Vacinação: você não decide sozinho se isso arrisca a minha vida

Depois de dizer que é ele quem decide de onde ser comprarão vacinas e que seu general-ministro da Saúde é quem decidirá se a vacinação será compulsória, Jair Bolsonaro deu um “chega pra lá” no Supremo, que vai apreciar ações que tornem obrigatória a imunização contra o coronavírus, se e quando se tiver uma solução cientificamente segura e comprovada, dizendo que “não pode um juiz decidir se você vai ou não tomar a vacina.”

Bolsonaro está “quase” certo pois, de fato, não deve ser uma decisão judicial e só o será, eventualmente, porque se prevê uma omissão de quem deveria decidir: a autoridade sanitária, com base na comunidade científica e os órgãos reguladores da saúde pública.

Porque a vacinação não é uma decisão individual, como poderia ser considerado – ainda assim não recomendado – o tratamento com cloroquina e outras substância que Bolsonaro é pródigo em “receitar”.

Não é o caso de submeter a este charlatanismo, em hipótese alguma, uma doença que já infectou 5,4 milhões de brasileiros e matou perto de 160 mil deles.

Porque a taxa de transmissão é uma progressão geométrica que depende não só de haver um transmissor, taxa básica de reprodução (R0) do vírus ( que, por sorte, não parece ser tão alta com o Sars-Cov-2 quanto é em doenças como o sarampo). Duas pessoas vacinadas, ainda que a taxa de imunização gerada por uma vacina não passe de 50% tem aproximadamente menos quatro vezes a possibilidade de contágio.

Quando se reproduz isso pelos vários elos da cadeia de transmissão viral a diferença se transforma em milhares de vezes risco de transmissão.

Eu não posso decidir apenas por meus critérios se devo tomar ou não a vacina, portanto, porque não é apenas a minha vida que estou decidindo apostar, mas a de todas as pessoas com que eu manterei contato em meu dia a dia, sejam não vacinadas ou mesmo vacinadas, porque, como a eficácia imunização não é absoluta (a metade, no exemplo que usei) também elas estão sujeitas ao contato na proximidade com um portador do vírus.

Portanto, não é um “achismo” inofensivo do presidente da República e certamente não o será por parte do Judiciário que, neste caso, quase certamente, vai se fixar numa questão ou em duas, se considerarmos a a obviedade da primeira, que só os lunáticos tendem a negar:

    1. A Covid 19 é uma doença perigosa, capaz de oferecer um risco evidente à saúde e à vida das pessoas?
    2. Vacinas aprovadas e certificadas pelas autoridades sanitárias servem para eliminar ou mitigar decisivamente este risco?

Se a resposta a ambas for sim, está na lei penal brasileira a que se submete aquele que se recusar ou estimular a não se vacinar:

Art. 268 – Infringir determinação do poder público, destinada a impedir introdução ou propagação de doença contagiosa

Ninguém está falando que o Estado deva sair “catando” pessoas para vacinar, como ao cachorro “Faísca” com quem Jair Bolsonaro quis exemplificar os cidadãos, mas é dever do Estado promover a campanha de vacinação em massa – se e quando houver vacina significativamente eficaz e segura – com todos os instrumentos de coerção administrativa de que possa dispor.

E, claro, os mecanismos de persuasões e de esclarecimento que sempre funcionaram nas campanhas de vacinação brasileiras.

O que, perdão, funcionavam.

Se houvesse, naqueles anos 60/70, legiões de imbecis com investidura pública, jamais teríamos derrotado a poliomielite e o sarampo que, aliás, voltou e fez o Brasil perder o status de país que o havia eliminado.

A OMS colocou, ano passado, o movimento antivacina na lista das 10 ameaças para a saúde global em 2019. Aqui, para nossa desgraça, ele chegou ao poder.

 

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *