Punição a Deltan abre o caminho para a suspeição de Moro

O placar de 9 a 1 pela punição sobre o procurador Deltan Dallagnol não deixam dúvida de que a Lava Jato perdeu sua onipotência e seu “direito” de atropelar mecanismos legais e éticos, ainda que o procurador já não seja, formalmente, o seu coordenador.

Não se tratava, como os procuradores que se manifestaram em sua defesa, do direito de que Deltan pudesse ter a opinião política que desejar, mas a de usar a sua condição de “paladino da moralidade” para envolver-se na eleição da presidência do Senado, como se fosse um militante ou um detentor de mandato político.

Na verdade, pela primeira um órgão julgador – e o Conselho Nacional do Ministério Público é formado, na maioria, membros do próprio MP- condena a politização que a Lava Jato fez dos processos judiciais, embora a punição em forma de censura seja pequena frete a outras violações que a operação praticou.

O império de Curitiba, porém, ainda resiste e acaba de apresentar ao Supremo um recurso para que a Procuradoria Geral da República não possa ter acesso aos milhares de documentos – e milhares de sigilos quebrados – que estão em seus arquivos.

Repito o que disse anteontem: a cabeça peçonhenta que se formou ali só será cortada quando a punição sair do ator coadjuvante de Dallagnol e chegar ao ator principal: Sérgio Moro.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *