Roda Viva com Greenwald: a vergonha do jornalismo

Imagine o caro leitor, que não é jornalista, o que faria se encontrassem para uma conversa, o jornalista Glenn Greenwald, numa conversa tête a tête.

Claro, ia tentar arrancar dele até onde vão as revelações dos diálogos nas mensagens de Telegram de Deltan Dallagnol.

Mas você não é jornalista, meu caro e minha cara.

Porque jornalismo no Brasil virou defender a versão oficial e os jornalistas que participaram , esta noite, preferiram colocar aquele que conseguiu as informações sob uma “sabatina ética”, indagando de sua vida pessoal e condenando o fato de que, embora verdadeiras, ele não poderia divulgar informações que chegaram a ele por quem as obteve de forma ilegal.

Francamente, deu vergonha da profissão.

Passearam sobre acontecimentos que moldaram a desgraçada história que este país está vivendo e não tiveram interesse no que aconteceu, apenas na suposta ética que seria recusar o conhecimento da verdade, se ela brotasse pelo porão.

Pouco ou nada faltou para que colocassem Greenwald como criminoso por estar publicando fatos verdadeiros o que, na imprensa “morista”, não vem ao caso.

Pouco importa se as mentiras judiciais e as armações possam ter condenado pessoas, porque se condenaram, mesmo dentro de uma patranha judicial, é que são criminosos.

Se inquéritos e processos foram conduzidos de forma ilegal, pouco importa.

O Roda Viva de hoje deveria ser copiado e mostrado nas aulas de jornalismo, como exemplo do que pode ser vergonhosa a adesão da imprensa ao poder.

 

 

 

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

75 respostas

  1. Como eu já passo vergonha dos coleguinhas de profissão há alguns anos e conheço bem o estilo asqueroso de “jornalismo” adotado no roda viva desde que a TV Cultura virou assessoria de imprensa tucano-coxinha, nem perdi meu tempo assistindo à entrevista do Glenn. Sabia que seria nauseante demais e meu estômago anda muito fragilizado ultimamente.

    1. Eu também não assistia, porque passava mal.
      Mas vou assistir esse e começar a assistir os demais, quando entrevistarem progressistas.
      Depois das revelações do Glenn / Intercept, os tiros começaram a sair pela culatra.
      Quem deve estar passando muito mal agora são os golpistas, os bolsonaristas, os lavajatistas, os moristas e o resto da corja.

    2. não assisti exatamente pela mesma razão. o padrão foi o mesmo com que tentaram silenciar Manuela D’Ávila. aqueles “jornalistas” são um esgoto moral. medíocres, oportunistas, obedientes, submissos, mal-intencionados. foram escolhidos basicamente por sua mediocridade e por sua ignorância. não estudaram o que seria de relevância: história, sociologia, geopolítica. não têm noção do que seja lógica, do que seja um argumento. estão ali para vender o peixe podre da versão de interesse dessa elite do atraso autoritária, escravagista e boçal.

    3. VERDADE AMIGO. EU PRA OUVIR A IMPRENSA NACIONAL ULTIMAMENTE TENHO TOMADO PLAZIL, É TIRO E QUEDA.

      1. engov tb é bom. Um antes, um depois. Só com essas medidas preventivas, pra assistir aquilo

    4. Pois é né! Os jornalistas a (maioria) engatilharam perguntas tentando provocar o Glen, mas se deram mal. Todas a perguntas foram respondidas com estilo. Tentaram provoca-lo com cetas inquirições, mas deram com a cara na porta. Se formos analisar de um a dez eu diria que o Glen ficou com 99% de provação

    1. Acho que somente com a mídia on-line independente é que nos depararemos com um jornalismo que foi esquecido lá no passado, principalmente depois do fim daquele tradicional Jornal do Brasil, no meu ponto de vista. É “jornalismo de consumo” o que temos hoje em dia. Estão sob o setor comercial e de contratos. Observem como foi apresentada uma matéria sobre longevidade no “Jornal” Globo. Um outdoor, tudo felicidade, mostrando idosos alegres como se fosse propaganda de produtos desportivos e curtição, atrelando isso à Degola da Previdência, como se fosse possível ser atingido pelos mortais, como se todos fossem políticos , togados e militares.
      A mídia é um verdadeiro “amansa corno” para crimes do mercado praticados por patrocinadores; como publicitária sem escrúpulos dos interessados que lucrarão com as enormes perdas da população e como um “Black Block”contra quem atua por justiça social e até mesmo por justiça contra crimes de mercado.
      Lembro de uma frase que li no Instagram do Conversa Afiada: “Povo manso é um povo sem direitos”, sendo essa frase o motivo de minha definição acima.

      https://uploads.disquscdn.com/images/998541edf91e2a0f0025be5c6cd0279defa7182d564f85a1dd6aa459d2031fec.jpg

    2. O problema com a Roda Viva doriana é que seu ambiente é a escuridão. Ela ousou vir à luz do dia e quase morre ofuscada, como os vampiros.

  2. Concordo em gênero, número e grau. Foi justamente o que eu e minha mulher comentamos, ao ver o programa: esses jornalistas são vergonhosos.

    1. A grande mídia está se enforcando com a própria corda.
      Estão tão emburrecidos, que sequer percebem que não só não manipulam mais ninguém, como ainda estão deixando provas cabais de sua tentativa de manipulação. Só fazem de conta que concordam com esses jornalistas os que se beneficiam dos crimes da lavajato, de Moro e DD.

      1. Exato. Estão há tanto tempo cheirando o rêgo do patrão que não sabe mais o que é jornalismo de verdade, mesmo recebendo uma aula de duas horas de quem entende do assunto.

  3. Mas a verdade é que Glenn Greenwald deu um baile. A vergonha se tornou maior, diante da calma, segurança, conhecimento, profissionalismo e inteligência do cara. As tietes do Moro foram trituradas por argumentos demolidores. O sotaque carregado do Glenn aumentou minha vergonha de ser brasileiro.

    1. Acabei de fazer o mesmo comentário com minha namorada, que é uruguaia. Estou envergonhado com o que acabei de assistir.

    2. E em inglês Glen teria se expressado muito melhor, seria seria mais humilhante pra corja golpista.

    1. O que o Joseph Pulitzer afirmou, até parece ter sido inspirado no que vem acontecendo neste país tão grande e amado!

  4. Na resposta do Glenn, o “jornalista da Globo” mijou pra trás de tal forma que precisaram chamar o faxineiro e por um fraldão no representante do Tabajara News.

  5. Se o queiroz fosse parar no roda viva, as perguntas iriam girar em torno de seu tratamento no Albert Einstein, da decoração de seu apartamento no Morumbi e de sua adaptação à cidade de S. Paulo.

    1. Eu me lembro do festival de puxassaquismo na entrevista de Temer. Noblat: – “Como o senhor conheceu a Marcela?”.

  6. Curiosidade: a entrevista de hj no Roda Viva seguiu o mesmíssimo scritp de outra entrevista de uns dois meses atrás… no PÂNICO na JOVEM KLAN (uma blitzkrieg lavajatista)!
    Poderiam ter convidado o Emílio Surita e os outros palhaços para mais essa patacoada pró-marreco.

  7. Como sempre o Brito dá um golpe certeiro no último parágrafo. Infelizmente ele continua muito educado para pintar com todas as cores o que estamos vivendo. O que aconteceu ontem no Roda da Morte foi o assassinato do jornalismo brasileiro. Enquanto um jornalista pega uma situação e investiga sobre o assunto, os canalhas naquela arena entraram com um dogma na cabeça e ficaram duas horas espancando a realidade na tentativa de encaixá-la em suas mentiras. Bando de FdP.

    1. A bem da verdade, nem é um assassinato. É um suicídio.
      A grande mídia perdeu completamente a noção da realidade e nem é preciso mais se preocupar, pois eles está se enforcando com a própria corda.

  8. O Fernando Brito assistir o “roda viva” tudo bem, pois como bem dizia o Raul Seixas : ” Quando se quer entrar num buraco de RATOS, de RATO você tem que TRANSAR.”
    Eu não perco o meu precioso TEMPO.

  9. Eu assisti toda a entrevista. Jornalistas que não fazem jornalismo. Tentaram, de todas as maneiras, fazer com que o Glenn concordasse que ele não foi ético ao divulgar as falcatruas da lava a jato. Os criminosos são inocentes por que as conversas foram vazadas? O pior desses jornalistas foi o tal de Mascarenhas, de O Globo. Sinceramente, o QI dessas criaturas deve ser muito baixo. E o Glenn passeou nas suas respostas. Mas o objetivo do Roda Viva teve êxito: conseguiram falar muito e não dizer nada, criando mais confusão na cabeça dos desinformados.

  10. Foi um vexame mesmo. Mas não concordo que seja mostrado, nem como exemplo do que não fazer. É pra ser queimado, escondido, esquecido. Glenn deu aula de jornalismo, ética, paciência, elegância e até direito. Mas não creio que tenham entendido. Se eu fosse eles/elas ia vender pipoca na esquina e nunca mais me intitulava “jornalista”. Há anos não assistia e, depois de ontem, podem entrevistar até o Lula, que não passo nem perto.

    1. Se entrevistaram o Lula, vão intertompê-lo a cada 15 segundos com perguntas agressivas, como fizeram com Manoela D’Avila.

  11. O papel do PIG e de certos jornalistas sobre a Vaza-jato lembra muito o o “dossiê da máfia das ambulâncias” que envolvia o Serra. Nossa “valorosa imprensa” na época só queria saber quem tinha encomendado o tal dossiê, e não o que tinha no seu interior. Aí o PT, acossado pelo mensalão, cedeu a pressão do PIG e surgiram os famosos “aloprados do PT” e o caso deu em nada pro Serra que saiu limpinho da história.

  12. O fato é que a maioria dos jornalistas assim como a classe média, sempre foram de direita, e apoiaram todos os golpes de estado nesse país.

  13. Comecei a assistir o Roda Vida neste instante. Fiz uma pausa para registrar o absurdo que disse a “jornalista” logo na apresentação.
    Finalizou ela dizendo: “Vale tudo para prender criminosos?”
    Ora essa, o crime da lavajato está longe, muito longe, de se limitar a passar por cima da lei para prender criminosos.
    O que essa operação faz é POLÍTICA. E ainda por cima sob o comando dos EUA. Investigam, condenam e prendem quem convêm aos seus interesses políticos, pouco importa se são culpados ou não e se existem ou não provas. Não investigam seus aliados para que não se sintam melindrados. Não bastasse isso, para atender aos interesses dos americanos, deram um golpe para colocar no poder seus aliados, enfraqueceram a Petrobrás para que fosse privatizada a preço de banana, quebraram as grandes empreiteiras brasileiras e em sequência quebraram o Brasil, para que ele retrocedesse no tempo e voltasse a ser colônia, dessa vez dos EUA. E, obviamente, prenderam Lula para que ele não voltasse à presidência.
    Mesmo que fosse só para prender criminosos, já não valeria a pena passar por cima da lei.
    Mas o que a lavajato praticou não foi apenas injustiça contra pessoas e partidos, foram vários crimes inclusive de lesa-pátria, entregando nossa soberania para os EUA, vendendo a preço de banana nossas riquezas naturais e estratégicas para os estrangeiros, destruindo milhões de empregos e jogando o Brasil na miséria.
    Os poucos casos em que condenou e prendeu criminosos verdadeiros não compensaram, nem muito remotamente, o preço que o Brasil está pagando e ainda vai pagar por isso.
    A idiota da jornalista disse isso logo no início com a óbvia intenção de predispor o expectador a apoiar essa operação criminosa.
    Espero que todas as pessoas de bem que assistirem a esse programa sejam iluminadas por alguma força maior para perceberem imediatamente que esse programa está tentando manipulá-las.

    1. Conclusão sobre esse programa.
      Como programa de entrevistas, nota ZERO.
      Se fossem honestos, deveriam ter anunciado que fariam um programa para tentar defender a lavajato. Não conseguiram, mas ao menos teriam reconhecido suas intenções.
      Aquela ‘jornalista’ idiota que no final achou que ia arrasar sugerindo substituir jornalistas por hackers teve a resposta que mereceu. Jornalistas não cometem crime, hacker cometem. Jornalistas têm a obrigação de divulgar informações que sejam do interesse do público e por isso têm a garantia do sigilo da fonte.

    2. Conclusão sobre esse programa.
      Como programa de entrevistas, nota ZERO.
      Se fossem honestos, deveriam ter anunciado que fariam um programa para tentar defender a lavajato. Não conseguiram, mas ao menos teriam reconhecido suas intenções.
      Aquela ‘jornalista’ idiota que no final achou que ia arrasar sugerindo substituir jornalistas por hackers teve a resposta que mereceu. Jornalistas não cometem crime, hacker cometem. Jornalistas têm a obrigação de divulgar informações que sejam do interesse do público e por isso têm a garantia do sigilo da fonte.

  14. O interessante é saber que simples hipnotizáveis pelo Jornal Nacional, Globo News e até pelo Ratinho, atacam o duplamente premiado jornalista…????

  15. Assisti toda entrevista no Roda viva e fiquei entusiasmado com a desenvoltura do Jornalista Glen. Ele foi muito firme e honesto. Chamou varias vezes o Moro e Dalagnol de corruptos e métodos criminosos. Ele disse que a intenção era mesmo condenar o Lula mesmo sem provas. Foi uma aula de Democracia.

  16. Sem desmerecer os méritos do Jornalista Glen Greenwald, quem é que perde seu tempo ainda assistindo a um “programa” desses?

    1. pra ver o Glenn desnudar mais ainda a farsa jato. Perda de tempo, mesmo, pq os “entrevistadores” pareciam todos advogados dos farsajatenses

  17. UAI. E o bostanauro foi eleito por causa do que? Se não foi também em grande parte por causa do jornalixo antipetista que vem desde a copa/DILMA. Jornalismo feito por estes mesmos lixos do roda morta

  18. Esses jornaLIXOS, são meros jagunços tratando do lixo que o capitão do mato Moro produziu sob encomenda dos EUA.

  19. Comecei a ver e percebi logo por qual caminho as perguntas seguiriam. Depois de 15 minutos fui dormir.

  20. Quando fiquei sabendo q Grennwald foi convidado p ir neste programa, eu já sabia que ia ser isso…só ingênuos esperavam o contrário!

  21. Além de ensinar o que é jornalismo, o genial e impávido jornalista mundial Glenn Greenwald ratificou a compreensão de que os(as) “jornalistas” do *PIMG são mil vezes piores do que os patrões, diria o saudoso jornalista e escritor Paulo Henrique Amorim.
    *PIMG (Partido da Imprensa Mafiosa &$ Golpista), Globo Organizações MafioCriminosas à frente!

    1. … Se eu também já não soubesse que esta velha mídia golpista é um antro putrefato composto por infames “penas de aluguel”, eu confesso que teria sido acometido por uma crise paroxística de vômitos!
      Canalhas, canalhas, canalhas!

      1. “Eu penso que o ‘Roda Viva’ podia ter economizado o tempo do telespectador e resumido tudo a uma pergunta só: ‘Glenn, você achar certo cometer jornalismo’?”
        Por Ricardo Coimbra

  22. O jornalista não difere do contexto dos demais membros de nossa sociedade.
    Os militares também não, bem como políticos, médicos, advogados, juízes e que tantos outros mais.
    O QUE INCOMODA É QUE SE MOSTRAM -AQUELES E OUTROS TANTOS-, OPORTUNISTAS, VAIDOSO, VENAIS, GENTE DE POUCO OU NENHUM CARÁTER A SE VENDER POR UM TOSTÃO OU QUEM SABE UM MERO ELOGIO VAZIO.
    NADA DIFERENTE DO MORO OU DO DALLAGNOL.

  23. Podem ter cursado jornalismo, mas exercem assessoria de imprensa, nada além disso. O erro é continuar dando ao Roda Viva o valor que teve no passado. O programa está tão desprestigiado quanto o partido a que serve, o PSDB. Pra ser sincero, respeitando a coragem de Glenn, mas nem sei pra que aceitar participar de algo que não tem mais nenhuma visibilidade junto à opinião pública.

    1. Sou do tempo q o site da Fundaçao Padre Anchieta vendia no site o video do Roda Vuva com Noam Chomsky. Deviam chamalo de novo, desde 1998.

      1. Bons tempos, de jornalismo de qualidade (Roda Viva merecedor do nome e de credibilidade), programas ambientais pioneiros (Repórter Eco), programação infantil da melhor qualidade (Cocoricó e etc), equipe esportiva competente…

  24. A inveja!! A inveja é considerada pecado porque uma pessoa invejosa ignora e tem ódio de outra pessoa no lugar do próprio crescimento espiritual. .O RODA MORTA escancarou ao revelar que tem lado. Os que se dizem ser jornalistas imaginaram, esse cara! esse cara vai se ver com minhas perguntas!, ele tem vários prêmios internacionais, eu não tenho nenhum!, eu não suporto ele!, porque ele é melhor do que eu!…que ódio!! GLENN Foi uma aula, paciência, inteligência, profissionalismo e corajoso com o jornalismo de verdade, se fez jornalismo para aqueles que gostam da profissão.

  25. Todos foram covardes , como escreveu um outro comentário , deu o exemplo caso fosse o Queiroz , era exatamente tudo corria em torno do tratamento e da decoração do apartamento etc…medo do governo atual, medo de perseguições, covardes , não se faz mais jornalismo é outra coisa !

  26. O show foi do Glenn que comandou a plateia, digo a bancada, de pseudo jornalistas que foram com suas perguntas prontas ( pareciam as colinhas do bozo no único debate a que compareceu) e ditadas certamente pelos patrões ou seus gerentes sabujos. Deram-se mal, muito mal; que vergonha para a sua profissão. Se tiverem um pingo de seriedade e ética devem aproveitar e rever o triste papel que representaram e tirar lições para sua vida profissional ou, então, continuem como bobos da corte agradando os patrões que lhes pagam bem mal e exigem que não pensem e sejam medíocres submissos. A maioria do jornalistas brasileiros devia mirar no exemplo do norte americano e recuperar a imagem da categoria que hoje é reconhecida como sabuja e dependente , com raras e honrosas exceções.

  27. Alguém em sã consciência tinha duvidas de que seria diferente? Este programa está ruim já faz tempo, aquilo é a ala mais coxinha do jornalismo brasileiro.

  28. Senti vergonha pelos que não tiveram vergonha de nos envergonhar. Lastimável a conduta daqueles que se apresentaram como jornalistas.

  29. Não é por acaso, que o programa ganhou o vulgo de “roda
    morta” e teve tudo pra tentar provar o contrário, mas preferiu lacrar o caixão e jogar a pá de cal, infelizmente.

  30. Brito é muito bom, e seus seguidores são ótimos também (exclusive esta que vos fala), Valeu grande Brito. Um abração a você e seus seguidores (no qual me incluo)

  31. Sr.Fernando.A historia do JORNALISMO,sempre foi,o ATO de agradar ao PATRÃO.Hoje,com a ALTERNATIVA “INTERNET”,consegue-se discutir mais abertamente,essa profissão.Assim como o “DIREITO”,foi concebido como método de DEFENDER A PROPRIEDADE PRIVADA,o JORNALISMO TAMBÉM SEGUIU PELOS MESMOS CAMINHOS.Onde,até bem pouco tempo atraz,quem duvidava do EDITORIALISMO PATRONAL?

  32. Glenn, da Vaza a Jato, manteve sua postura de jornalista com elegância e inteligência, enquanto os jornalistas do Roda Viva assumiram a dos procuradores da Lava a Jato, tentando irresponsavelmente criminalizar Glenn.

  33. Diante dessa falsa moral jornalística fiquei me perguntando sobre o Carlinhos Cachoeira e a Veja ou os vazamentos ilegais da Lava Jato amplamente publicados pela imprensa. Como eles chamavam as críticas à divulgação? Censura? Pois é!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *