Reuters: ‘militares da Saúde’ rejeitavam vacina por cloroquina

A agência de notícias Reuters teve acesso a registros de mensagens internas do Ministério da Saúde no WhatsApp, “contendo milhares de mensagens trocadas entre autoridades do alto escalão no ano passado, quando a corrida global por vacinas estava esquentando”.

“As mensagens revelam que a nova equipe priorizou a hidroxicloroquina e a cloroquina, drogas contra malária defendidas por Bolsonaro como tratamentos para a Covid-19, apesar da falta de evidências científicas de que funcionem”.

Em em 15 de junho, quando as mortes escalavam para 30 mil por mês, o secretário-geral do Ministério da Saúde, coronel Antônio Elcio Franco Filho, dizia que “os índices de letalidade estão caindo drasticamente com o protocolo do remédio do Bolsonaro. A cloroquina está revertendo a situação.”

Certamente do alto de sua experiência médica como instrutor de “forças especiais” e de comandante de brigada paraquedista, o diagnóstico era furado.

Enquanto os países europeus e os EUA faziam grandes contratos de compra de vacina, aqui, mostram as mensagens, havia relutância em fechar acordos com receio de que “as pessoas presumam que houve propina envolvida e seus adversários usem isso como um motivo para iniciar uma investigação”.

A negociação do acordo com a Astrazêneca foi, afinal, encaminhada através da Fiocruz, que não sendo feita pelo Governo, teria mais capacidade de fazer contratos com visão política do peso brasileiro neste mercado selvagem das vacinas. E isso é o que faz a Fundação, até hoje, estar com sua linha de produção parada, sem uma gota de matéria prima para produzir vacinas.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.