Vacina russa tem segredos, para o bem e para o mal

O registro da vacina anticoronavírus concedido oficialmente hoje pela Russia ao imunizante desenvolvido pelo Instituto Gamaleya está sendo visto com ceticismo no mundo ocidental.

Certamente há motivos para isso, pela falta de publicações científicas abertas sobre seu desenvolvimento e pelo apressamento dos testes em massa, característicos da “Fase 3” em que estão pelo menos seis outras vacinas.

E há, claro, a visão de que Vladimir Putin estaria, com isso, fazendo uma “jogada” publicitária para reforçar seu carisma como líder do povo russo.

Tudo pode ser verdade, mas a razão manda observar com atenção os resultados da vacina para verificar se não há, de fato, uma conquista científica de Moscou.

Para começar, da mesma forma que se pode pensar que Putin deseja se fortalecer, também é preciso pensar que, dono de um sólido patrimônio político, ele iria arriscá-lo em algo no qual pouca ou nenhuma confiança científica merecesse.

Depois, a ciência russa é muito desenvolvida e já era assim desde antes da revolução bolchevique e da criação da União Soviética. A Academia de Ciência Russa – durante o regime Academia de Ciências da União Soviética – tem quase 300 anos, fundada por Pedro, o Grande, em São Petersburgo e, a seguir, gozou de grande prestígio no reinado de Catarina.

Durante o século 20, nem é preciso dizer a ciência recebeu de apoio do regime da URSS e professores e pesquisadores só ficaram sem suporte nos anos iniciais do desmonte soviético, quando muitas universidades do mundo – inclusive no Brasil, para onde Darcy Ribeiro trouxe 17 deles, num projeto criminosamente desmontado na Universidade do Norte Fluminense – os disputaram.

Com tudo isso, é bom não desfazer da capacidade tecnológica dos russos – vejam, por exemplo, que seu programa espacial segue, mesmo aos trancos e barrancos – e considerar que tiveram décadas de pesquisas bacteriológicas e virais que, por conta da Guerra Fria, eram desenvolvidas de forma isolada e secreta.

Segredo sempre foi, por isso, uma das características da ciência naquele país. Ao batizarem a vacina de Sputnik V é possível que queiram tornar simbólica justamente a segurança, porque foi esta nave, lançada em 1960, a primeira a enviar e resgatar sem danos seres vivos ao espaço: os cachorros Belka e Strelka (veja a foto de sua volta à Terra) , além de camundongos e plantas, pois a pioneira Laika morreu durante o voo do Sputnik II.

A vida humana não tem nacionalidade, é um valor absoluto. Portanto, olhar sem preconceito o resultado da vacina russa é um dever de todos, mesmo que possa a muitos parecer impossível que seja eficaz e segura.

Saber-se pouco sobre ela não é o mesmo que recusar sua validade por razões “ideológicas” e deveríamos estar designando missões científicas para observar e, eventualmente, validar o imunizante.

É uma surpresa, deve ser tratada como uma simples mentira propagandística? Não.

Diziam o mesmo de levar e trazer seres vivos ao espaço, mas Belka e Strelka abriram a porta para que Yuri Gagarin fosse o primeiro homem a ir ao espaço, nos dizer que a Terra é azul.

E não é plana…

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

22 respostas

  1. Claro que a CANALHA DO NORTE,visando somente a possibilidade de lucro,vai tentar desfazer a descoberta russa.Mas somente no campo concorrencial,pois ambos,nos dias de hoje,ideologicamente,são idênticos.Ficam somente,a VELHA CONCORRÊNCIA CAPITALISTA,tão conhecida entre nós,idêntica a concorrência que ocorre,entre dois comerciantes vizinhos,que fazem isso,pra chamar os trouxas,que eles dão o nome de clientes.

  2. O segredo científico preservado pela Rússia é fundamental , o laboratório russo que a criou não está na bolsa de valores .

    1. E que sirva de exemplo, ou seja: tem acabar com essa ROUBALHEIRA da tal de bolsa, mercadoria tem que ser trocada por mercadoria e não por dividendos, ações etc, que só serve pra enganar TROUXA. Chega na feira pra comprar o kg de feijão com dividendo, pra ver a reação do feirante.

  3. Em 1992 estava destruída, e hoje é a maior potencia militar do planeta, bem acima, tecnologicamente e em capacidade de retaliação, dos eua, agora apavorado.
    Dá uma pequena mostra do que é.

    1. Na verdade, não. Boa parte do aparato russo está em situação ruim, inclusive houve um acidente no ano passado quando tentavam trazer um navio para reparos: não havia doca grande suficiente pro navio.
      Os EUA continuam sendo a maior potência militar, com 20 porta aviões ativos (mais que o dobro que China, Russia e Japão juntos), bases militares em dezenas de países (em breve aqui também, graças ao viralatismo da direita) sem contar que ainda é o maior vendedor de armamentos no mundo, responsável por 35% de todas as exportações no período de 2015-2019.

      1. E justamente por esse aparato, o falado “complexo industrial-militar” (Royalties para D. Eisenhower) que faz com que os EEUU, desde 1776,se envolvam em uma guerra, invasão ou intervenção a cada 4-5 anos. Os EEUU são um império. E agem como tal. Agora que as vacinas estão surgindo, iremos presenciar disputas políticas, ideológicas e comerciais entre países e laboratórios em torno delas. Leremos e ouviremos verdades, meias-verdades, fake-news e mentiras todos os dias.

      2. Creio que vc está ligeiramente enganado, em termos militares os USA perde feio em tecnologia para os russos.

      3. Você está enganado! Porta aviões não servem pra nada em Guerras entre potências ! Bases militares só servem pra chantagear países ocupados!
        A Rússia tem as mais poderosos armas como os Submarinos Poseidons, os Mísseis Avangards, os Sistemas de defesa S500, os Cacas SU_57 e etc
        Estados unidos poderiam vencer a Rússia em uma guerra conveciaonal já que tem aparato industrial e dinheiro pra uma guerra de longo prazo!

        Mas uma Guerra entre a Rússia e os EUA jamais será convencional. e numa de destruição total nada , nada sonha em superar a Rússia.

  4. Não entendi o título. O segredo é a alma do negócio. Os outros institutos estão dando publicidade às suas pesquisas? Putin não precisa de jogadas cloroquinicas para ter atenção e apreço da população russa. A própria imunização da população russa provará, ou não, se a vacina é eficaz.

  5. E se será um bem público, como disse a China isso não vai fica barato para os Sionistas ávidos pelos trilhões que irão pelo ralo.

  6. Sputnik informou que os estudos completos serão divulgados em breve.
    Rapidez teria sido possível porque foi usada uma técnica já comprovada: um mesmo adenovírus, encontrado em humanos, já utilizado em outras vacinas de segurança e eficácia comprovadas.
    E em breve, a prova do pudim: vacinação em massa na Rússia.
    (Nota: a técnica da vacina britânica seria a mesma, porém com um adenovírus encontrado em macacos e ainda não utilizado)

  7. Acidentes com unidades militares também acontecem nos EUA, eles já foram hegemônicos sim porem hoje não estão com este poderio todo destes 20 porta aviões que hoje taticamente são obsoletos, pois são alvo fácil para misseis e submarinos furtivos.
    Russia mostra em termos de armamentos hoje que faz melhor com menos orçamento.
    E outra imaginem as despesas para se manter estas bases.
    Todo Império cai com eles não esta sendo diferente.

  8. Outra coisa, aqui no ocidente COLONIZADO tudo que vem do oriente é motivo de desconfiança.
    Eu acho isto muito engraçado, esta se falando de uma vacina para salvar vidas não importa da onde venha, da China da Russia dos Eua.
    Ainda por cima acho hilario, que aqui no ocidente NÃO ACHEM ESTRANHO OU ENCAREM COM DESCONFIANÇA:
    Politicas neo-liberais avassaladoras.
    Cortes de verbas em Saúde.
    Cortes de verbas EM PESQUISA CIENTIFICA.
    Arrocho salarial.
    Desmonte da CLT.
    Desmonte da aposentadoria.
    Deputados e senadores ganhando uma fabula.
    Fraudes, NOTICIAS FALSAS divulgadas a torto e a direita.
    Imoralidade e abuso de poder.
    Descaso e falta de amor ao próximo.
    ISSO SIM É QUE DEVERIA SE QUESTIONAR COM A MESMA ENERGIA, COM VERGONHA NA CARA E TESTOSTERONA NA VEIA.
    ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *