Os “cabeça-feita” da bufunfa. Por Paulo Nogueira Batista Jr.

antolhos

Paulo Nogueira Batista Jr., ex-representante  do Brasil no Fundo Monetário Internacional e no Banco dos Brics publica, na CartaCapital, um excelente artigo sobre os economistas que, embora formalmente brasileiros, têm a “cabeça-feita” na nação do dinheiro e, por isso, claro, no “mundo desenvolvido” para onde se drena a riqueza dos países do terceiro mundo.

O regime colonial do espírito

 Paulo Nogueira Batista Jr. 

Quero voltar a falar da famigerada turma da bufunfa. O leitor já conhece os seus feitos e façanhas. O núcleo duro é composto de banqueiros e financistas. A serviço deles estão economistas, jornalistas e outros profissionais, alguns muito prestigiados e bem remunerados, outros nem tanto e ansiosos para subir na vida.

Tenho por esses economistas bufunfeiros um divertido horror.

Há exceções, claro, mas de maneira geral eles se notabilizam por uma mistura de ignorância, oportunismo e falta de imaginação. Recentemente, escrevi um artigo em CartaCapital sobre eles, tomando como exemplo um economista que ocupa posição elevada no governo federal.

Nelson Barbosa, ministro da Fazenda no governo Dilma, resolveu tuitar o artigo.

Desencadeou-se uma pequena tempestade. Foram, sem exagero, centenas de reações, a maioria (confesso) negativas. Impressionante o número de gente ansiosa para defender o alto funcionário governamental e disposta a lançar insultos contra este pobre e indefeso articulista.

Fiquei quieto. Esperei alguns dias e respondi apenas que os insultos me fizeram lembrar a observação de Dom Quixote: “Ladram, Sancho, sinal de que cavalgamos”.

Assim, acredito que preciso voltar ao assunto.

Estou aparentemente no caminho certo. Não cabe dar muito descanso à turma.

Há uma dimensão do economista bufunfeiro que não pode ser subestimada: ele é quase sempre “cosmopolita”, no pior sentido da palavra, no sentido em que ela foi usada por Euclides da Cunha, por exemplo, para quem o cosmopolitismo era “o regime colonial do espírito”.

A ligação do bufunfeiro com o Brasil é tênue, duvidosa.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

6 respostas

  1. “Quero voltar a falar da famigerada turma da bufunfa. O leitor já conhece os seus feitos e façanhas. O núcleo duro é composto de banqueiros e financistas. A serviço deles estão economistas, jornalistas e outros profissionais, alguns muito prestigiados e bem remunerados, outros nem tanto e ansiosos para subir na vida.” Copiei e colei a frase inicial do artigo primoroso – e sucinto – do Paulo Nogueira, apenas para preencher as lacunas – e como as há – de serviçais. Exemplos? O pior e o mais nefasto cancro patrimonialista, à soberania e à História deste nosso país, é composto pelos imberbes, corruptos e falsificadores de biografias – inclusive as próprias – que se abrigam no poder judiciário. Que Montesquieu inventou, no século XVIII, como um intermediador entre os poderes executivo e legislativo, mas que se transformou no Brasil na ditadura de toga que quer aprisionar, como o Máscara de Ferro da França mediaval e absolutista, o político mais popular do país.

  2. PNBJ foi um dos primeiros a desafiar ou melhor a ironizar, já que realmente a sério não dá para levar, essa tal “sabedoria convencional econômica” (que tem nada de sabedoria, tudo de convencional e de em economia só a apologética, a vulgar, a proxeneta), e isso quando ela ainda dava seus primeiros e arrogantes passos, uma criança mimada e protegida da crítica por sua zelosa guardiã, a grande imprensa.
    PNBJ é um dos poucos economistas (talvez o único) que apesar desse pecado e vício de formação, escreve com a leveza e o humor de um cronista. Lembro-me de sua fixação nos anos 90 com Nelson Rodrigues e com um certo diretor do Banco Central, durante o principado do sociólogo, a quem chamava de, e claro se divertia com isso, Napoleão de hospício.
    Agora PNBJ volta suas baterias para os filhos e netos daquela primeira geração de “iluminados”. Antes o grupo formado por alguns poucos economistas, economistas de bancos e outros tantos jornalistas especializados, era um grupo mais “seleto”, e este fato de serem então “poucos” era uma enorme vantagem como viemos a descobrir agora. Hoje são muitos e muito piores e a mistura de ignorância, oportunismo e falta de imaginação chegam aos limites do inimaginável e para piorar seus meios de comunicação são muito mais potentes e atinge muito mais gente.
    Por isso sinto um enorme horror por esses “outros nem tanto” prestigiados ou bem remunerados, os “ansiosos para subir na vida” a que PNBJ alude, um horror que já não me faz mais graça e não tem nada de divertido. Essa turma ampliada da bufunfa é o que de mais parecido temos com o fascismo em nossa realidade atual.

  3. O financismo internacional, muitíssimo mais que presidentes americanos enlouquecidos ou porquinhos-pururuca coreanos, é a maior ameaça ao Planeta Terra nesse momento. Só para colocar as coisas em perspectiva: anos atrás a Interpol prendeu um comerciante chinês que conseguira um estoque enorme de chifres de rinoceronte para vender como Viagra natural. O produto (absolutamente inútil, já que não passa de queratina) é usado na medicina milenar chinesa, e alcança valores absurdos por grama. Pois bem, o tal comerciante planejava EXTINGUIR os rinocerontes, porque assim o o valor de seu estoque iria às alturas. Se uma única ambição de um solitário comerciante chinês tem o potencial de causar um desastre irreversível dessa natureza, imagine você aqueles senhores do Clube Bildenberg, ou a turma de Davos…

  4. É igual ao homem do bau, joga dinheiro pra patuleia, arrecada horrores com gincanas duvidosas e faz sucesso gastando os ganhos em supermercados estadunidenses.

  5. LIBERDADE DE EXPRESSÃO NÃO INCLUI DIFAMAÇÃO

    Quem fala o que bem entende deve responder pelo que diz!

    “Irmã e a viúva da vereadora Marielle Franco (PSol-RJ), Anielle Franco e Mônica Benício, ajuizaram uma ação no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ) pedindo a retirada de 38 vídeos da plataforma Youtube…

    …o Brasil precisa construir uma jurisprudência para coibir as chamadas fake news. “No caso concreto, como a liberdade de expressão não é garantia constitucional absoluta, deve prevalecer o princípio da dignidade da pessoa humana, devido às manifestações apresentadas possuírem conteúdo imoral, ilícito, ilegal e discurso de ódio”, escreveram na ação.”

    https://www.metropoles.com/brasil/irma-e-viuva-de-marielle-vao-a-justica-para-retirar-videos-caluniosos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.