Temer: para ser imbecil é preciso ser vaidoso

doisanos

O artigo de Michel Temer, hoje, na Folha, autolouvando-se pela passagem do segundo aniversário do golpe, só é relevante, paradoxalmente,  pelo retrato da irrelevância que seu autor conseguiu ser, neste tempo, no cenário político.

Todos os dados e argumentos que elenca para jactar-se de sua “grande administração” são, quando não simplesmente falsos, “conquistas” que se deram sem ele ou apesar dele.

Já se inicia com a alegação de que recuperou “Petrobras, o Banco do Brasil, os Correios, a Caixa Econômica Federal”.  Ora, a Petrobras, que largou a indústria naval à falência, vende campos de petróleo e perfura cada vez menos poços elevou seu valor em Bolsa apenas e simplesmente porque o seu produto subiu 200% de preço, o BB nunca esteve em crise, os Correios fecha agências e demite e a Caixa, além de dicar de fora das faixas populares do Minha Casa, Minha Vida, simplesmente fechou sua carteira imobiliária por seis meses.

Mas importante, porém, é que a prova real do vazio do que diz é que o verdadeiro juiz do desempenho de um governo, o povo, o tem na mais baixa e desprezível conta.

Sequer polêmico chega a ser; é unânime, na rejeição.

Há, porém, algo que agrava a sua situação.

É que é indispensável ao imbecil completo sentir-se vaidoso de sua própria insignificância.

E isso leva Temer a proferir frases que envergonhariam qualquer um que não chegasse aos píncaros da estupidez: “Fizemos em dois anos o que outros não fizeram em 20 anos”.

É o mesmo mote de seu desastrado e risível “slogan” – já substituído, de piada que virou: “O Brasil voltou, 20 anos em 2”.

Tire-se a vírgula e a “modéstia” do ocupante do Planalto e veremos que voltamos no tempo mais, muito mais.

À barbárie.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

16 respostas

  1. Entregou quase tudo o que os Golpistas pediram: faltou a reforma da previdência e a pavimentação da avenida por onde passaria um tucano, o candidato natural do Golpe. O tom elogioso do editorial da Falha de São Paulo sobre o governo não eleito e golpista é o testemunho disso. No fundo no fundo todo golpista tem Temer em grande consideração.

  2. Até concordo com o , digamos, sr. Temer. Em dois anos, seu desgoverno fez mais em prol da miséria, do desemprego, da falta de esperança que os últimos 20 anos de governo (neles incluídos Collor e o confisco da poupança popular).

  3. Ao que nos levou a maçonaria. Não duvidem que eles coordenaram e continuam comandando o golpe. Moro, Temer, Serra…

  4. Outro grande feito foi estar indiciado em processos com provas robustas de maracutaias e roubo do dinheiro do povo e mesmo debaixo de paus e pedras, ter conseguido o abraço de Gilmar e Carminha, daí conseguindo brechas da lei para não sair da cadeira da Dilma. Nem falo sobre a compra dos imprensados – aqueles que ficam no meio dos mais ativos e altivos (o centrão) – se, em nossa era FHC foi rei nesse mister.

  5. Preciso saber que remédio o Temer está tomando. Não é possível que o cara viaje tanto de cara limpa.

  6. Esse vampiro falou para quem? Se ele pensa que falou para a Nação, errou feio. Falou para a facção dele. Canalha.

  7. O Brasil voltou, 20 anos em 2… independente da vírgula, o voltou sempre terá o significado de retrocesso…
    Então temer tem razão nessa…
    Os golpistas retrocederam o brazil para o tempo quebrado que o país necessitava do fmi (já estamos vendo esse filme nos vizinhos liberais)…

  8. Realmente o Temer nõa fez em dois anos o que não se fez em vinte. Em dois anos ele destruiu 30 anos do que foi construido.

  9. Na minha cidade,que é de porte médio, (420 mil habitantes) a correspondência está sendo entregue com atrasos por falta de carteiros e segundo os agentes que as entregam aqui na minha residência, estão se aposentando cerca de cento e cinquenta e que não ha previsão de contratação para ocupar o lugar dos mesmos. Nos bairros periféricos, em rodízio, estão indo uma vez por semana. Aí vem o golpista traíra, acreditando que todos nós uns imbecis, dizer e escrever asneiras.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *