Rodrigo Maia a Míriam Leitão: reforma não tem 50 votos na Câmara

Em entrevista a Míriam Leitão, ontem, na Globonews, posou, outra vez, de “dono” da reforma da Previdência que, diz ele,”não tem mais que 50 votos a favor”.

— Quem decide o que será colocado na pauta é o presidente da Câmara.

Maia, usando a si mesmo como exemplo, voltou a criticar a condução que, até agora, Bolsonaro deu a sua relação com o parlamento:

—Quem ganha a eleição tem que saber construir aliados e não dividir a governabilidade.

E disse que vão aparecer novos problemas com o envio, nos próximos dias, das medidas relativas à aposentadorias dos militares junto com a concessão de aumento nos vencimentos das Forças Armadas.

— A gente reconhece que R$ 22 mil para um general quatro estrelas é pouco, mas o momento atual não é de falar de nenhum tipo de aumento.

O presidente da Câmara vai, ao menos nas palavras, tomando o lugar que caberia à articulação do Governo. Ou, melhor chamando, a “desarticulação” do governo, como se vê nos jornais de hoje, no desespero de “anular” o que disse Jair Bolsonaro ao admitir 60 anos como idade mínima para as mulheres.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

21 respostas

    1. Todos esperaram acabar a campanha eleitoral e o leãozinho raivoso percebeu que para governar o buraco é mais embaixo e assim vai virando um cordeirinho obediente nas mãos dos militares e dos fisiológicos do Congresso.

  1. Não caio nessa. Alguém se recorda do que aconteceu às vésperas daquele 17 de abril de 2016, quando fizeram uma encenação de que os votos necessários para barrar o impeachment na Câmara haviam sido conquistados? No fundo, estão aplicando o velho golpe: criar dificuldades para vender facilidades.

    1. Sem contar que já está circulando o preço de 10 milhões para “convencer” deputado a votar.

    2. Vi que um salário nos EUA de general chega a 12,000 dólares, algo em torno de 30 mil reais, em país altamente desenvolvido. Aqui 22 mil + benefícios é vida de Faraó diante de 44% vivendo com 1 salário mínimo ou dois.

  2. Está valorizando o negócio. Vamos ver como ele fala depois que “os urutus entrarem em ação” e o cofre for aberto.

  3. “A gente reconhece que 22 mil é pouco”, agora, para os idosos em situação de miserabilidade 1 salário mínimo é muito, vamos dar a eles 400 reais. Infâmia, corja safada maldita!

  4. “A gente reconhece que R$ 22 mil para um general quatro estrelas é pouco…”
    Imagine um salário mínimo;

  5. Mentira que general ganha só 22 mil. Conheço tenente coronel que ganha mais que isso e sargento da reserva que ganha mais de 15 mil.

  6. Para o desespero de alguns, reforma será aprovada! E quero apenas lembrar que militares tem sua própria previdência custeada por eles mesmos, e com direito à desvios dos valores mensais, que são de 11% dos seus salários pelos pelos governadores e chefes de estado!!!

    1. “Militares reformados e da reserva ganham em média R$ 13,7 mil por mês. Funcionários públicos da União ganham em média R$ 9 mil e quem se aposenta pelo INSS custa em média R$ 1,8 mil por mês para a previdência – com grandes discrepâncias entre quem recebe mais e quem recebe menos.”
      “A contribuição de um civil para o INSS é de 11% do salário bruto. Já a única contribuição feita por militares, para pensões, é de 7,5% – que pode subir para 9% se o militar tiver ingressado antes de 2001 e quiser manter o benefício de pensão vitalícia para filhas não casadas. Só o Exército tinha, no início do ano, mais de 67.600 filhas de militares recebendo um total de R$ 407 milhões por mês – o que dá um valor de mais de R$ 5 bilhões por ano. A Aeronáutica e a Marinha não divulgam os valores, apesar de se tratarem de dados públicos. No total, são mais de 110 mil filhas de militares recebendo pensões.”
      Confira em https://www.bbc.com/portuguese/brasil-46840663

      1. Você está falando dos militares das forças armadas né? Porque para os militares estaduais, não é assim! Para começar, eles pagam quase 12% de previdência dos seus salários brutos, filhos e filhas não tem direito à pensão e muito menos à previdência depois de 24 anos, e o interessante é que continuam pagando o mesmo valor depois do desligamento dos filhos, e continuam pagando quando entram para a reserva, quando são reformados,pelo resto da vida, e se falecerem, a esposa continua pagando o mesmo valor, sem contar que possuem previdência privada. O que vem acontecendo nos últimos anos? O estado desconta estes valores direto no contra-cheque, e não repassa à previdência, como temos o exemplo do estado de MG em que Pilantrel desviou 3 bilhões da previdência militar, não se assuste, foram 3 “bilhões” mesmo! Quando falam de militares, é preciso observar que, em número, militares estaduais se sobrepõe muito aos das forças armadas, e colocam todos no mesmo balaio.

  7. Boa tarde, perdoem minha ignorância. Bolsonaro quiz ser eleito sem ajuda, somente do povo e conseguiu, agora para governar precisa do apoio dos parlamentares, aí que a porca torce o rabo, esse apoio nunca foi de graça, para a maioria não importa o que vai ser votado, mas quanto vão ganhar pelo apoio.

  8. Acho engraçado esses caras ficam tentando vender dificuldades pra fazer chantagens. Essas regras são importantes para o País não para o Bolsonaro. Vamos ter resultados nos próximos governos Cara safado

  9. Fala típica de quem quer assustar o Chicago Boy e o Bozo. Os bancos já devem ter feito a conta de quanto vão lucrar com a administração das contas de aposentadoria e, provavelmente, já devem ter separado uns trocados para comprar os votos que faltam para a aprovação.

  10. Rodrigo Maia não quer apenas ser aliado e participar de reunião com Bolsonaro e o Chicago Boy, quer poder, power, voz de mando e muito dinheiro!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *