentado/
      Não achei números atualizados, mas com certeza hoje o número é ainda maior.

      Ou seja, além da catástrofe humana, da perda de parentes queridos, vem aí mais gasolina na fogueira da catástrofe econômica, jogando mais centenas de milhares de pessoas na miséria ou na criminalidade, reduzindo ainda mais o mercado consumidor e tudo o mais em efeito dominó. E ao contrário de uma possível diminuição temporária da atividade econômica causada por isolamentos e quarentenas, suspensão de aulas e etc, essa sequela vai demorar muitos anos para se recuperar.

  3. A OMS, a 15 dias, pelo menos, vinha dando sinais que decretaria pandemia. Foi só o bozo chamar de fantasia e foi decretado pandemia de cororavirus.

    1. E ele beijou a boca do Trump.

      A tripulação do avião presidencial deve estar “bolada” com o Coronavírus.

      1. O FW da secom acompanhou o bozo e é um dos casos suspeitos. E os milicos mofados, viajaram também? O coronavírus é 10 vezes mais letal para o pessoal da 3ª idade.

        1. Neste caso amém! Como disse no passado um dos “patronos” dessa turma: às favas com escrúpulos de consciência. Acrescento eu: “e também com cacoetes de pseudo-compaixão.

  4. Gosto do blog. Mas você tem usado dados desatualizados sobre a pandemia. Se pegar como exemplo os próprios dados da OMS, os EUA teriam hoje, dia 11, só 696 casos, mas fontes mostram que já são mais de 1.000.
    https://experience.arcgis.com/experience/685d0ace521648f8a5beeeee1b9125cd
    A OMS está computando 118.000 casos quando já são mais de 121.000 no mundo, mesmo neste site da Johns Hopkins que já se tornou uma “referência”, e também demora um pouco a atualizar:
    https://gisanddata.maps.arcgis.com/apps/opsdashboard/index.html#/bda7594740fd40299423467b48e9ecf6
    De qualquer forma, não foram só 4.400 casos ontem no mundo, já atingiram 5.000 ontem, portanto seus números estão errados.

    Estranhei não ver meus outros dois comentários publicados, porque não desrespeitaram as regras do site.

    1. Meu caro, os números estão mudando a todo o momento. Penso que deve ser impossível para uma equipe de uma pessoa só dar conta de tão seguidas atualizações sobre o número crescente de novos casos.

  5. Um apelo que faço a todos, caso se deparem com algum conhecido botando a culpa exclusivamente no coronavírus: digam a ele que o primeiro relato se deu em 31 de dezembro na China, quando o pibinho do Guedes já estava consolidado.

    Chega de falsificações, de fake news. Até o Paraguai está com mais moral que o Brasil quando o assunto é falsificação. Não é, Sejumoro?

    1. Cara ainda estou esperando o helicoptero da Força Aerea descer no presidio paraguaio e resgatar Ronaldinho

  6. Seria talvez interessante você citar a fonte desses números:

    ” a média diária de novos infectados passou de 1.323 para os
    impressionante 4,4 mil de ontem e é possível que , hoje, chegue a 5 mil.”

    Baseado em quais números, já que em outras fontes os números são diferentes.

  7. Não é a primeira vez que esse abilolado dá bola fora……..é com esses pirados que o país terá que enfrentar essa epidemia, com esses canalhas que só sabem cortar verbas, em um momento em que o povo mais do que nunca irá precisar da saúde pública, ricos e pobres……..parte do povo irá pagar caro por uma escolha tão bizarra e medonha que foi colocar essas pessoas nefastas no poder……

  8. Só algumas observações sobre a (agora oficial) PANDEMIA DE CORONAVÍRUS.

    Do tripé da pandemia perfeita (alta latência, transmissibilidade e letalidade) o COVID-19 tem dois deles em elevado grau, alta latência e transmissibilidade.

    E infelizmente, nesta variante, as duas características estão inter-associadas pois no período mais longo de latência deste vírus , ao contrário de outras variantes, também se inclui a possibilidade de transmissibilidade em estado assintomático dos infectados fora dos grupos de risco identificados (o que agrava a transmissibilidade).

    Apesar das minimizações da OMS, profissionais normais médicos e dos governos me cabe fazer um alerta sombrio…

    Três fatos TEM de ser considerados:

    1) O trabalho excepcional da pesquisadora brasileira do Instituto Adolfo Lutz que sequenciou o primeiro caso do vírus em solo brasileiro (oriundi di Itália) em apenas 48 horas, expõe não só o FATO que os avanços recentíssimos na técnica de sequenciamento de DNA permitirão PELA PRIMEIRA VEZ NA HISTÓRIA DA MEDICINA DAS EPIDEMIAS se acompanhar mutações durante a expansão da doença. O trabalho dela INCLUSIVE já provou que a variante que chegou ao Brasil via Itália já apresenta mutações em relação ao vírus original da China em Wuhan;

    2) O que os especialistas cientistas TEMEM em dizer e os jornalistas NÃO SABEM PERGUNTAR é que na história da medicina, em outros surtos de epidemias, o próprio processo de expansão acelerada da contaminação em escala global se inclui inerentemente os princípios da evolução das espécies de DARWIN. Ou seja o vírus que por si só tem natureza mutagênica interage com o seu novo “meio-ambiente ampliadíssimo” incrementando as chances de novas mutações como já comprovou o trabalho da cientista brasileira. Embora mutações devam, na maioria das ocorrências estatísticas, serem neutras, inócuas ou mesmo atenuem os efeitos deletérios do vírus. Mas um azar de uma mutação que piore sua ação, neste caso sua baixa letalidade, nunca pode ser descartada. É uma existente Espada de Dámocles que estará pendurada sobre a arena pandêmica;

    3) Pior ainda, no meio da pesquisa científica, pesquisa mais recentes (e polêmicas) é que além do universo ampliado de seres humanos infectados, a exposição do patógeno a outros animais e mesmo a “convivência ambiental” com outros cepas de vírus já circulantes PODE ocasionar troca de DNA entre vírus disputantes do mesmo “ambiente”;

    O que leva a conclusão que no passado houve evidências médicas históricas de DURANTE UMA PANDEMIA estas características de latência, transmissibilidade e LETALIDADE variarem, podendo tanto atenuar os fatores fortes atuais ou com muito azar intensificar o fator atualmente fraco. A diferença é que com as novas técnicas aceleradas de sequenciamento de DNA isto PODE ser feito em quase tempo real como nunca antes foi possível. E isso TEM de ser feito(ou deve estar sendo feito) mesmo que sem alarde às populações.

    Já há uma discussão se a mais baixa letalidade dos casos na Coréia do Sul é efeito de uma sistema de saúde mais eficiente ou a variante local tenha mutado para menor letalidade. Fato a ser pesquisado…

    E mesmo se esse cenário mais sombrio não ocorrer neste ano, na próxima temporada da INFLUENZA em 2021 ela virá com um risco de ALERTA altíssimo em compasso de espera como estas cepas do COVID-19 evoluirão….

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.