Um país indefeso

Só uma coisa está esclarecida neste pavoroso desastre ambiental que vive o Brasil.

É que o país está absolutamente indefeso.

Quando desabou Brumadinho, só tivemos os bombeiros de Minas Gerais a nos socorrer. O papel do Governo Federal limitou-se a uma operação publicitária com uma centena de militares israelenses, que vieram por quatro dias, com fama de “experts” em localização de soterrados, e foram embora com nenhuma localização de pessoas , vivas ou mortas, no gigantesco acidente.

Depois, quando ardeu a Amazônia, preocupamo-nos em proclamar uma tola soberania – na base do “é meu, se eu quiser queimo tudo” – e protelamos a ação incisiva das Forças Armadas até não mais poder.

Agora, levamos 50 dias para a providência óbvia de mobilizar os militares para o combate à chegada das borras de petróleo às praias,

É o povo, sozinho, que está lá.

As Forças Armadas estão em prontidão total, mas pela aprovação de uma reforma previdenciária que lhes aumente os soldos da ativa e os proventos da reforma.

O Brasil está ao sabor do acaso.

Há mais uma, duas, dez, cem ou 20 toneladas e óleo rumando às praias? Ninguém sabe e pouco lhes importa.

Não temos governo.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

15 respostas

  1. Vale mencionar também os bombeiros israelenses especialistas em incêndios em areais e rochedos, quando das queimadas amazônicas.

  2. Li um post do blogueiro Wilson Ferreira que achei interessante: “Show midiático criptografado continua: óleo no Nordeste e reality show da crise no PSL” – “A chamada crise de Bolsonaro com o PSL ocupa a pauta midiática junto com a catástrofe ambiental do derramamento de óleo cru na costa do Nordeste, coincidentemente a poucos dias do megaleilão da cessão onerosa do gigantesco Pré-sal”. Tudo isso que está acontecendo é uma jogada para blindar o megaleilão do pré-sal que vai ocorrer no dia 06 de novembro? https://revistaforum.com.br/blogs/cinegnose/show-midiatico-criptografado-continua-oleo-no-nordeste-e-reality-show-da-crise-do-psl/

    1. Considerando que não hesitaram em destruir a engenharia pesada brasileira para dar sustentação à farsa lavajateira de combate à corrupção (aliás, nunca antes tão vicejante deste lado da linha do Equador), eu não vejo motivo para ficar surpreso com mais uma mega armação cujo verdadeiro e (mal)velado objetivo seja o assalto definitivo contra o pré-sal!

  3. Pergunta/Pensamento do dia:
    O que de bom pode acontecer para um país que tem como presidente um analfabeto do mal, ignorante, indecoroso, prepotente, apátrida, atrasado, desinformado, burro, irresponsável, inculto, boca suja, mal educado, zoófilo, estuprador, odioso, miliciano, genocida, recalcado e doido de pedra ?

    1. Amigo, que porra é essa que as lideranças de esquerda não estão no meio da rua acusando “tudo isso que está aí”. Se não sair do gabinete agora… prá quê?

    2. O que de melhor poderia acontecer seria um meteoro nos atingir e acabar com tudo de uma vez, mas como não é possível vamos sobrevivendo (até sabe Deus quando) rumo as trevas.

    3. Depende. Na nossa atual idiocracia, nada de bom acontecerá e isto terá repercussão zero. Continuarão a fazer arminha e dizer “yeah”.

  4. Quando vejo as notícias sobre este óleo derramado nas praias mais lindas do Nordeste, não posso deixar de pensar no que aconteceu no país durante o governo neoliberal do Fernando Henrique Cardoso. Queriam privatizar a Petrobras a todo custo, e para isso era preciso desmoralizá-la. Um incêndio estranho consumiu uma plataforma de centenas de milhões de dólares, e matou quinze trabalhadores. Ainda bem que, por coincidência, uma equipe embarcada da rede Globo de televisão estava a poucos metros do local, e pôde registrar todo o pavoroso acidente para expô-lo aos olhos espavoridos da população brasileira. Depois, tentaram inundar a Baía de Guanabara de óleo, com um vazamento na refinaria de Caxias, que por milagre foi contido pelos petroleiros. Por último, tentaram fazer o petróleo escorrer sobre as águas das cataratas do Iguaçu, com um oleoduto a vazar petróleo diretamente sobre o Rio Iguaçu, no Paraná, também providencialmente contido. Não que a Petrobras tenha algo a ver com isto, mas desta vez parece que o alvo foi atingido, e as maravilhosas praias nordestinas ficaram mesmo cobertas de piche. Um monumental castigo para aquele pedaço rebelde do país. Só falta espalharem as penas de helicóptero.

  5. A Petrobras sempre teve um cuidado fora do comum com o meio ambiente. Uma empresa do povo brasileiro, não iria querer jamais contaminar os mares do país. Exemplo de extremo cuidado com o meio ambiente, este cuidado sempre esteve presente acompanhado de uma absoluta transparência sobre suas atividades técnicas e de um justificado orgulho pela correção das mesmas. Ao contrário dela, as multinacionais do óleo se caracterizam pelo descuido e pelo desprezo às normas dos países em desenvolvimento onde atuam. Só pensam em lucro e o resto que se dane. O que a Chevron fez na floresta amazônica do Equador é um crime ao planeta de proporções inimagináveis. O que a Chevron já fez no Brasil, é absolutamente escandaloso. Sem a Petrobras, e sob a ganancia cega dos que entregaram o Présal a uma exploração irresponsável, toda espécie de crime ambiental poderá acontecer sob as águas de nossa ex-Amazônia Azul.

  6. Se não tivéssemos governo, seria péssimo, mas é pior, muito pior.
    Temos Bolsonaro!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.