Os vendilhões

Bolsonaro promete a Adriano Pires, o novo presidente da Petrobras, privatizar a Petrobras, “que dá muita dor de cabeça”. Sergio Moro também promete aos empresários que pretende passar a empresa nos cobres.

A maior empresa brasileira, que nos tirou de uma dramática dependência de petróleo estrangeiro e fez nosso país passar de importador a exportador de petróleo, dobrando a produção em duas décadas, líder mundial em tecnologia e o mais poderoso impulsionador da indústria nacional é tratada assim, como um problema do qual querem livrar-se, pela simples razão de que não sabem administrá-la.

Importamos pouco mais de 20% do óleo diesel que consumimos e perto de 15% da gasolina, não porque não tenhamos petróleo para produzi-lo, temos de sobra.

Mas estávamos lentamente superando o maior gargalo deste problema: nossas refinarias, antigas, eram adequadas ao perfil do nosso petróleo há 30 ou 40 anos atrás, quando ele era na maioria vindo do pós-sal, da Bacia de Campos (hoje em declínio produtivo) e o novo perfil do óleo brasileiro é leve, vindo do pré-sal.

São quase 2 milhões de barris por dia, 70% da produção nacional, produzindo numa escala dificilmente igualada no mundo (cerca de 90 poços, apenas, com imensa produtividade, o que leva a um custo de cerca de 7 dólares o barril, coisa de 15 vezes menos que o preço do mercado internacional.

Construir refinarias, uma necessidade, é, porém, obra bilionária, lenta e de demoradíssima recuperação do investimento, tanto que, não sendo monopólio estatal, raríssimos capitais privados, daqui ou de fora, se interessam por isso. Havia planos, que foram sendo descartados ou paralisados. Abreu e Lima, em Pernambuco, ficou menor que o planejado; o imenso Comperj, no Rio, foi paralisado, as refinarias no Ceará e no Maranhão tiveram seus planos postergados e abandonados.

Sobre a do Ceará, uma curiosidade: perguntem à Eliane Cantanhêde que fim levaram os planos da Thyssen, uma multinacional alemã, que em 1998 anunciou que iria fazê-la com investimentos de US$ 1 bilhão? Naquele longínquo século 20, a Folha a mandou lá, para anunciar o bendito fruto da quebra do monopólio estatal.

Mas tudo agora ficou pior, porque com tamanha diferença entre o preço de produção e o de venda na exportação, construir refinarias não desperta apetite nas administrações “lucro fácil e rápido” da companhia e, em nome disso, resolveu-se não fazer e vender o que havia pronto e funcionando. Idem para os programas de construção naval, de petroleiros e sondas.

Frete-se, alugue-se, se só interessa o dinheiro entrando rápido e não criando estruturas produtivas. Os acionistas privados (63% do capital da Petrobras, agradecem. Aliás, também na crise dos fertilizantes, outro efeito da guerra, é o mesmo: arrendaram-se as fábricas de fertilizantes nitrogenados da Bahia e de Sergipe, fechou-se e Fafen-PR, alem de paralisar-se a quase pronta unidade de fabricação de amônia em Três Lagoas (MS) agora sendo repassada para uma empresa russa que, é obvio, não terá condições de investir.

Comemoram-se os lucros recordes – que é para eles que vai – e maldizem-se os preços recordes?

Essa gente passará e a Petrobras, ano que vem, em outubro, quando se completarem os 70 anos de sua criação por Getúlio Vargas voltará a ser uma dor de cabeça só para os que não creem no Brasil.

 

 

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *