Passaporte de Guedes é delírio de quem vê seu mundo cair

Quando o sujeito está desesperado, compreende-se que comece a delirar com milagres que o venham salvar.

É o caso deste governo, seus jejuns, sua hidroxicloroquina e, agora, o “passaporte de imunidade” com que Paulo Guedes acena para que as atividades normais possam ser retomadas.

Reproduzo a “pérola” dita ontem pelo Ministro da Economia em uma teleconferência com empresários:

— Hoje de manhã, conversávamos com um amigo da Inglaterra que criou o passaporte da imunidade. Ele faz 40 milhões de teste e coloca disponível para nós brasileiros, 40 milhões de testes por mês. Já mandei para o ministro Mandetta, para o chefe da Casa Civil, ministro Braga Netto e para o presidente Jair Bolsonaro. Ou seja, se você fez o teste e deu positivo, você pode circular. Você fez o teste e deu negativo, você tem que ir para casa. Não é agora. Agora nós estamos em isolamento. Nós estamos planejando uma saída, lá na frente e termos esse teste em massa. As pessoas vão sendo testadas, pode ser semanalmente e quem estiver livre, continua trabalhando.

Vejam só: “um amigo” que faz 40 milhões de testes? Onde, na cozinha de casa, como se fossem brigadeiros para uma festinha? O amigo de Guedes, portanto, se não é um louco siderado, é um dono de indústria farmacêutica esperto que quer empurrar testes de araque para cima do Brasil, quem sabe com efeitos colaterais positivos para alguém.

O Brasil precisa de testes – e não dos de araque -, sim, para rastrear a doença, para determinar situações de isolamento quase total e para garantir a sanidade do pessoal médico que está na linha de frente, trabalhando em situações de risco. E não os tem.

O Brasil, com sua enorme população, é o 16° país em número de casos de infecção por coronavírus. Mas certamente sua posição é bem mais acima nesta tabela mortal, porque estamos, pasme, apenas em 100° lugar em aplicação de testes: meros 258 para cada milhão de habitantes, uma proporção abaixo de 50 vezes menor que os países europeus.

E mesmo os testes que recebemos – meio milhão deles, doados pela Vale – são umas porcarias que, segundo o próprio Ministro da Saúde, têm apenas 30% de eficácia e sequer são endossados pela OMS. Leia-se: para cada positivo que detecta, deixa escapar outros dois.

Não é preciso mais para ver quanta gente está contaminada e não aparece nas estatística apenas porque não apresentou (ainda) sintomas da doença.

O desespero de Guedes ante uma realidade que clama por dar e não por tirar dos pobres e de fortalecer, em lugar de minguar, os serviços públicos está neste ponto, o de perder o contato com a realidade em seu desejo de que as pessoas humildes façam o contrário do que fez: permanecer em casa, isolado, em busca da chance de que o vírus pare de circular.

Ou, pior ainda, de nem envergonhar-se de uma picaretagem do “amigo”, porque cada teste, do mais “baratinho”, curta R$ 75.

É nas mãos desta gente que está o Brasil.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

40 respostas

    1. O sujeito mente que dá um nó. Se tivesse dito isso para o auditório do Raul Gil, ou para os fiéis da Santa Missa do Padre Marcelo, ninguém acreditava nele. Descartavam-no só pelos gestos trêmulos da face. Mas mentiu para suas vítimas preferenciais, que querem mesmo ser enganadas por todo tipo de mentiras e fantasias que venham de seu querido corretor manhoso: Os “empresários”…

  1. Será que esse amigo não pode ser o Queiróz?
    Aí dá tudo certo com a milícia no poder: rachadinha, propaganda falsa, etc.
    E como o Gudes não diz quem é e o Queiróz tá sumido ….

  2. A rachadinha de gabinete virou rachadona internacional .
    Como é honesto o país pós lava – jato.
    É o Brasil da nova política.

  3. Puro marketing para a turma deles. A direita sempre acha um jeito de lucrar com a desgraça alheia.

  4. Esses eram os dados que estavam faltando para confirmar que não estamos no estágio inicial, mas já bem avançado e ainda não reconhecido por falta/deficiência/transparência de testes.

  5. Esses eram os dados que estavam faltando para confirmar que não estamos no estágio inicial, mas já bem avançado e ainda não reconhecido por falta/deficiência/transparência de testes.

  6. É triste saber que a incompetência desse desgoverno nos joga a uma hecatombe de mortes, um genocídio de pessoas. O Estado federal morreu. Os governadores estão sozinhos, limitados pela miséria, pela ignorância, pela ganância. Seria a hora da união é o que vemos é histeria política, ódio, ignorância. Aonde a pequenez vai nos levar todos sabemos. Até quando vamos ficar inertes?

  7. Me lembrou o filme “Minority Report ” . As mensagens vindas dos “líderes ” . Acho não ser impossível de acontecer , o Brasil se tornou um imenso laboratório da guerra híbrida global . Não foi a primeira e nem a última vez que o ministro da economia se manifesta em conjunto com a XP . Em outros tempos isso seria impossível , imaginem se fosse um ministro da economia dos governos do PT , sentado lado a lado com um dirigente bancário ou de uma financeira . Qual seria a repercussão ?.
    E agora , o assentimento e silêncio é geral .

  8. “Ou seja, se você fez o teste e deu positivo, você pode circular. Você fez o teste e deu negativo, você tem que ir para casa.”
    Foi isso mesmo que ele disse? Circular contaminado e confinar se tiver sem contaminação? Não seria o inverso?

    1. Ficou muito esquisito. Mas parece que a intenção foi dizer que a pessoa é positiva porque já contraiu o vírus, mas como já está curada, não transmite mais. Já quem ainda não contraiu, quando contrair começará a propagar de imediato.

    2. O teste que ele apregoa é outro: o de anti-corpos. Alguém que dá negativo no teste normal de carga viral mas positivo no de anti-corpos é alguém que já teve o vírus e (provavelmente) se curou.

      Há alguns furos nisso, no entanto. Por exemplo, há casos registrados de pessoas que testaram positivo, aparentemente se curaram (testando negativo múltiplas vezes), e depois voltaram a desenvolver a doença; não se sabe se isso é porque pessoas previamente infectadas não são imunes ou se é por conta do virus ter a capacidade de entrar em hibernação para ressurgir semanas depois, mas qualquer dessas hipóteses se confirmada é um grande furo para essa ideia do passaporte.

      (Isso sem contar que, se o isolamento realmente funcionar, vamos ter menos de 1% de pessoas que pegaram o virus e se curaram, o que obviamente não é o suficiente para tocar a economia. E se o isolamento falhar, o número de mortos por so só vai causar um dano à economia muito mais grave do que mesmo o mais severo dos isolamentos.)

  9. Desde a República Velha até nossa finada Nova República dessa última e mil vezes rabiscada Carta Cidadã, tem funcionado uma regra de ouro, com a exceção que a confirma, com o milagre de breves e acidentados períodos.

    Essa é a regra de ouro demonstra que existe uma forma bem definida de como tratar o povão, isto é, a maioria: descaso, improvisação, negócios e, se alguém ousar reclamar ou exigir seus direitos de cidadão, polícia neles.

    Foi assim, tem sido assim e continuará sendo assim enquanto essa maioria deixar se enganar, não reagir e continuar a respeitar e tratar com deferência essa minoria indiferente, essa gente “diferenciada” e até aqui incorrigível, irresponsável, repetitiva, alienada. “Eles” continuam a pensar que nós somos o problema, temos que definitivamente inverter essa equação.

    1. Perfeito, Policarpo. Sobre o amigão britânico do Pguedes, observo que o Reino Unido só fez, até agora, 195,524 testes.

  10. A especialidade do PICARETA é MENTIR.

    O objetivo sempre foi privilegiar os amigos.

    É para isso que esses PICARETAS põem as patas no Estado brasileiro.

    1. Sendo assim, imagino que daqui a algum tempo o número de mortos pelo vírus vai subir ainda mais, pois entrarão nas estatísticas não só os que morreram no dia, mas os que morreram antes mas a causa mortis só foi informada naquele dia.

  11. Especialmente porque o número de pessoas testadas no Brasil nesta fase de contenção da doença é muito pequeno e por isso não se saberá da maioria dos casos em que as pessoas infectadas já estarão curadas, em algum momento será preciso testar as pessoas para verificar quem já foi infectado e por consequência adquiriu imunidade, podendo retomar sua atividade normal – mas com os cuidados necessários para não ser um transportador passivo to virus, pelo contato com pessoas e ambientes contaminados.
    Essa seria uma estratégia complementar ao isolamento com a intenção de que no retorno às atividades sejam menos impactantes as novas ondas de contaminação pois aqueles que souberem não estar imunizados precisariam manter-se resguardados, deixando para atividades mais expostas aqueles já imunizados (claro que este cenário até a disponibilidade de vacinação em massa).
    Mas isto é para muito mais tarde, bem depois do pico de infecções. Agora, os recursos humanos, operacionais e financeiros tem que ser destinados a ampliar o número de testes visando a contenção da doença. Isso permite não só evitar a propagação do contágio identificando os infectados (inclusive os não sintomáticos) como tem o benefício adicional de identificar aqueles que passado o período de incubação e contágio podem retomar atividades normais pois já imunizados
    É necessário aplicar a mesma estratégia que a Coréia do Sul usou, testando todos aqueles que tiveram contacto com pessoas que testaram positivo. É a forma mais eficiente de achatar a curva e evitar o colapso do sistema de saúde de acordo com os especialistas.
    A quantidade de testes necessários para essa verificação de imunidade será muito maior e custará muito mais do que se tivesse sido adotada uma estratégia agressiva de testes de rastreamento na fase de contenção (modelo Coréia do Sul), desde os primeiros casos importados.
    O Brasil tem capacidade de desenvolver estes testes de verificação de imunidade, basta financiar os grupos de cientistas que façam isto. O custo será muito mais barato do que a importação sugerida pelo escroque pinochetista. Ademais, duvido que hoje este teste esteja já desenvolvido e submetido a todas verificações necessárias para garantir sua eficiência (isto é, que não produza resultados falso positivos ou falso negativos). Assim como duvido que, mesmo que o teste já estivesse disponível, hoje haja algum laboratório em condições de fornecer 10 milhões de testes semanais ao Brasil, também considerando que no país de origem certamente haverá pressão para utilização local.
    Este escroque pinochetista, deve ter ouvido de alguém que esta seria uma necessidade futura (repito, devido à insuficiência atual de testes para contenção), e em mais uma manifestação de sua picaretagem tenta criar uma ilusão para encobrir a forma criminosa como ele e toda a equipe econômica do governo solapam o combate ao virus. E quem desnudou mais do que ninguém a visão destes canalhas foi Rubem Novaes, presidente do BB, que defendeu não ter controle nenhum da pandemia e depois tocar a economia com os sobreviventes (ainda que a maioria dos mortos pudesse ter sido salva – mas vidas não contam para estes fascistas, só o dinheiro).

  12. Fica muito claro. Economistas servem à economia. Tiram totalmente o ser humano desta jogada. Não é de agora, é a sua formação das escolas de economia. Formação paga pelo estado, é claro.
    O ser humano, principalmente o pobre, que para eles é parasita, é sempre um obstáculo ao “progresso” da economia. Ainda mesmo com o fracasso de colocar toda a riqueza financeira do mundo capitalista nas mão de algumas dezenas.
    de, aí sim, para eles, cidadãos de bem. Em um mundo que os recursos de todo tipo são exponenciais e fartos, abundantes mesmo, possivelmente desde 1970, os economistas fizeram que toda a riqueza criada fosse canalizada para estes poucos e a miséria crescente fosse para bilhões.
    Era hora de procurar uma solução humana com os conhecimentos(?) da economia e eles não têm a mínima ideia do poderia ser isso.
    Então ele tem um “amigo” que tem 70 milhões de testes que precisamos. Que amigo! Parece que estava até esperando este momento. Lembrou-se do amigo do “Brazil”. Oportunidade e negócio; par perfeito.
    O guedes é economista e sub-humano.

    1. Tinham que desistir do capitalismo e criar o trabalhismo. A força de trabalho de cada um é talvez a única riqueza que o ser humano traz e leva consigo. O sistema econômico tinha que reconhecer isso. Teria que haver uma fórmula que permitisse a distribuição do lucro de uma atividade de forma mais justa, mesmo considerando que trabalhos que requeiram mais estudos, mais habilidade, mais aptidão, mais coragem ou qualquer outro fator que o valorize, inclusive a habilidade para administrar o serviço de forma a potencializar seus resultados, merecem ganhar mais, mas sem esquecer que todos os serviços são necessários para uma sociedade saudável, portanto mesmo o trabalhador que realize o serviço mais singelo merece um salário bom, que lhe permita viver com dignidade.

  13. Como é que é ,se der positivo pode circular?
    Quer dizer pro Bozoguedes, que eu que estou negativo,nunca mais poderei sair de casa? Nem ir na esquina comprar frutas?
    Sim ,porque se eu que estou negativo, cruzar com alguém ferrado que foi solto na rua, posso pegar o vírus numa boa?
    Sugestão:
    Trancafiar o Corno e o Guedes no mesmo hospício e na mesma cela , um amarrado no outro.

  14. Mesmo se isso fosse possível… prevejo um outro efeito colateral nisso. Pessoas que serão forçadas, seja pelo patrão, seja por suas próprias necessidades de voltar logo ao mercado de trabalho, a se contaminar de propósito prematuramente. E jogando pelo ralo todo o esforço de achatar a curva de contágio.

  15. Esse tipo de teste é útil… para identificar médicos, enfermeiros, policiais, e outras pessoas que não podem parar e cuja função coloca eles em contato direto com pessoas que estão, ou podem estar, infectados; com as altas taxas de infecção nesses grupos, existe realmente um estoque de pessoas que já se curaram e agora podem desempenhar funções que envolvam contato pessoal com menos riscos para si e para os outros.

    Na população em geral é delírio, porque a ideia básica do isolamento é deixar o número de infectados o mais baixo possível, de preferência em uma pequena fração de porcento por mês; portanto, se o isolamento estiver funcionado bem o suficiente para evitar que os hospitais entrem em colapso, vai levar anos, talvez décadas, para se ter um número grande o suficiente de pessoas imunes para tocar a economia. Se ele é um economista — o que pressupõe e necessita de uma grande habilidade para interpretar números e estatísticas — e não se tocou disso, ou ele é um péssimo economista que não tem a qualificação mais básica necessária à sua função, ou ele está deliberadamente tentando enganar a população (e, em particular, empresários).

    O “passaporte” que vai realmente importar vai ser a caderneta de vacinação, mas isso só quando já estivermos com uma vacina para o SARS-COV-2 em mãos. Proibir pessoas ainda não vacinadas de circular até atingirmos uns 70% (ou mais) de cobertura seria uma boa idéia.

  16. Perdão Brito, o Guedes é só parte do problema, o maior são seus seguidores, turbinados por Olavos,MBLs, games e o cadete.

  17. Inacreditável. Realmemte, é caso de arrancar essa gente de lá à força. Mas vai pedir isso para militares? Que sanatório geral. É terrível demais para acreditar. Bom. Estou em casa, sou professor. Se terei salários pelos próximos meses, não sei. Arrecadação cai e famílias sem emprego. Será que salários do professor de escola pública e privada serão mantidos? É a tempestade perfeita ter um governo neoliberal nessas horas…

  18. E qual é o profissional habilitado para aplicar os testes e emitir o atestado? Teria pessoal bastante para aplicar diariamente milhões de teste? Suponho que o ministro (melhor dizer sinistro) desqualificado ache que qualquer empregada doméstica possa aplicar o teste e tenha autoridade para certificar se alguém está apto ou não para circular.

    Quem sabe a gente também possa convocar, para aplicar e certificar os testes, profissionais como chapeiro fritador de bolinho ou, tanto faz, de hambúrguer? Afinal, neste desgoverno isso é habilitação suficiente para ser nosso embaixador em Washington.

    Que tal auto-homologação? Alguém vem a público e conta que tem um histórico de atleta, isto faz dele um ser imune e não contagioso.

    Ah, sim! Os testes poderão ser aplicados pelas igrejas, testes de jesus, “abençoados” pelo pastor maracutaia.

  19. Sem contar as NEGOCIATAS que advirão, onde este governo de oportunistas irão se locupletar, existe algo de completamente IDIOTA nesta ideia deste pseudo passaporte de negativado pelo Corona vírus.
    Qual é a validade, sendo que ao dobrar uma esquina o mesmo pode expirar, mediante um sopro ou um espirro alheio?

  20. Abriu-se uma janela de oportunidade para o Guedes aplicar mais um dos seus golpes. Assim como saqueou os Fundos de Pensão, está vendo a oportunidade para faturar alguma grana num conluio com o “amigo da Inglaterra”. Esse governo está dividido em três grupos: Os milicos, os lunáticos, e os corruptos. Sendo que um ou outro, transitam entre os grupos.

  21. Senhores, eu não posso falar com toda a certeza, mas isto do tal passaporte, já aconteceu alguma vez na História??? Será que a Ciência corrobora algo parecido???

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.