Rede de intrigas: qual será o novo espetáculo da política?

network

A regressão do Brasil é tamanha que a cena política traz à mente coisas de um passado que, afinal, era premonitório desta “sociedade do espetáculo”  em que tentam nos mergulhar, embora a realidade, ao contrário, tenha sombras e não holofotes, dramas e não comédias românticas.

Vendo esta torpeza praticada pela Globo com o “vai-não-vai” da candidatura de Luciano Huck recordei-me de um filme da juventude: Rede de Intrigas, do espetacular diretor Sidney Lumet, com um time de craques que teria nove indicações e quatro vitórias no Oscar daquele 1977.

Para quem não tiver idade ou memória para lembrar, a história narra o que se passa numa emissora de TV – e de resto em toda a mídia – quando um apresentado, demitido pelos baixos índices de audiência, anuncia, no ar, que vai “estourar os miolos” diante das câmeras, dali a uma semana. A audiência, claro, é o que explode, enquanto o país vive o drama de um governo fraco (Gerald Ford), tão fraco que perderia para Jimmy Carter, um Itamar Franco gringo, no ano seguinte.

Francamente, parece que se está se passando isso por aqui. O país está a 14 dias de um evento carregado de uma carga dramática como poucas vezes se viu na história, com um ex-presidente popularíssimo, líder disparado em todas as pesquisas eleitorais, prestes a ser alijado da disputa eleitoral por um “crime” que não se sabe bem o que teria sido, nem se conhece provas de que tenha acontecido e que, para a imensa maioria, teria a ver com “ganhar” um apartamento no Guarujá, o que não ganhou, claro.

Mas o foco da mídia é um apresentador de TV que desfila na Globo, como os cavalos de corrida desfilam no cânter, aquele passeio que dão diante dos apostadores, como se a eleição presidencial fosse uma carreira hípica, a discutir se ele vai ou não disputar o páreo. E ainda mais, um cavalo do qual não se conhece nada, exceto o haras de onde provém e que parece, dada a desgraça em que caíram seus amigos, a começar de Aécio Neves, com o anúncio feito ontem pela BRF, na Folha: BRF lança marca para baixa renda com sobras de Sadia e Perdigão.

Huck, afinal, é isso: uma farinata eleitoral, um candidato feito a partir de produtos rejeitados ou no final da validade, reciclados numa embalagem global para atrair os pobres e os simplórios, promovido em sessões de publieditoriais “da casa”, enquanto o personagem, lá dos hotéis de luxo de Dubai, onde passeia agora (talvez com o dinheiro de publicidade da Petrobras), não é cobrado por ninguém a dizer coisa alguma, exceto que é um bom moço.

A fina flor da elite nacional, a começar pelo luminoso farol da inteligência que se considera Fernando Henrique Cardoso não tem sequer um grão de pudor em embarcar – ou se manter com um pé no estribo –  numa aventura oportunista, que nada visa senão o objetivo de ter alguém dócil e inofensivo no lugar que não poderá, nunca mais , ser ocupado por um filho do povo brasileiro.

Falta alguém completar a frase do Câmara Cascudo, de que o melhor do Brasil são os brasileiros. O pior, suas elites.

 

contrib1

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

4 respostas

  1. Dolar inventou a raçao com comida estragada, e agora a BRF faz produtos de sobras da Perdigao e Sadia. No Brasil o pobre esta mesmo lascado.

  2. Rádio Democracia revive Rede da Legalidade no julgamento do Lula
    por Rafael Duarte

    Há 57 anos, o antídoto para um golpe de Estado iminente foi uma rede democrática impulsionada, a partir de Porto Alegre (RS), por uma cadeia nacional de rádios. A Rede da Legalidade, coordenada pelo então governador do Rio Grande do Sul Leonel Brizola, impediu que os militares tomassem o poder já em 1961 após renúncia do ex-presidente Jânio Quadros e garantiu a posse de João Goulart. Quase seis décadas depois, o país vai reviver a organização em rede via rádios web, livres, comunitárias, educativas e estatais em todo o país.

    A Rádio Democracia vai ao ar em 24 de janeiro, das 5 horas da manhã e segue com programação extensa até a meia-noite. Além dos bastidores do julgamento e da movimentação externa ao Tribunal Regional Federal da 4ª Região, em Porto Alegre, a rádio vai divulgar flashes com informações de todos os Estados onde houver manifestações em defesa da democracia e pelo direito de Lula ser candidato às eleições de outubro. Até o momento, 209 rádios de 25 estados já haviam se cadastrado para retransmitir a programação da Rádio Democracia. A expectativa é de que até o dia 24 de janeiro o número aumente ainda mais. Pela internet, a programação estará disponível no endereço http://www.radiodemocracia.net.br.
    (…)
    SERVIÇO

    Rádio Democracia
    24 de janeiro de 2018
    Porto Alegre – RS
    A partir das 5h até meia-noite.

    Quer ser Correspondente da rádio Democracia ou retransmitir a programação no dia 24 de janeiro através da sua rádio ?
    Entre em contato com Jerry de Oliveira: (19) 996010581

    FONTE [LÍMPIDA!]: https://jornalggn.com.br/blog/saiba-mais/radio-democracia-revive-rede-da-legalidade-no-julgamento-do-lula

  3. Parece que o comentarista acima CARLOS BRITO já experimentou a farinata da BRF dado que alfafa não causa tamanho dano ao cérebro.

  4. O baticum de panelas dos fanatizados paneleiros apoiadores do golpe de Aécio Neves foi um recurso de propaganda diretamente arrancado e copiado do filme “Rede de Intrigas”. Os Think Thanks que bolaram as estratégias de enganação golpista no Brasil beberam longamente nas águas de Sidney Lumet. Gozado também é a malandragem manjada, previsível, recorrente e mal-disfarçada de José Serra diante das novas acusações contra ele: Ele fala que “Nunca recebeu verba ilegal”. Com isso, ele antecipadamente promove o roubo pessoal puro e simples, inclusive claramente separado de qualquer campanha política, para o status superior de “verba”, começando daí sua mistificação barata. Nunca os Think Thanks que assessoram os políticos ladrões do Brasil ganharam tanto dinheiro fácil.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.