Satayanna: logo, fecharemos o Supremo e daremos a chave a Moro

zona

Mauro  Santayanna, em seu blog, mostra a evidente sedição de Sérgio Moro contra uma ordem jurídica legítima (correta ou incorreta, não é a questão) acaba completamente com o ordenamento jurídico do país.

Virou zona

Mauro Santayanna, em seu blog

A atitude de certo juiz de Curitiba de interferir na decisão de um desembargador do TRF-4 que mandou soltar o ex-presidente Lula ainda neste domingo é a gota que faltava para mostrar que a justiça está sendo descaradamente desobedecida e vilipendiada por bufões e tartufos de primeira instância no Brasil.

Caso o comportamento não seja coibido, isso equivalerá a um reles golpe de estado dado por um juiz de piso contra a República e o Estado de Direito em nosso país.

A mídia de sempre quis dar a impressão que se trata de um imbróglio judiciário quando não há imbróglio algum.
Moro não é o delegado da Polícia Federal encarregado de cumprir a determinação da justiça, não é o dono da custódia de Lula e não tem que se meter, interceptando ou prejudicando o cumprimento – especialmente no fim de semana – de uma decisão tomada pela autoridade competente, hierarquicamente superior, de um desembargador de plantão.

O que vai ocorrer daqui pra frente quando um juiz de primeira instância discordar da determinação – que se sequer estava dirigida a ele – de um desembargador?

Independente do desfecho desse episódio, a palavra e a responsabilidade estão com o órgão máximo do Judiciário, que deve assumir o seu papel de fazer cumprir a lei e a Constituição e a velha máxima de que decisão judicial não é para ser desobedecida e sim para ser cumprida incontinenti, evitando que se abram precedentes que irão transformar a justiça brasileira em uma balbúrdia em que terá maior poder quem espernear ou gritar mais alto, no lugar de obedecer aos prazos e ritos previstos no trâmite judiciário normal. Caso o STF se exima de manifestar-se sobre esse gravíssimo ato, absolutamente político, será o mesmo que confessar que quem manda no Brasil é a famigerada república que se instalou solertemente em Curitiba.

Nesse caso é melhor abandonar o prédio da Suprema Corte ao porteiro que estiver de plantão com as chaves de arquivos e gabinetes para que sejam entregues em prazo hábil ao insolente – e totalmente desequilibrado – juiz de piso que está agindo como se estivesse no comando da Nação.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

21 respostas

  1. Não nos deixemos acometer de uma miopia hipócrita, a questão é cristalina, o STF em Brasília passou a ser um “puxadinho” da 13ª Vara Federal de Curitiba e se auto imolou ao permitir o golpe do impeachment sem crime de Dilma.
    #STFAutoApequenado

  2. Não seria a questão do desembargador Rogério Favreto, ir até a prisão onde está Lula, pedir a sua liberdade, e quem se colocar contra, ser preso?

  3. Em português: MORO foi pego com as calças na mão. Se fodeu. Não adianta dar chilique. PERDEU PLAYBOY ! LULA livre já !!!

  4. Em português: MORO foi pego com as calças na mão. Se fodeu. Não adianta dar chilique. PERDEU PLAYBOY ! LULA livre já !!!

  5. nao tem ninguem no stf para peitar esse golpista? só temos bundas moles na supreminha corte?

  6. Eles que criaram o Moro-monstro que trate de domá-lo. O real medo deles é que, uma vez Lula solto será impossível trancafia-lo outra vez, Lula não será mais bobo de se entregar.

  7. PQP, custou mas parece que finalmente os juízes de berlim estão aparecendo. Mas algo há de se fazer com os juízes nazistas caso eles não tomem aquele comprimidinho que resolveria tudo.

  8. Em português: MORO foi pego com as calças na mão. Se fodeu. Não adianta dar chilique. PERDEU PLAYBOY ! LULA livre já !!!

    1. Não se esqueça. A Globo não autorizará a libertação de Lula.
      Nem permitirá que seu moleque de mandados seja punido.

    2. Moro é o Interventor Geral do Departamento de Justiça dos Estados Unidos no poder judiciário brasileiro, isto agora ficou completamente claro. Seu poder está legitimado pelo selo das listras e estrelas, e está acima de todo e qualquer poder local, inclusive o do STF. Ele é a prova viva de que o Brasil é um país ocupado e as instituições sob intervenção procuram manter certa tranquilidade interna, enquanto os dominadores completam o roubo das riquezas locais, ajudados por traidores nativos. Só não vê quem quer se passar por cego.

      1. Mas existe uma esperança: Seu foco de poder no Império, a Seção de Fraudes do Departamento de Justiça, assim como a Força Tarefa do FBI comandada por Robert Mueller, estão sob fogo cerrado da Presidência por terem tentado promover o impeachment de Trump. São abertamente hillarystas, e foram derrotados na última eleição. Tanto uma como a outra organização está sendo desmontada impiedosamente por Trump, e se Moro ou Dallagnol fossem hoje aos EUA procurar seus antigos companheiros, eles já não poderiam recepcioná-los oficialmente como fizeram outrora. Por exemplo: Andrew Weissman, cognominado “o pitbull de Mueller”, que dirigia a seção de fraudes e era o elo de ligação entre o DJ e a Força Tarefa do FBI, caiu em desgraça pública e foi afastado. Já Robert Muller, “tenta encontrar provas contra Trump e bate com a cara na parede de um juiz da Virgínia” http://kunstler.com/clusterfuck-nation/which-hunt/ – Por isso é que o cargo de interventor do Moro está se esvaziando e ele está sendo amparado apenas por forças entreguistas locais. Amparado apenas localmente, ele está bem mais vulnerável aos questionamentos implacáveis da legalidade jurídica e da legitimidade democrática, apesar de contar com o grande poder de mistificação de seus aliados da mídia entreguista. Hoje ele não pode mais voltar aos EUA de maneira oficial e só volta por lá quando é convidado, por exemplo, pelo candidato do PSDB à presidência, João Dória.

  9. Onde anda o juiz da bunda nua?
    uoxinton ou houston, TX onde tem assento, voz e financiamento o wilson Institute onde os dataquenga de curitiba jah estiveram varias vezes?
    O Wilson é patrocinado exclusivamente, repito, exclusivamente por empresas e ´pessoas do petroleo.
    Saquem suas conclusões.

  10. Lembro que houve um juiz na época da ditadura que diante da demolição da sede da UNE emitiu uma liminar ou coisa parecida (não lembro os detalhes), que não foi obedecida, ele então se dirigiu ao local munido de uma arma e impediu a continuação da demolição, fazendo cumprir sua decisão. Lembro de uma foto famosa no JB em que ele aponta o revólver para um dos que trabalhavam na demolição.

  11. Quando o juizeco começou a fazer merda, lguem deveria ter lhe pisado no pescoço na mesma hora. Muitas outras merdas teriam sido evitadas.
    Contudo, a mais alta corte de justiça do País, a qual, em última instância, não tomou qualquer providência. Ao contrário, e tal e qual as outras instâncias, não apenas fez vistas grossas como apoiou sua impertinência boçal, estimulando o juize o a novas e maiores merdas.
    Sí está o resultado. Falência das instituições judiciais brasileiras, cuja credibilidade rivaliza com a de certo “presidente” cujos asseclas correm pelas ruas com malas de dinheiro obtido de modo criminoso.
    Não se deve dar asas a cobras.
    Imagine a um doido varrido togado e vendido!

  12. Esperar manifestação em defesa do estado de direito dos acovardados ministros do Supremo é melhor esperar sentado, pois em pé vai causar escoliose.

  13. Pra quem pensa nisso como vitória, mais me parece um fortalecimento do estado de exceção vigente. A ordem de libertação foi rechaçada, como tudo o mais nesse processo, de maneira criminosa e, novamente, impune. Os vigias do judiciàrio, membros da própria corporação a quem devem vigiar, estão vendo que detêm todo o poder nas mãos. Punir moro pelas suas estripulias seria equivalente a devolver o poder às mãos do povo. O crescimento da percepção dos trambiques judiciais do dotô não refreou ou desacelerou o golpe. A eleição que chega segue ilegítima.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.