Se Sarney ‘matou’ Ulysses e Aureliano, Temer não fará o mesmo a Alckmin?

Sete em cada dez brasileiros acham que a vida piorou depois do golpe de estado que levou Michel Temer à Presidência.

Só  3% dos entrevistados têm uma avaliação positiva sobre o seu Governo.

Os dados, avassaladores, da complementação da pesquisa Vox Populi que apontou o amplo favoritismo eleitoral de Lula, mesmo quase completando quatro meses de detenção numa cela em Curitiba, embora não sejam novidade, parece que são muito pouco levados em conta nas análises políticas.

Toda a discussão se dá em torno de “tempo de televisão” – que já deixou de ser o único meio de comunicação política decisivo – , de alianças partidárias e, até, de personagens “novos” para decorarem, como vice, as candidaturas.

Mesmo com toda a máquina de propaganda, é muito difícil que um candidato como Geraldo Alckmin –  não apenas interlocutor privilegiado de Temer e de seu Governo mas, em sua chapa, acompanhado da Esplanada dos Ministérios em massa – deixe de ser identificado com o “temerismo”.

Mesmo que Henrique Meirelles se dedique a autolouvação de suas capacidades, não é tolo de chamar a si o lugar de “candidato do Temer”, embora, por ambição e vaidade, seja o do PMDB. Este, por sua vez, aceitou-o porque não tinha outro e Meirelles tem a vantagem de “já vir” com o dinheiro da campnha, deixando o resto dos fundos para a velha camarilha partidária.

Um governo desastroso, chefiado por alguém ridículo e ilegítimo, visto como maldito pela população espalha a mais de um esta maldição em eleições.

Com mais que o dobro do que tem Temer, 7% de aprovação, José Sarney arrastou para o vexame eleitoral dois homens com muito mais história e respeito público do que tem Geraldo Alckmin, ao soterrar as candidaturas de Ulysses Guimarães e de Aureliano Chaves.

Desculpem os que pensam o contrário, mas o latifúndio televisivo de Alckmin não é o suficiente para leva-lo a uma posição de favoritismo.

Até porque o estrago que fez o corvo Bolsonaro no ninho eleitoral dos tucanos não é pouca coisa.

PS: a íntegra da pesquisa está aqui, em PDF.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

17 respostas

  1. Tudo o que eles estão procurando é uma justificativa para explicar uma meteórica subida de seu candidato, alckmin, e uma surpreendente vitória. A aliança com o “centrão” e tudo que ela representa em termos de tempo de TV e estrutura partidária para a campanha se prestaria muito bem a esta “explicação”. Os caras não deram um golpe e prenderam Lula ilegalmente para devolver o poder 2 anos depois apenas por conta de uma eleiçãozinha.

      1. Em parte, a explicação é simples: o trabalho de emburrecimento do eleitorado foi realizado de maneira exemplar pela mídia. E os pobretões daqui já são propensos a apoiar os ricaços, haja visto o que houve em 1932.

      2. Em parte, a explicação é simples: o trabalho de emburrecimento do eleitorado foi realizado de maneira exemplar pela mídia. E os pobretões daqui já são propensos a apoiar os ricaços, haja visto o que houve em 1932.

  2. Alckimin é pra manter isso, ai, viu? TV não será mesmo a única forma de propaganda e, cá pra nós, 10 minutos de picolé de chuchu não há quem aguente

  3. Alckmin e o Centrão morrerão abraçados. Se o PSDB em São Paulo não resolveu nada em 24 anos, o que farão pelo Brasil?

  4. Por parte da esquerda, vejo o histerismo de quem discorda da estratégia de Lula, quer arranjar um meio de combatê-la, até dissuadí-lo e não encontrou como.
    Toda hora montam um novo espantalho pra promover o fud: já foram os outsiders, Bozonazi e agora o chuchu.

  5. Acho que não passa nem para o segundo turno. Queria poder ver a cara deles quando persistirem com uma casa decimal nas pesquisas.

  6. No que concordo. TV não define eleição. A estratéia russa nos EUA e o escândalo da cambridge analytyca referente ao Brexit são a prova desse novo momento. Até mesmo a greve dos caminhoneiros serve de parâmetro para analisar a relação tempo disponível x transferência dos votos Lulista pós 17 de setembro. O indicado do PT já está no segundo turno, resta saber contra quem. Bolsonaro ainda parece realmente consolidado em seus 17%.

  7. Nem precisa…quem é de S. Paulo, sabe todo o mal que os tucanos fizeram por aqui… principalmente o xuxuzinho..basta olhar qualquer córrego daqui para ver o esgoto a céu aberto…mesmo recolhendo o esgoto nas casas e cobrando caro por isso, para tratá-lo, jogavam tudo nos rios…vejam o Tietê…o Rodo-Anel é a obra mais cara( aditamentos criminosos ) é que não termina nunca…só uma coisa eles fazem rapidinho: PEDÁGIOS, isso tem até em estradas vicinais…Quem conhece o alckimin jamais voltará nele…
    45 TÔ FORA !!!!!!!

  8. Nao existe “tempo de televisao” suficiente no mundo para salvar a candidatura do Santo. Eu acho que o tal “tempo de televisao” vai servir de disfarce pra maracutaia que certamente esta sendo amrada para colocar o PSDB na presidencia

  9. O santinho do Geraldinho Alckmim é favorito para ser eleito apenas no PIG,, Rede Globo, O Globo, Globonews, Estadão, Folha, Rádio que troca notícia CBN, Tv Cultura, EBC, Valor Econômico, RBS, Zero Hora etc. Não adianta nada ter maior tempo na rádio e Tv para enganar o povo. O povo ja decidiu, quer o Lula de novo !

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.