Quebrada a institucionalidade, a PGR vira uma rinha

A indicação de Augusto Aras não é, por si só, o pior dos mundos para a Procuradoria Geral da República, tamanho eram os disparates que se apontava como possíveis escolhas de Jair Bolsonaro, com alguns nomes que tinham a marca de uma extrema direita terrível.

De fora, parece que são três as questões essenciais.

A primeira, a de quais, quanto e em que profundidade têm os compromissos que assumiu com Jair Bolsonaro. A derrocada da tradição da lista tríplice deixou ao mais completo arbítrio presidencial a escolha do PGR e, com isso, a mais completa politicagem no processo.

São preocupantes não só as notícias de dos movimentos de Augusto junto aos filhos do presidente e, também, de um suposto convite ao procurador Ailton Benedito, um daqueles extremistas, para compor sua equipe.

Quase que certamente a área dos Direitos Humanos será entregue a alguém que tenha por eles o mesmo desprezo que tem Bolsonaro.

Há o risco de que se tenha, talvez, uma ressurreição da figura do “Engavetador Geral da República” que Geraldo Brindeiro encarnou no Governo Fernando Henrique Cardoso.

Não creio que vá poder ser completamente assim, porque há um quadro bem diferente agora com um presidente que não tem a imagem pública que tinha FHC, e 20 anos de descompressão aumentaram muito a liberdade de movimentos dos procuradores.

O segundo e mais delicado ponto é saber qual o destino do “lavajatismo” na nova PGR.

Muito embora Augusto Aras tenha um ponto de contato com Moro e a República de Curitiba no primo Vladimir Aras, nada indica que Augusto pudesse ser o candidato in pectore da Lava Jato.

Não só pelo seu histórico de críticas à operação – mais recentemente suavizado por razões políticas – como por outros motivos, entre eles, até, a diferença geracional que tem – aos 60 anos e ingresso no MP (em 1987) na fase áurea da instituição, na Constituinte – em relação aos pósyuppies, na faixa dos 40, que formam a turma de Curitiba.

Ademais, quando tira de Sérgio Moro o Coaf e o comando da Polícia Federal, parece difícil crer que Bolsonaro fosse dar a ele um Procurador Geral da República afinado com suas pretensões políticas.

As reações iniciais, da Associação Nacional dos Procuradores da República e de procuradores ligados à Lava Jato de fato revelam essa reação da ala “furiosa” do MP.

Nos próximos dias o ambiente entre os procuradores será o de uma rinha, com bicadas e esporões sobre Aras.

Claro que as primeiras reações de Aras serão de contemporização e de “apoio total” àa Lava Jato, até para pacificar sua aprovação no Senado.

Depois, são outros 500.

O MP é um caso claro de autodestruição de sua institucionalidade. Quis entrar na política e, agora, dentro dele, a política o está demolindo.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

21 respostas

  1. A bem da verdade há males que vem para o bem. Essa turma da PGR bem que estava precisando de uma refrega na cara. Cachorro brabo só na coleira!!!

  2. Desde 2016, quando do golpe contra Dilma, a Constituição Federal foi jogada no lixo. Bolsonaro é o lógico resultado desse processo. E junto à CF, todas as instituições seguem o mesmo caminho.

  3. Fernando, discordo da tua visão sobre lista tríplice. O furioso republicanismo de Lula e as listas tríplices “republicanas” trouxeram o Brasil até este ponto. Se Lula tivesse a coragem, a firmeza de colocar nos postos estratégicos, não os desqualificados impostos pelo corporativismo, mas, gente de respeito e voltada, verdadeiramente, aos interesses do Brasil, o caminho, por certo, seria outro. São cargos de livre escolha, livre escolha!, do presidente da república. Se o traste assentado a imundiciar a cadeira da presidência da república escolhe apenas o câncer, é devido aos energúmenos, fascistas, evangélicos ignorantes e mal intencionados, à classe média, canalha em grande medida e a uns tantos pobres de direita, que querem sempre garantir uma Disney todo ano aos filhos do patrão que o escolheram, tangidos por preconceitos e mentiras. Mas, em tempos de normalidade, cabe ao presidente e não às corporações, com seus vícios e sede de poder, escolher os ocupantes de cargos. Lista tríplice, gostem ou não, é um dos ingredientes da receita para o desastre. É necessário acabar com isto. Por menos que se goste desse desqualificado, ele faz, nesse aspecto, do seu modo torto e corrupto, o que Lula deveria ter feito, com dignidade e com a autoridade de que foi investido então. E eu temo que, se chegar ao poder novamente, ele vá, do mesmo modo, contemplar o “republicanismo”.

    1. Perfeito.

      O Bolsonaro é mais esperto do que a gente dá crédito: não permitiu um PRG que vem do seio lava-latista, alguém que facilmente poderia fritá-lo.

      Na política, não dá pra ser “bonzinho” o tempo todo: é pedir pra morrer.

  4. Bolsonaro fez o que é de seu direito: nomear quem ele quiser.
    Essa questão da lista tríplice, inventada pelo PT, colocou na PGR procuradores infames, criminosos. Ou não ?

    Tomara que o Fernando esteja certo sobre a “autodestruição”. Esse MP precisa mesmo ser extinto.

    1. O que o PT fez em relação à PGR foi sucumbir ao corporativismo e tornar-se um homologador da escolha da corporação.
      O PT nunca escolheu um sequer dos PGRs que nomeou, nem mesmo valeu-se do princípio esdrúxulo da lista tríplice que criou.
      Não só aceitou que a corporação escolhesse quem bem entendesse (e eles não tem mandato político para isso e nem devem ter, já que o mandato político é aquele conferido pelo voto popular em eleições gerais), como reconduziu PGRs que abusavam da função, sendo Janot o exemplo mais cabal.
      A tal de lista tríplice nada tem de democrático. É usurpação corporativa do poder democraticamente conferido pelo eleitor ao eleito.
      Democrático é estabelecer controles externos efetivos da sociedade, para que a atuação destes funcionários seja em conformidade com a constituição, em primeiro lugar, e com as leis ordinárias, de forma ética e transparente.

  5. Não faz nenhum sentido manter um sistema democrático como a lista tríplice, para nomear quem vai chefiar uma quadrilha que não tem menor respeito por democracia, inclusive gozando da proteção da própria, para não pagarem por seus crimes. Quem começou a respeitar essa lista tríplice foi o Lula, agora está preso, pagando o preço de ser democrático com uma elite (melhor dizendo, as castas jurídicas, políticas, empresariais, militares etc) escravagista que só pensa em espoliar o país.

    1. Perfeito.
      A indicação do PGR é uma atribuição do Presidente.
      Esta baboseira de lista tríplice apenas aparelhou o MP em torno de interesses da Corporação. Quem prometia mais mamatas aos Procuradores tinha mais chances de ser eleito.

  6. Espero que os “republicanos” aprendam a lição. Quem abre mão de usar o poder que tem, acaba devorado. Chaves não bancou o republicano. Sabendo que os entreguistas venezuelanos temtariam um golpe, tratou de “aparelhar” as instituições em defesa dos interesses de seu povo. Infelizmente temos é um Chaves do mau aparelhando tudo em defesa dos interesses de “seu povo”.

  7. Meu avô, nordestino sertanejo da pele ressecada de anos ao sol trabalhando, foi cirúrgico: comentando comigo sobre esse caso ele disse: deu-se a máxima da vida: MANDA QUEM PODE…..OBEDECE QUEM TEM JUÍZO. Fui obrigado a concordar. Se Lula e Dilma nomeassem PGR segundo critérios políticos de “democracia social e econômica” do Brasil e, portanto, de acordo com a linha política dos governos 2002-16, não teríamos os bandidos que tivemos no comando da PGR. Infelizmente, concordo com o Bozo. Ele escolhe quem se afina ao seu discurso. Ponto final.

  8. Mais uma vez o Tijolaço e outros blogs que se dizem “progressistas” embarcam nessa nau furada da “institucionalidade” da chamada “lista tríplice”, uma invenção dos governos Lula e Dilma, que empoderou o corporativismo mais canalha no ministério público e noutras instituições do sistema judiciário. Em vez de denunciar a eleição farsesca e fraudulenta que levou o clã bozo-miliciano ao poder, que ele hoje exerce sem cerimônia, contando com a ajuda da milicalha golpista, vira-latas e entreguista (além, é claro, de todo suporte e comando do Deep State estadunidense, finança transnacional e oligarquias, que constituem o alto comando internacional do golpe de Estado aplicado no Brasil) este e outros blogs preferem a superficialidade e emocionalidade de denunciar o “primitivismo”, a “grosseria”, o “anti-ambientalismo” e “falta de modos” do bozo-pai-miliciano. Nesse caso, aonomear o PGR, o bozo-pai-miliciano está apenas exercendo uma prerrogativa do cargo que ocupa, que hoje é o de presidente da república federativa da cloaca (apud PHA).

  9. Ara , Ara , Ara . Agora que porca torce o rabo , o que era pra ser terrivelmente evangélico , ficou terrivelmente estranho . Mas algumas mudanças vão acontecer no MP-RJ , se já tinha blindagem do clã pelas bandas de lá , agora teremos escudo anti míssil balístico . É só puxar o novelo .

  10. kkkkkk MPF virou rainha e os procuradores as “AMÉLIAS”. kkkkkkkkk. Bem feito pois qualquer um láseguiria as lambanças de sempre, veegonha na cara que é bem…..

  11. Mas, estes Procuradores não se envergonham do mau procedimento adotado????
    Porque este ódio contra o Lula e seus familiares?
    Tomara que este Procurador que o Bozo escolheu os façam ficar cada dia mais desmoralizados.
    Eles estão engolindo do próprio veneno que esparramaram nas redes sociais??

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.