Sobre Magnolli e os liberais que deram o braço ao fascismo

Demétrio Magnolli e Reinaldo Azevedo, cada um em seu campo, são dois publicistas que, sem nenhum ressentimento por seus erros pretéritos, acompanho com muita atenção.

São liberais remanescentes, papel que deveria ser ocupado por Fernando Henrique Cardoso, se a decadência oportunista e sabuja não o tivesse transformado numa ruína disforme.

Azevedo, com seu exemplar apego à Constituição, merece o reconhecimento de ter sido dos poucos a apartar-se do “jornalismo de histeria” que desaguou em duas bacias: a dos rufiões do bolsonarismo e a dos “moromuristas” que acham Bolsonaro um horror a ser suportado em nome de seus cavaleiros da lei (política) e da ordem (econômica).

Daí a pergunta que já é uma resposta de Demétrio, já há tempos e de novo, hoje, na Folha, faz: “O governo é mesmo um só?”

Demétrio tem tido a coragem de resistir, como um liberal quase solitário, à onda que transformou os que se diziam assim em cúmplices de um governo que não esconde os pendores autoritários e clama – acho que num deserto – para que os “liberais brasileiros” não adiram a uma semiditadura (ou mais que isso), apontando a tolerância, quando não o desejo, em que ela seja a forma possível de implantarem suas propostas.

Aí está a essência do erro mental dos remanescentes “liberais brasileiros”, não terem entendido que, ao contrário, a presença de uma força de esquerda – e esquerda, hoje, salvo exceções pontuais, é centro-esquerda, socialdemocrata) é, como sempre foi, a chave de sustentação de regimes liberais. Aliás, foi a derrota (em geral, por capitulação) da socialdemocracia europeia o que abriu espaço, ali, para o ressurgimento de uma extrema-direita agressiva, de volta aos padrões de antes da II Guerra Mundial.

Tanto é assim que a maior escalada de prosperidade econômica veio num período em que o “novo desenvolvimentismo” brasileiro fez, aqui, às vezes, do conceito de economia social de mercado, aqui temperada com um forte papel do Estado como investidor-financiador, por nossa histórica falta de poupança interna como fonte de capital.

Foi a destruição deste equilíbrio, a ruptura de um pacto eleitoral e a absoluta ausência de liberais com coerência política para manter a disputa dentro das regras do jogo que levou os liberais brasileiro a aderirem, em maior ou menor grau, à aventura fascistóide.

Desembarcar delas vai-lhes custar mais caro do que terem subido a bordo deste arrogante Titanic. E não por falta de mãos estendidas, mas por incapacidade de responderem com um sonoro não à pergunta que lhes faz Magnolli: “A questão não é acadêmica: os liberais brasileiros estão dispostos a seguir a trilha de Bolsonaro?”

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

23 respostas

  1. Digam o que disserem,façam o que fizerem jamais deixarão de ser dois grandes patifes,cafajestes e filhos da puta.São responsáveis por toda essa desgraceira.

  2. E vão contiuar TERGIVERSANDO SOBRE O MESMO TEMA.AGIOTAS HISTÓRICOS DA BABURDIA DOS MERCADOS FINANCEIROS,hoje falidos,restou somente,AGIOTAR TESOUROS DOS PAÍSES CAPITALISTAS,que falidos,pois renegaram a produção de bens consumíveis,em face da falência do mercado consumidor pois os mesmos consumidores,não tem mais níveis de consumo do auge do capitalismo produtivo,e os TESOUROS ,NÃO ARRECADAM MAIS O QUE FAZIAM NO PASSADO RECENTE,restou aos AGIOTAS,os TESOUROS.FALIDOS,e é um SALVE-SE QUEM PUDER.Em resumo,O IMPERIALISMO FINANCEIRO,foi PRO SACO.Andam pelo mundo,como CEGOS,OS AGIOTAS,indagando,onde se esconderam,OS BENFASEJOS IMPOSTOS?

  3. São academicamente dissonantes. Quem restaria na política de centro/direita para não trilhar o Guedes? Bobinho!

  4. É curioso o Brito qualificar o Magnolli e o Reinaldo Azevedo como “publicistas”.
    São também publicistas aqueles que fazem analises para o 247, DCM, Forum, TVT… ?
    O “publicista” Reinaldo Azevedo é quem tem feito, com constância, as melhores análises sobre Moro e Bolsonaro, sempre com fundamentação constitucional e infra constitucional. São tão bons que artigos de Reinaldo são reproduzidos em sites de “esquerda”.
    Não sou liberal como Reinaldo, mas há que se reconhecer os méritos do “publicista”.

    1. O fato dele defender a Constituição não faz dele um inocente. Ele passou anos criticando o governo do PT. Bolsominion, se fosse inteligente, também defenderia a nossa Constituição. O problema é que não existe bolsominion inteligente. São todos ignorantes em qualquer assunto que se relacione à política e à economia.

      1. Na verdade, o Reinaldo sempre escrachou o PT! Críticas, seriam até aceitáveis, mas, o que ele fez foi vender livros sobre mensalões e petrolões carregados de denúncias improváveis contra o PT. E, ao mesmo tempo, tecia loas de amor aos corruptos tucanos de SP e do BR.

      2. A questão não é de culpados e inocentes, até pq culpa temos nós tb porr tudo isso. Ficha Limpabe demais legislação que deram respaldo a quadrilha, juizes e PGRs indicados, omissão à crimes por servidores, etc.

    2. Claro que somos.
      Do dicionário:
      Significado de Publicista
      substantivo masculino e feminino
      Jornalista, ou pessoa que escreve para o público, em geral.
      Aquele que é versado em direito público ou escreve sobre a matéria.

      Não tem nenhum sentido pejorativo, como você vê. Ao contrário, não os seguiria com atenção se achasse menores seus comentários.

  5. A ausência de autênticos liberais a muito faz falta ao debate político nacional. Antes se tratavam de grupos fisiológicos que se abrigavam na aba do mercado, estes, por seus próprios pecados estão sendo substituídos por maltas fascistas …

  6. Reinaldo sempre procurou ser legalista, ainda assim, puxando pro lado político preferido dele. Lembro na época da Veja, ele dando destaque(não quer dizer que concorde) a fala dos generais que se não fosse o GOLPE, o Brasil teria virado uma Cuba. Desde então, esse povo da direita passaram a querer intervenção militar. Nunca é tarde pra mudar e melhorar. Independente das posições políticas, assisto sempre as lives de Reinaldo e de Villa. E ele, é uma voz altiva na imprensa que em sua maioria é anti-petista.

  7. Caro Brito, sinceramente?

    Os liberais estão cagando pra tudo isso e suas consequências!

    Desde que apoiaram e instituíram o golpe, muito lucro fácil já foi obtido, e hoje se esvai em fuga de dólares.

    A verdade é que tudo isso é cíclico! Governos mais sociais e democráticos, pós crise, “engordam o leitão” para essa cambada de oportunistas e gatunos realizarem o saque anos depois…

  8. Acredito que não é o momento para vingança. Se o Reinaldo voltou à razão, então deve ser recebido de forma positiva.
    Sinceramente acredito que a Direita precisa renascer sem a pecha fascista e brutalizadora, para acomodar, como uma casa, aqueles que voltarem à razão.

    E nós precisamos de uma Direita saudável.

  9. Simulacro de liberal é o que mais se vê no Brasil, especialmente no Partido da Social Democracia (PSDB), que de social-democrata só tem o nome.

  10. Desculpa Fernando mas uma capitulação normalmente vem acompanhada e seguida de uma muitas derrotas ou uma derradeira derrota. No caso da centro esquerda europeia (trabalhista, socialdemocrata ou socialista e, em menor medida, dos democratas nos EUA) o que aconteceu não foi exatamente uma capitulação, mas uma deriva, uma adesão, uma convergência, já que ocorreu após vitórias políticas e eleitorais contra seus adversários na direita (conservadores, populares ou democrata cristão na Europa, ou ainda, republicanos nos EUA). A adesão ou a convergência com o pensamento e a prática política de governos neoliberais veio na forma de uma mal explicada terceira via, cuja caso paradigmático mas infelizmente, não único, é o governo e a figura de Tony Blair. A atual ascensão da extrema direita na Europa e nos EUA tem muito a ver com o descrédito desses partidos de centro esquerda junto a seus eleitores naturais, uma classe trabalhadora, e esta cada vez mais precarizada pelas privatizações dos serviços públicos, pelas políticas de “austeridade” e por fim pela desindustrialização e pela precarização dos contratos de trabalho, quando as falsas promessas da globalização já não podiam mais mascarar a realidade de um mundo totalmente instável como fez ver a crise de 2008.
    Mas aqui abaixo da linha do Equador a história é outra e todos esses nomes e realidades tomam outras cores e significados, estamos quase sempre fora e aquém das realidades que esses conceitos querem representar, e normalmente aqui o uso desses conceitos está envolto em hipocrisia, em falsidade, em imitação que serve apenas para dar brilho a uma coisa opaca ou para tornar opaco algo que deveria brilhar. Muitos escritores e historiadores já chamaram a atenção para o fato de que no Brasil as ideias costumam estar “fora de lugar” (pelo menos se tomamos aquelas referências) e servem mais para dissimular e escamotear uma situação do que para esclarece-las. Alguém pode pensar em erro mas não, neste caso a confusão é parte do jogo.
    Dito isso agora podemos chegar ao ponto: Reinaldo Azevedo e em menor medida Demetrio Magnolli devem ser chamados pelo que são: penas pagas pelos patrões para expressar seus intereses e opiniões e dos mandachuvas de sempre. Todos tentando ridiculamente emular ou ser o próximo Lacerda. Fazem o papel do “ex-comunista” esclarecido e arrependido que sem nenhuma dúvida é pior do que qualquer reacionário ou neoliberal convicto. Não passam de funcionários, regiamente pagos, mas funcionários. Estão mais para publicitários ou vendedores de fumo do que para publicistas ou nem dos primeiros e nem dos últimos “intelectuais públicos”. No fundo no fundo aquele “publicista”, que abriu a porta para o jornalismo histérico e histriônico e depois foi chutado dele como cachorro sarnento, só estava querendo mesmo é oferecer uma vida mais confortável para dna. Reinalda, e o antipetismo e o tucanismo era então muito bem pago no mercado publicitário, digo no mercado “publicista”. Se existissem liberais democratas ou que acreditassem no liberalismo político como dizem acreditar no liberalismo econômico o Golpe de Estado não teria acontecido. No Brasil o centro democrático fica á esquerda do espectro político.

    ps: Fernando sugiro uma leitura atenta da Folha de São Paulo de hoje, acredito que ela ajuda a entender a “recaída” democrática do golpismo puro sangue, eles já estão se preparando para um novo “impeachment” (método próprio que nossa “terceira via” bem cheirosa e de bico torto, nosso “nem-nem”, costuma usar para vencer “eleições”) tudo “dentro da lei”, da ordem e do “Estado de Direito” contra os “populismos” de “esquerda” e “direita” (a mesma surrada narrativa que, sem sucesso, tentaram emplacar na época da eleição de 2018). Como tentava (mal) explicar acima, no Brasil nada está exatamente em seu lugar, tudo está deslocado no tempo, na história e as posições espectro ideológico além das próprias ideologias. Mais do que “narcos” o meninos e meninas do mercado financeiro, seus ideólogos e professores são “dependentes químicos” que não podem controlar sua adição, sua propensão sua dependência, por dinheiro e poder, e os privilégios daí derivados (irônica menção a dependência, a seu teórico, ídolo e príncipe; os tucanos perdem as penas mas não as caras, os cacoetes e as poses).

  11. O editor do blog é “bonzinho” e condescendente com esses dois escroques que ele chama de “liberais”. É bom não esquecer que tanto Azevedo quanto Magnoli faziam papel idêntico ao de Diogo Mainardi e quejandos. Foi RA quem cunhou o termo “petralha”, do qual até hoje se orgullha; notem que de 2004-2005 até 2017 ele estava na linha de frente dos que procuraram desqualificar o PT, os líderes do partido, os petistas e até mesmo os cidadãos comuns, simpatizantes ou apenas eleitores deste o partido de origem popular e operária (mas que há alguns anos e hoje, principalmente, quase tomado por uma juristocracia parceira e tão canalha quanto essa da Fraude a Jato). RA (que tem como mérito redigir seus artigos e m português castiço) só atentou para a importância da CF e para os abusos, ilegalidades e crimes da ORCRIM Fraude a Jato, quando foi grampeado pelos integrantes dessa quadrilha judiciária, mostrando a ligação umbilical dele, RA, com os tucanos. Não é que eu tenha ressentimento; eu tenho memória.

  12. Na verdade, o Reinaldo sempre escrachou o PT. Críticas, seriam até aceitáveis – fazem parte da vida política -, mas, o que ele fez foi vender livros sobre mensalões e petrolões carregados de denúncias improváveis contra o PT. E, ao mesmo tempo, tecia loas de amor aos corruptos tucanos de SP e do BR. Sempre jogou sujo, o Reinaldo.

  13. Fernando, creio que você cometer um erro de avaliação tanto com relação à social democracia quanto a esses dois canalhas com asco maior ao racista Demétrio.
    Não está havendo um abandono da social democracia em direção ao fascismo. Ela é o caminho.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.