Os teóricos do gerontocídio

A Folha, usando os dados do Ministério da Saúde, publica que, dada a prevalência entre os mortos, na maioria idosos por coronavírus ser de cardiopatas, hipertensos e diabéticos, sugere que os “especialistas” usarão estes dados para moldar as ordens restritivas de isolamento social.

Teme-se – e não sem razão – que isso seja a “deixa” para o tão sonhado “isolamento vertical” desejado pelos bolsonaristas: isolar os velhos, à espera da loteria da morte.

Eles são improdutivos, previdenciários, causadores do déficit do INSS e, afinal, nem pouco úteis à máquina do “dinheiro acima de tudo”.

Aliás, o que já se adotou na reforma previdenciária.

Será que vamos adotar o método mental de Jair Bolsonaro, que diz que o problema da Itália é como o de Copacabana, “está cheia de velhinhos”?

Não assisti nada mais parecido ao nazismo.

Nada mais próximo de tornar os hospitais e as UTI uma espécie de forno crematório viral.

Os bolsonaristas, empresários da aventura, dizem que “vamos isolar os nossos idosos”.

Como se fosse possível separar ou eliminar o contato com os velhos ou se gente não idosa não fosse morrer pela falta de estruturas onde sejam cuidado.

Razões pseudocientíficas sempre sustentaram os genocídios. É a fatalidade ou a necessidade, como numa Esparta do dinheiro.

Não são, apesar disso, razão que se levante em qualquer lugar do mundo, porque é, sem disfarces, nazista.

Não há possibilidade de que a comunidade médica e científica vá assumi-la .

Muito menos nossos filhos e netos o farão.

As sociedades poderosas, desde Roma, ou antes, somam a energia dos jovens à experiência dos velhos.

Não somos monstros como os que nos governam.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

29 respostas

  1. O primeiros a serem isolados são o Capitão Chifrudo que tem quase 70 anos, e todos os generais do governo que estão nessa faixa ou até mais alta.

    1. Quinta feira o Nassif comentou sobre isso,a partir de um artigo postado no site defesa.net.Hoje chega a informação da Argentina ,por meio do excelente jornalista Verbitski .
      Nada que surpreenda.Eles (os fardados) não podem deixar seu filho mal parido ( O GOLPE) morrer nas mãos do miliciano

  2. Falam abertamente e descaradamente, como a induzir o restante da população a não se sentir importunada pelas mortes dos velhinhos. Somos um país sem rumo que caminha para o ocaso. A escuridão nos aguarda. Não existe futuro para uma nação que não valoriza as gerações mais antigas.

  3. Esse virus maldito tería que ser seletivo,pegar só os canalhas.Com certeza o número de mortos no Brasil sería imenso.

  4. Tá difícil. Parte da sociedade também não está querendo colaborar plenamente. É até difícil entender porque ainda não explodiu o número de vítimas. Porque o de infectados pode já ser gigantesco. Conheço uma família onde três pessoas tiveram os sintomas, menos os respiratórios, em casa e se curaram naturalmente. Acho impossível, considerando as certezas científicas que se tem até agora, prever o que acontecerá.

  5. Tá difícil. Parte da sociedade também não está querendo colaborar plenamente. É até difícil entender porque ainda não explodiu o número de vítimas. Porque o de infectados pode já ser gigantesco. Conheço uma família onde três pessoas tiveram os sintomas, menos os respiratórios, em casa e se curaram naturalmente. Acho impossível, considerando as certezas científicas que se tem até agora, prever o que acontecerá.

  6. Éh! Já estão ensaiando a criação de um campo de concentração para 25.000.000 de velhinhos. O governo é nazi-facista, o mercado é nazi-facista, 90% da elite também é nazi-facista. Não falta mais nada. Só uma canetada. E ainda vão colocar no campo de concentração os beneficiários do BPC, moradores de rua…

  7. Terraplanistas fora, o que falta um pouco agora é desenhar o que aconteceria mesmo que o vírus não matasse ninguém, ninguém mesmo. O problema persistiria, portanto a discussão de mortes, por mais desgaste que traga, ainda não vai ao ponto. Vinte porcento de infectados precisando de hospital não é pouca coisa, com ou sem morte é um colapso a contornar. Os números têm sido gentis conosco. Mérito dos governadores e da população. Poderia melhorar, mas diante da ameaça calamitosa representada pelo pseudoargumento econômico, continuar assim já seria uma vitória.

  8. Ok. Começa pela família do Presidente, O próprio que é idoso e dos ‘favoráveis’ a essa parte da ciência que na cabeça deles é o conhecimento profundo de algo. Adotem essa parte para eles e não para os outros.
    Pronto, presidente dê o exemplo e se afaste do cargo tb, não saia nas ruas como fez. Vá vc e seus apoiadores pra ilha, presidente.
    TNC!!!

  9. A Folha não tem remédio. Gira, gira, finge de progressista, dá uma de moderninha, finge gostar mais da esquerda, etc e tal mas no fim e ao cabo, assume sua feição de jornalzinho muralista. Vive de bronca com a turma do Bozo mas de repente vem com esse refresco pra tese do capitação genocida. É o DNA da Folha, o morde e assopra eterno.

  10. Essa “tese” da comorbidade da Folha é muito semelhante àquela, levantada pelo astrólogo que a própria Folha lançou como “filósofo” nos anos 1990, de que o coronavírus não mata ninguém. O que mata são outras doenças, as tais comorbidades.

    Ninguém morre de coronavírus, assim como não morre de bala de revólver. Quem leva tiro não morre da bala. Morre de hemorragia, da destruição de um órgão vital, de sepse dos seus ferimentos… mas a bala mesmo, não é a causa mortis, não mata. Taí o Cid Gomes para provar: uma das balas que levou não foi retirada e ele está bem vivo com uma bala no corpo, ela não mata… Quem mata é Deus, a bala só faz um furinho. Esses velhos são tudo cabra morredor.

    Esse é o racio-assassínio que a Folha e a ultra-direita querem impor.

  11. Temos que exigir que o Congresso esteja diuturnamente de prontidão na praça dos 3 Poderes. Nada de plenário virtual, que não existe na Constituição. Se morrerem de coronavírus, serão pranteados como heróis nacionais.

  12. “Não há possibilidade de que a comunidade médica e científica vá assumi-la”. Será que podemos ter toda esta certeza? Tenho dúvidas.

  13. Na verdade, já houve algo parecido no Brasil. Nas secas de 15 e 32, os retirantes eram colocados nos “currais do governo”, nos centros maiores. A péssima e pouca alimentação, comumente estragada, a falta de higiene e a desinteria faziam o trabalho sujo, causando altíssima mortalidade. Quem gosta de terror, leia sobre a seca de 1877. Os mais velhos hão de lembrar as mortes e os saques comuns nas grandes secas. Em 2012/3, atravessamos aquela que é tida como a maior seca em 100 anos, sem mortes ou saques, graças sobretudo ao salário mínimo valorizado, ao bolsa família e a politicas pontuais da Dilma. Saudades do tempo em que o PT destruía o Brasil

  14. Me faz lembrar um filme de 73, No Mundo de 2020, com Charlton Heston e Edward G. Robinson, que mostra um mundo futuro, o nosso hoje, ironicamente, onde os velhos são induzidos a morrer, aceitando o serviço oferecido pelo aparato estatal-empresarial. Tem um toque de profecia. Aproveitem o periodo de recolhimento e assistam. Vale a pena. A canalhice oficial lá só não supera o mundo bozozoico.

  15. Tá difícil. Parte da sociedade também não está querendo colaborar plenamente. É até difícil entender porque ainda não explodiu o número de vítimas. Porque o de infectados pode já ser gigantesco. Conheço uma família onde três pessoas tiveram os sintomas, menos os respiratórios, em casa e se curaram naturalmente. Acho impossível, considerando as certezas científicas que se tem até agora, prever o que acontecerá.

  16. Ok. Começa pela família do Presidente, O próprio que é idoso e dos ‘favoráveis’ a essa parte da ciência que na cabeça deles é o conhecimento profundo de algo. Adotem essa parte para eles e não para os outros.
    Pronto, presidente dê o exemplo e se afaste do cargo tb, não saia nas ruas como fez. Vá vc e seus apoiadores pra ilha, presidente.
    TNC!!!

  17. É triste constatar que há uma quantidade imensa de eleitores do palhaço idosos, lançados ao feroz vírus, como num circo romano, ou num imenso Auschwitz. Produtivos apenas no voto, pois seguem as milícias, mas devem ser sacrificados no altar do mercado. Agora li que o partido de extrema direita MP, o novo DOPS, pediu a cassação do registro do PT por suposto recebimento de dinheiro do exterior. Não há provas, mas suposições que levarão a um fato indeterminado. É a Lava Jato Eleitoral, o novo DOI-CODI, o DOPS?

  18. Absurda a tergiversação. E a falácia é constrangedora. Se o que a
    notícia informa for uma tendência, não significa que o isolamento
    vertical implementado a partir dela será uma política genocida. Nunca li
    tanta asneira sobre um assunto sério como nesse texto.

    1. O que começa com tendência vira regra bem rapidinho. Não esqueça que você está lidando com fascistas manés.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *