Pazuello lança o ‘Plano Nacional de Improvisação’ da Covid

A bagunça generalizada no galpão do Ministério da Saúde junto ao aeroporto de Guarulho não podia ser mais simbólica da desorganização, do improviso e da precariedade do Plano Nacional de Imunização contra a Covid-19.

Aliás, Pazuello ‘entregou’ o objetivo do ato ao convidar os governadores para visitarem a câmara fria onde estavam as vacinas, dizendo que seria “uma boa fotografia”.

Mas, é claro, nem uma boa fotografia Pazuello consegue produzir: tudo ali rescendia à improvisação. No que era visto e no que era dito.

Antes, ele já tinha desmontado a conversa do “Dia D e Hora H”, ao dizer que os governadores poderia começar a vacinação também improvisadamente, hoje, “às 17 horas ou às 18”.

O general da Saúde também não teve o que dizer sobre a reposição de vacinas que são distribuídas agora com instruções para que metade seja reservada para, daqui a duas semanas ou pouco mais, rejam reforçadas com uma segunda dose. Limitou-se a afirmar que “vai pedir celeridade ao Butantan” sem dar um pio sobre a necessidade de que o governo brasileiro pressione Astrazêneca e Sinovac para que enviem matéria prima para a produção local.

Aliás, o episódio das ‘não-vacinas’ indianas já deveria ter feito acenderem todas as lâmpadas e sirenes de alarme sobre o óbvio: será cada vez mais difícil obter vacinas no exterior à medida em que avança a vacinação no mundo e crescem as pressões para que mais vacinas sejam entregues.

Os suprimentos para o Butantan e a Fiocruz produzirem as doses no Brasil estão com a entrega atrasada – no caso da Fiocruz, nem a primeira carga chegou – e sem isso não há condições que garantir que a vacinação que começa aqui não tenha de ser interrompida, o que dirá ser acelerada, como seria o ideal.

Mas agora, ao final do dia, o governo federal vai dar por “cumprida a missão” e voltar a sua politicagem cloroquinista, porque é preciso agradar o chefe, o presidente.

Pazuello, porém, já está no rolete, assando. Só serve agora para para recolher os pecados do governo.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *