Vacina não é brincadeira de criança

Respondendo a uma “blogueira-mirim” devidamente instruída pelo próprio Jair Bolsonaro, o general do Ministério da Saúde, Eduardo Pazuello disse que “em janeiro do ano que vem, a gente começa a vacinar todo mundo”.

Assim todos esperam mas, infelizmente, não é tão simples com uma vacina (ou com várias vacinas) sobre as quais não se tem, ainda, certeza da eficácia.

Tanto não é simples que a descoordenação do Ministério da Saúde é uma das principais razões da queda para 51% da aplicação de vacinas já existentes e confiáveis na população infantil neste ano, quando o ideal para bloquear a transmissão é acima de 90%.

É a primeira vez desde antes do ano 2.000 que isso acontece.

Mais complicada ainda porque, em todas a experiências conduzidas até agora, as vacinas são de aplicação em duas doses e a taxa de abandono da reimunização de dupla dose no Brasil aumentou muito, como diz a Folha:

Em algumas regiões do país, a desistência entre doses vacinais é ainda mais preocupante. Em Goiás, o abandono cresceu 99,2% de 2015 para 2019. No Distrito Federal, o aumento de quem larga o esquema vacinal chegou a 69,2% no mesmo período. O crescimento da taxa de abandono entre doses de imunização tem preocupado cientistas no contexto da pandemia de Covid-19. Das 33 vacinas para a doença causada pelo novo coronavírus em testes clínicos no mundo, 29 exigem pelo menos duas doses de imunização.

Aliás, a falta de seriedade no trato desta questão é evidenciada pela própria a atitude do Governo, seja com a transformação do problema em exibições como a da menina que faz o papel de “repórter” sem perguntar onde estão os programas para que aconteça a vacinação, sobre a garantia de recursos para que ela aconteça, sobre a ordem de prioridades que deverá obrigatoriamente ser cumprida e sobre a atitude de um presidente que trata-a como um “toma a vacina quem quiser” e não um “todos devem tomar, porque a eficácia da vacina só é forte se toda, ou praticamente toda a população se imunizar”.

O Brasil tem capacidade e conhecimento acumulado para fazer com sucesso uma campanha rápida e bem sucedida de vacinação em massa. Há muitas décadas as faz, mas nunca enfrentando o ceticismo e o negacionismo de seus governos, como acontece agora, com o presidente da “gripezinha” e do “histórico de atleta”.

O primeiro passo para que o faça, de novo, é a seriedade da ação do poder público, que não pode deixar de ter um comitê nacional de acompanhamento do resultado dos vários imunizantes que estão em perspectiva, notadamente a Sinovac, chinesa, a Pfeizer, a Astrazêneca-Oxford, anglo-americana e a Sputnik V, russa, cada uma delas patrocinada por governos e empresas e envolvendo bilhões de dólares em compras em escala mundial.

Não é, portanto, uma questão a ser tratada em uma “Sessão da Tarde” e muito menos num clima de programa de auditório.

PS. Enquanto escrevia, noticiou-se que a Asrtrazêneca-Oxford suspendeu mundialmente os testes com a vacina, por uma reação adversa que, até agora, não se sabe qual e quão grave foi. Um prova a mais que o país precisa de um comitê científico que avalie esta corrida pela vacina, que não pode ser regulada apenas pela responsabilidade dos laboratórios.

 

 

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *