Regra do ‘dia sim; dia não’ falha e governo ‘erra’ notas do Enem

ImpreCionante.

O governo, presidido por alguém que acha que o mundo pode ficar mais limpo se adotarem a regra do “dia sim; dia não”, produz uma “cagada” por dia.

Agora, abalou a credibilidade das notas do Enem, errando a divulgação da pontuação de dezenas de milhares de candidatos.

Estejam certos ou errados os resultados, todos têm o direito de duvidar deles, agora.

Num vídeo, Abraham Weintraub diz que são “só 39 mil”.

(aliás, o mau português não faltou: “Um grupo muito pequeno de pessoas teve o gabarito trocado quando foi [sic] fechado os envelopes“.

Depois, o presidente do Inep disse que eram apenas 4 os casos confirmados, mas que poderiam atingir 39 mil. Ou nove mil: “A gente acha que não vai chegar nem a 9 mil pessoas.

Como alunos relapsos, “chutam” qualquer número.

Mandaria a prudência reprocessar todos os cartões de resposta, mas estão sendo revistos apenas um número que se desconhece, por razões que igualmente se ignora.

Pior, abriu-se um e-mail para que os que se sentirem prejudicados peçam verificação. Se é assim, como é que terminarão tudo até amanhã, no caso de 200, 300 ou 400 mil candidatos discordem das notas lançadas em seus nomes?

A menos que o e-mail para verificação seja “embromation”, é impossível processar uma quantidade desta monta de resultados em algumas horas.

Esse é o “Enem sem falhas” que Weintraub apregoava. Nessa prova ele, quem sabe, admita que não paÇou.

 

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

19 respostas

  1. A incompetência desses ministros é assustadora. Temos um “case” para os estudiosos de política e, por que não, de psicólogos e psiquiatras lavarem a alma (e a égua) pelos próximos 100 anos. É uma aberração atrás da outra, dia sim, dia também!

  2. Essa cavalgadura compor a corriola ministerial bolsonarista não impreCiona…
    …impreCiona é esse jumento ser professor universitário!

  3. As notas do Enem são comparativas. Erro no gabarito de 30 mil candidatos pode, sim, impactar os demais. Muito sério isso.

    1. Mas pelo que entendi os gabaritos foram apenas trocados, isso não altera o preenchimento deles.

  4. A ideia é, possibelmente, errar de propósito visando arrumar pretexto pra extinguir o Enem e reestabelecer os vestibulares. Com os vestibulares, coisas como o sistema de cotas seriam inviabilizadas, por exemplo.

  5. “As pessoas teve”. Que português deplorável. Ele é ministro do que mesmo? A gente temos que ter muita paciência com esse governo. Jesus tenha piedade de nós.

  6. Alguém se lembra de como se comportava a “grande” imprensa com relação ao Enem quando o ministro era o Haddad ? Isso também era impreCionante.

  7. Prezado Fernando Brito, não tem jeito da nota afetar apenas poucos candidatos. Se existem notas alteradas de alguns, a curva da Tri tende a mudar, o que muda a nota de todos. A coisa é muito pior do que estão divulgando

    1. Pelo que entendi os gabaritos foram trocados, mas isso não muda a forma como foram preenchidos.

  8. Desculpe, Brito, mas isso não parece uma cagada. Pelo menos não pela perspectiva do governo. Parece sim uma bem sucedida operação para desmoralizar o Enem e todo o sistema público de Educação. Não podemos enxergá-los como trapalhões; são bárbaros que estão lá para destruir tudo. E estão conseguindo.

  9. Não tem problema. Para resolver isso, é só aplicar o genial princípio filosófico do Olavinho de Carvalho, de dizer que o bem é mau e o mal é esplêndido: O semi da educação já está a dizer que o pior Enem foi o melhor Enem de todos os tempos.

  10. Que saudade dos petralhas. Kkkkkkkkkkkk O jeito é oficializar os erros desses bolsonaristas que íam consertar o Brasil. Kkkkkkkkkkk, aí fica certo. Não? Kkkkk

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.